quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Santo Afonso


     Sua luminosa inteligência foi percebida desde a infância. Aos 13 anos já tocava cravo com perfeição, e aos 16 foi aprovado por unanimidade como doutor em Direito Civil e Eclesiástico, quando a idade mínima era 20 anos. Mas aos 27, diante de tantos casos graves de corrupção, resolve deixar a carreira de advogado e tornar-se padre.
    Era de rica família, seu pai estava orgulhoso do filho que não perdia nenhuma causa na justiça, havia-se tornado famoso entre os nobres e era cortejado por belas jovens. Mas o coração de Santo Afonso Maria de Ligório não se acostumava com o mundo de aparências e futilidades. Após poucos anos de estudo de Teologia, ordenou-se aos 30 anos, em 1726.
    Nas ruas, buscava estar em companhia dos indigentes e marginalizados de Nápoles. E arrastava multidões de maltrapilhos para rezar e proclamar a Palavra de Deus. Criou as 'Capelas da Tarde', lugar onde os reunia também para estudar, cantar e realizar outras atividades sociais. Acompanhava os condenados à morte, para confortá-los, tomar-lhes Confissão, encorajá-los nos momentos que antecediam as execuções e cuidar de seus funerais. Visitava enfermos nos hospitais, principalmente no Hospital dos Incuráveis, onde havia mais de um século se tratou e trabalhou São Camilo.
    Tão intensa era sua vida de padre que em apenas 4 anos de serviços caiu doente, e viu-se obrigado a fazer um retiro para cuidar da saúde. Foi quando descobriu um lugar chamado Santa Maria dos Montes, acima da cidade de Scala, onde vivia uma gente de rude aparência, criadora de cabra, e logo começou a evangelizá-los. Seu terno e sensível coração, que havia renegado o falso, ambicioso e ferino mundo da grande cidade, encantou-se com a pureza daquele povo do campo. Nem mesmo entre os indigentes havia encontrado gente tão verdadeira e amável.


    Teve que voltar para Nápoles, mas não conseguiu esquecer os criadores de cabra. Após um longo período de meditação e aconselhamento com seus superiores, resolveu que a gente de Santa Matia dos Montes era mais carentes, pois, vivendo em região tão afastada, não tinham quem os assistisse com os Sacramentos. Era 1732. Com dois colegas revezavam-se num burrico e deixaram para trás toda a estrutura material de que se dispunha naqueles tempos. Fundou a Congregação do Santíssimo Redentor para anunciar o Evangelho aos mais abandonados. Haveriam de estar presente na vida dos mais humildes não apenas nos momentos religiosos, mas em todas as horas, nas suas casas, no dia-a-dia, nos trabalhos. E repetia: "Tudo é missão."
    Ao contrário de largos segmentos da Igreja de seu tempo, que falava de Lei e de pecado para combater o ateísmo já fortemente insurgente entre os mais letrados, Santo Afonso falava de amor e Misericórdia. Se Deus amava a todos, como poderia ser possível não amá-Lo? Com total propriedade, fez do Sacramento da Confissão a porta de entrada de muitas almas no Reino de Deus. Tão facilmente cativava as pessoas que por todos era procurado como alguém para conversar, aconselhar-se e, mais que tudo, reconciliar-se com Deus.
    Escrevia profusamente. Deixou belíssimas obras, entre elas 'Teologia Moral', escrita para os Sacerdotes, pois trata do momento em que o ser humano questiona sua vida diante dos amorosos olhos de Deus. E o 'Tratado da Castidade' ainda hoje é referência para quem deseja viver a mais autêntica cristandade. Nele claramente demonstrou como certas amizades podem ser muito perigosas.
    Sempre usou de linguagem que todos entendiam, dos mais ricos aos mais pobres. A popular simplicidade e devoção era sua grande bandeira para trair o pensamento dos cristãos, e fazê-los conhecer a humildade do Messias, servo, feito homem. Revelou ao mundo a grandeza de Nossa Senhora na obra 'Glórias de Maria', de quem, segundo ele mesmo confessou a uma freira, recebia conselhos.
    Escreveu sobre os Mistérios de Cristo, sobre Sua Encarnação e Sua Paixão. Escreveu para religiosos e leigos, e ainda sobre poesia e música, que usava para catequizar. São 111 obras. Diz-se que toda consciência cristã daquele tempo foi inspirada por suas pregações. Sem sombra de dúvida, é o melhor prosador religioso da Itália de todo século XVIII.


    Aos 66 anos, embora de frágil saúde, foi ordenado bispo de uma cidadezinha, Santa Ágata dos Godos, onde em treze anos renovou o seminário, melhorou sensivelmente a formação dos padres e levou o povo local a socorrer os mais pobres.
    De sua profunda inspiração, deixou-nos esses ensinamentos:
    "Quem ora, com certeza salva-se."
    "Quem reza se salva, quem não reza é condenado. Salvar-se sem rezar é dificilíssimo, até mesmo impossível... mas rezando, a Salvação é certa e facilíssima. Se não orarmos, não temos desculpas, porque a Graça de rezar é dada a todos... se não nos salvarmos, a culpa será toda nossa, porque não teremos rezado."
    "Não há mais necessário e mais eficaz meio para vencer as tentações contra a angélica virtude que o imediato recurso a Deus pela oração."
    "Que perfeição queres tu porventura encontrar sem a oração? Esta é a bela escola, em que se aprende a bela ciência dos Santos. Tantos estudos… tantas erudições, tantas línguas, tantas ciências diversas, são boas... podem servir... Mas é sobretudo necessária a bela ciência dos Santos, a ciência de amar a Deus, que não se estuda nos livros, não. Estuda-se diante do Crucifixo, diante do Santíssimo Sacramento."
    "A ciência dos Santos consiste em constantemente sofrer por Jesus Cristo. É pelo sofrimento que mais prontamente nos santificamos."

    "A verdadeira sabedoria é a Sabedoria dos Santos: saber amar a Jesus Cristo."
    "Os Santos consideram como presentes as doenças e as dores que Deus lhes manda."
    
"Se estivermos unidos à divina vontade em todas tribulações, é certo que vamos tornar-nos Santos e seremos os mais felizes do mundo."
    "Nisso consiste tudo de que precisamos fazer para sermos Santos: renunciar a nós mesmos e não seguir nossa vontade própria."
    "A santidade consiste: primeiro, numa verdadeira renúncia de si mesmo; segundo, numa total mortificação das próprias paixões; terceiro, numa perfeita conformidade com a vontade de Deus."
    "Fazer a vontade de Deus é fazer o que Deus quer e querer o que Deus faz."
    "O modo de agir dos Santos é bem diferente: gostariam que todo mundo conhecesse seus defeitos para tê-los como pobres pecadores, como eles mesmos se julgam."
    "Quem quer ser Santo, deve procurar cada dia dar alguns passos no caminho da santificação."
    "A principal recompensa que Deus dá ao Santos é dar-Se todo a eles."
    "Todos cristãos são chamados a viver a santidade."
    "A santidade é a vocação do cristão."
    "Os corações dissipados não se tornam Santos."
    "A Eucaristia não é só garantia do amor de Jesus Cristo, mas também é garantia do Paraíso que Ele quer dar-nos."

    "Jesus Sacramentado é a fonte aberta a todos, onde, sempre que quisermos, podemos lavar nossas almas de todas as manchas dos pecados que cometemos a cada dia."
    "A comunhão espiritual consiste no ardente desejo de receber a Jesus Sacramentado, e num amoroso trato como se já o houvéssemos recebido."    "Jesus Cristo, morrendo, apagou nossa condenação com Seu Sangue, para que assim recuperássemos a esperança do perdão e da eterna Salvação."
    "Este Senhor está sobre nossos altares, como em um trono de amor e de Misericórdia, para distribuirmos infinitas Graças."
    "Nenhuma língua é suficiente para declarar a grandeza do amor que Jesus tem a qualquer alma que está sob a Graça."    "A Misericórdia foi prometida a quem teme a Deus, e não a quem dela abusa."
    "Não convém, a uma tão grande Misericórdia como a Vossa, esquecer-se de tão grande miséria como a nossa."
    "Deus é o principal objeto da esperança cristã."
    "Maria é o porto dos que naufragam, consolo do mundo, resgate dos cativos, alegria dos enfermos."
    "O Rosário é a mais agradável homenagem à Mãe de Deus."
    "A alma no Céu dá-se toda a Deus, e Deus dá-se todo à alma, na medida em que ela é capaz e segundo seus merecimentos."
    "A alma no Céu está toda unida a Deus e ama-O com todas suas forças, com um consumado e perfeito amor."
    "No Céu, vendo a Deus, a alma não pode deixar de amá-Lo com todas suas forças."
    "É puro e perfeito amor o desejo de ir ver Deus no Céu. Não tanto pela felicidade que lá experimentaremos em amá-Lo, mas pelo prazer que Lhe daremos amando-O."
    "Sem a Missa, a terra já teria sido aniquilada há muito tempo, por causa dos pecados dos homens."


    Em 1775 deixou a diocese e voltou para sua congregação, para as orações e para seus escritos. E em 1787 finalmente descansa, aos 91 anos, deixando 72 Capelas da Tarde e 183 Padres Redentoristas. Algumas de sua relíquias podem ser vistas sob um dos altares da Basílica da comuna de Pagani, em Salermo, que foi erguida em homenagem a São Miguel Arcanjo mas passou a ser dedicada a nosso Santo. Aí se venera sua imagem em madeira, com vestes e paramentos que lhe pertenceram.



    Santo Afonso, rogai por nós!