domingo, 19 de agosto de 2018

O Cordeiro de Deus


    São João Batista, que encerou os tempos da Lei e dos Profetas, ou seja, do Antigo Testamento, foi quem apresentou Jesus como o Cordeiro de Deus a seus seguidores, um dia depois de batizá-Lo: "No dia seguinte, João viu Jesus que vinha a ele e disse: 'Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.'" Jo 1,29
    Ele deu esse testemunho: "É este de Quem eu disse: 'Depois de mim virá um Homem que me é superior, porque existe antes de mim. Eu não O conhecia, mas, se vim batizar em água, é para que Ele se torne conhecido em Israel.' (João havia declarado: 'Vi o Espírito descer do Céu em forma de uma pomba e repousar sobre Ele.') 'Eu não O conhecia, mas Aquele que me mandou batizar em água disse-me: 'Sobre Quem vires descer e repousar o Espírito, este é Quem batiza no Espírito Santo.' Eu vi-O e dou testemunho de que Ele é o Filho de Deus.'" Jo 1,30-34
    E tornou a dizê-lo mais uma vez diante de dois de seus seguidores, Santo André e São João Evangelista, que se tornariam Apóstolos: "No dia seguinte, estava lá João outra vez com dois dos seus discípulos. E avistando Jesus que ia passando, disse: 'Eis o Cordeiro de Deus.' Os dois discípulos ouviram-no falar e seguiram Jesus." Jo 1,35-36
    De fato, era precisamente essa a missão do Batista, como havia profetizado seu pai, o sacerdote Zacarias, no dia de seu nascimento: "E tu, menino, serás chamado Profeta do Altíssimo, porque precederás o Senhor e preparar-Lhe-ás o Caminho, para dar a Seu povo conhecer a Salvação pelo perdão dos pecados." Lc 1,76-77
    A simbologia do Cordeiro, no entanto, faz parte do patrimônio judaico desde quando Deus poupou Abraão de sacrificar seu filho Isaque, apresentando-lhe um filhote de ovelha para ser oferecido em holocausto: "O anjo do Senhor, porém, gritou-lhe do Céu: 'Abraão! Abraão!' 'Eis-me aqui!' 'Não estendas tua mão contra o menino, e não lhe faças nada. Agora eu sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu próprio filho, teu filho único.' Abraão, levantando os olhos, viu atrás dele um cordeiro preso pelos chifres entre os espinhos, e tomando-o, ofereceu-o em holocausto em lugar de seu filho." Gn 22,11-13


    Contudo, Deus não poupou os primogênitos dos egípcios, quando por meio de pragas tentou convencer o Faraó a libertar Seu povo da escravidão no Egito. Nessa ocasião, o sangue do cordeiro serviu de sinal para proteger o povo de Israel, e marcou o início do Sacrifício da Páscoa: "Moisés convocou todos anciãos de Israel e disse-lhes: 'Ide e escolhei um cordeiro por família, e sacrificá-lo-ás para a Páscoa. Depois disso, tomareis um feixe de hissopo, ensopá-lo-eis no sangue que estiver na bacia e com esse sangue aspergireis a verga e as duas ombreiras da porta. Nenhum de vós transporá o limiar de sua casa até pela manhã. Quando o Senhor passar para ferir o Egito, vendo o sangue sobre a verga e as duas ombreiras da porta, passará adiante e não permitirá ao destruidor entrar em vossas casas para ferir-vos. Observareis esse costume como uma instituição perpétua para vós e vossos filhos. Quando tiverdes penetrado na Terra que o Senhor vos dará, como prometeu, observareis esse rito. E quando vossos filhos vos disserem: que significa esse rito? respondereis: é o sacrifício da Páscoa, em honra do Senhor que, ferindo os egípcios, passou por cima das casas dos israelitas no Egito e preservou nossas casas.'" Ex 12,21-27
    Embora fossem os tempos do Êxodo, o livro Levítico previa um especial lugar para esse sacrifício, que além da celebração da Páscoa servia para o perdão dos pecados: "O sacerdote que fez a purificação apresentará o homem que há de ser purificado e todas essas coisas ao Senhor, à entrada da Tenda de Reunião. Tomará, em seguida, um dos cordeiros e oferecê-lo-á em sacrifício de reparação com a medida de óleo, e agitá-los-á como oferta diante do Senhor. Degolará o cordeiro no lugar onde se imolam as vítimas pelo pecado e o holocausto, no santo lugar, porque a vítima do sacrifício de reparação, assim como a do sacrifício pelo pecado, pertencem ao sacerdote: esta é uma coisa santíssima." Lv 14,11-13
    Em tempos de forte conversão em Israel, para obter proteção do Senhor, a pedido do povo o Profeta Samuel realizou este sacrifício: "Samuel tomou um cordeiro de leite e ofereceu-o inteiro em holocausto ao Senhor. Depois clamou ao Senhor por Israel, e o Senhor ouviu-o. Enquanto Samuel oferecia o holocausto, os filisteus começaram o combate contra Israel. O Senhor, porém, trovejou com Sua fortíssima voz sobre os filisteus naquele momento e eles dispersaram-se, sendo batidos pelos israelitas. Tomou Samuel uma pedra e pô-la entre Masfa e Sen, dando-lhe o nome de Eben-Ezer, pois disse: 'Até aqui nos socorreu o Senhor.'" 1 Sm 7,9-10.12
    Com as reformas promovidas pelo rei Josias, após Helcias ter reencontrado o livro da Lei no Templo, os sacerdotes judeus retomaram essa função: "Imolaram o cordeiro pascal. Com o sangue que receberam das mão dos levitas, os sacerdotes fizeram a aspersão, enquanto os levitas esfolavam as vítimas." 2 Cr 35,11
    Séculos depois, porém, o Profeta Oseias, que será mencionado por Jesus, começou contestar os sacrifícios por terem-se tornado um mecânico ritual em meio à completa corrupção de Israel: "Que te farei, Efraim? Que te farei, Judá? Vosso amor é como a nuvem da manhã, como o orvalho que logo se dissipa. Por isso, é que os castiguei pelos Profetas, matei-os pelas palavras de Minha boca, e Meu Juízo resplandece como o relâmpago, porque Eu quero o amor mais que os sacrifícios, e o conhecimento de Deus mais que os holocaustos. Mas eles vergonhosamente violaram a Aliança e traíram-Me. Galaad é uma cidade de malfeitores, cheia de traços de sangue; os bandidos são sua força, uma quadrilha de sacerdotes; assassinam no caminho de Siquém, porque seu proceder é criminoso. Vi horrores na casa de Israel: ali cresce a prostituição de Efraim, ali se mancha Israel." Os 6,4-10
    Assim também procedeu o grande Profeta Isaías, reclamando uma verdadeira conversão espiritual: "'De que Me serve a multidão das vossas vítimas?', diz o Senhor. 'Já estou farto de holocaustos de cordeiros... Cessai de fazer o mal, aprendei a fazer o bem. Respeitai o direito, protegei o oprimido; fazei justiça ao órfão, defendei a viúva.'" Is 1,11.17


JESUS, CORDEIRO IMOLADO

    E em suas profecias, Isaías termina por ver o próprio Messias na figura do cordeiro imolado: "Foi maltratado e resignou-se; não abriu a boca, como um cordeiro que se conduz ao matadouro, e uma ovelha muda nas mãos do tosquiador. Ele não abriu a boca. Por um iníquo julgamento foi arrebatado. Quem pensou em defender Sua causa quando foi suprimido da terra dos vivos, morto pelo pecado de meu povo? Foi-Lhe dada sepultura ao lado de facínoras e ao morrer achava-se entre malfeitores, se bem que não haja cometido injustiça alguma, e em Sua boca nunca tenha havido mentira." Is 53,7-9
    Os seguidores da tradição de São Paulo vão dizer de Sua Paixão: "Uma vez que os filhos participam da mesma natureza, da mesma carne e do sangue, também Ele participou, a fim de destruir pela morte aquele que tinha o império da morte, isto é, o demônio, e libertar aqueles que, pelo medo da morte, por toda vida estavam sujeitos a uma verdadeira escravidão. Veio em socorro, não dos anjos, e sim da raça de Abraão, e por isso convinha que em tudo Ele se tornasse semelhante a Seus irmãos, para ser um compassivo e fiel Pontífice no serviço de Deus, capaz de expiar os pecados do povo. De fato, por ter Ele mesmo suportado tribulações, está em condição de vir em auxílio dos que são atribulados." Hb 2,14-18
    Afirmativamente, se Deus poupou Isaque, o filho de Abraão, e tão somente o fato de Ele ter cogitado esse sacrifício nos parece um absurdo, não hesitou em poupar Seu próprio Filho. São João Evangelista atesta: "Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo que lhe deu Seu único Filho, para que todo aquele que n'Ele crer não pereça, mas tenha a Vida Eterna." Jo 3,16
    São Paulo também apresentou este sacrifício como uma prova do amor de Deus, e assim como garantia de tudo que Lhe podemos pedir: "Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo Seus desígnios. Aquele que não poupou Seu próprio Filho, mas que por todos nós O entregou, como com Ele também não nos dará todas as coisas?" Rm 8,28.32
    Todavia, prevendo que Seus seguidores também seriam hostilizados, e até brutalmente martirizados, Jesus compara-os a cordeiros prontos para um holocausto: "Ide! Eis que vos envio como cordeiros entre lobos." Lc 10,3
    Por isso, evocando o Profeta Oseias, Ele vai falar em compaixão perante os judeus: "Ide e aprendei o que significam estas palavras: 'Eu quero a Misericórdia e não o sacrifício (Os 6,6).'" Mt 9,13
    Ele bem sabia o que sofreria Sua Igreja: "Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que todo aquele que vos tirar a vida julgará prestar culto a Deus. Procederão deste modo porque não conheceram o Pai, nem a Mim." Jo 16,2-3
    E por duas vezes pediu a São Pedro que cuidasse da parte mais frágil de Seu rebanho: "Tendo eles comido, Jesus perguntou a Simão Pedro: 'Simão, filho de João, amas-Me mais do que estes?' Respondeu ele: 'Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo.' Disse-lhe Jesus: 'Apascenta Meus cordeiros.' Perguntou-lhe outra vez: 'Simão, filho de João, amas-Me?' Respondeu-Lhe: 'Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo.' Disse-lhe Jesus: 'Apascenta Meus cordeiros.'" Jo 21,15-16
    Pois o Príncipe dos Apóstolos tinha bem claro qual Cordeiro havia redimido nossos pecados perante Deus, como vai pregar em sua encíclica: "Porque vós sabeis que não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que tendes sido resgatados de vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais. Mas pelo precioso Sangue de Cristo, o Cordeiro Imaculado e sem defeito algum, Aquele que foi predestinado antes da criação do mundo e que nos últimos tempos foi manifestado por amor a vós." 1 Pd 1,18-20
    E São Paulo pedia uma completa renovação em nossas vidas: "Purificai-vos do velho fermento para que sejais nova massa! Porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, Nossa Páscoa, foi imolado." 1 Cor 5,7
    Com razão, para estabelecer a Nova Aliança prometida desde os tempos do Profeta Jeremias, em Si mesmo Jesus realizou o Sacrifício Perfeito. É o que argumentam os seguidores de São Paulo, ao contemplar os sacrifícios que os judeus seguiam oferecendo: "Enquanto todo sacerdote diariamente se ocupa com seu ministério, e inúmeras vezes repete os mesmos sacrifícios que, todavia, não conseguem apagar os pecados, Cristo ofereceu pelos pecados um único sacrifício, e logo em seguida tomou lugar para sempre à direita de Deus, onde de ora em diante espera que Seus inimigos sejam postos como um banquinho para Seus pés (Sl 109,1)." Hb 10,11-13
    Sem dúvida, está no livro deste grande Profeta: "Dias hão de vir - Oráculo do Senhor - em que firmarei Nova Aliança com as casas de Israel e de Judá. Será diferente da que concluí com seus pais, no dia em que pela mão os tomei para tirá-los do Egito. Aliança que violaram, embora Eu fosse o Esposo deles. Eis, então, a Aliança que farei com a casa de Israel - oráculo do Senhor: 'Incutir-lhe-ei Minha Lei, gravá-la-ei em seu coração. Serei Seu Deus e Israel será Meu povo. Então, ninguém terá encargo de instruir seu próximo ou irmão, dizendo: 'Aprende a conhecer o Senhor', porque todos Me conhecerão, grandes e pequenos - Oráculo do Senhor -, pois a todos perdoarei as faltas, sem nenhuma lembrança guardar de seus pecados." Jr 31,31-34
    E assim, pelo Espírito de Deus que nos é concedido, o Cristo renovou a Antiga Aliança: "Por uma só oblação, Ele realizou a definitiva perfeição daqueles que recebem a santificação. É o que nos confirma o testemunho do Espírito Santo. Ora, onde houve plena remissão dos pecados, não há porque por eles oferecer sacrifício. Por esse motivo, irmãos, temos ampla confiança de poder entrar no Eterno Santuário, em virtude do Sangue de Jesus, pelo novo e vivo Caminho que nos abriu através do véu, isto é, o Caminho de Seu próprio Corpo." Hb 10,14-15a.18-20
    São Paulo fala, nestes termos, do Batismo do Espírito Santo, profetizado por São João Batista: "A Lei do Espírito de Vida libertou-me, em Jesus Cristo, da Lei do pecado e da morte. O que era impossível à Lei, visto que a carne a tornava impotente, Deus o fez. Enviando, por causa do pecado, o Seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne a fim de que a justiça prescrita pela Lei fosse realizada em nós, que vivemos não segundo a carne, mas segundo o Espírito." Rm 8,2-4


AS NÚPCIAS DO CORDEIRO

    Mas é tão somente no Céu, onde a noiva, a Jerusalém Celestial receberá devidamente Jesus, que Deus quer oferecer-nos o Eterno Banquete. Foi o texto ditado para que São João Evangelista registrasse: "Felizes os convidados para a ceia das núpcias do Cordeiro." Ap 19,9
    Assim foi sua visão: "Nisto ouvi como que um imenso coro, sonoro como o ruído de grandes águas e como o ribombar de possantes trovões, que cantava: 'Aleluia! Eis que reina o Senhor, Nosso Deus, o Dominador! Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe Glória, porque se aproximam as núpcias do Cordeiro. Sua Esposa está preparada. Foi-lhe dado revestir-se de puríssimo e resplandecente linho. (Pois o linho são as boas obras dos Santos.)" Ap 19,6-8
    Pois Ele, o Cordeiro de Deus, é digno de toda Glória perante todos anjos: "Eu vi no meio do trono, dos quatro Seres e dos Anciãos um Cordeiro, de pé, como que imolado. Tinha Ele sete chifres e sete olhos (que são os sete espíritos de Deus, enviados por toda terra). Em minha visão também ouvi, ao redor do trono, dos Seres e dos Anciãos, a voz de muitos anjos, em número de miríades de miríades e de milhares de milhares, bradando em alta voz: 'Digno é o Cordeiro imolado de receber o poder, a riqueza, a Sabedoria, a força, a Glória, a honra e o louvor.'" Ap 5,6.11-12
    Lá, ainda conforme a visão de São João Evangelista, os Santos de todas nações já proclamam Seu sacrifício como a obra da Salvação: "Depois disso, vi uma grande multidão que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povo e língua. Conservavam-se em pé diante do trono e diante do Cordeiro, de vestes brancas e palmas na mão, e bradavam em alta voz: 'A Salvação é obra de Nosso Deus, que está assentado no trono, e do Cordeiro.'" Ap 7,9-10
    De fato, Jesus purifica Seu povo por Seu Sangue através do Santíssimo Sacramento, e derrama sobre eles Seu Divino Espírito, fonte de Água Viva. Assim se chega à santificação, como disse um Ancião: "Esses são os sobreviventes da grande tribulação. Lavaram suas vestes e alvejaram-nas no Sangue do Cordeiro, por isso estão diante do trono de Deus e dia e noite servem-nO em Seu Templo. Aquele que está sentado no trono abrigá-los-á em Sua Tenda. Já não terão fome, nem sede, nem o sol ou calor algum os abrasará, porque o Cordeiro, que está no meio do trono, será Seu Pastor e levar-lo-á às fontes das Águas Vivas. E Deus enxugará toda lágrima de seus olhos." Ap 7,14-16
    E como Se disse a Luz do mundo, como tal Jesus Se apresentará ainda mais explicitamente na cidade celestial: "A cidade não necessita de sol nem de lua para iluminá-la, porque a Glória de Deus a ilumina e Sua luz é o Cordeiro." Ap 21,23

ORAÇÃO:
    Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!
    Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!
    Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, dai-nos a Paz!