quarta-feira, 27 de junho de 2018

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro


    O início da veneração à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro perdeu-se no tempo. São Lucas teria sido o primeiro a pintar sua imagem, a partir da qual, poucos séculos mais tarde, foi copiada esta acima. As letras 'MP ØY', nos cantos superiores, são a abreviatura de seu primordial título de Mãe de Deus, que se deduz da Divindade de Jesus e do que disse Santa Isabel, ao receber sua Visita e por suas palavra ser ungida pelo Espírito Santo: "Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu em seu seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: 'Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre. De onde me vem esta honra, de vir a mim a Mãe de Meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria em meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois hão de cumprir-se as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!" Lc 1,41-45
    Próximo ao Menino Jesus, vemos as letras 'IC XC' que são as abreviaturas de 'Jesus Cristo'. Também vemos os Arcanjos Gabriel, à direita com a Cruz, e Miguel, à esquerda, segurando a lança e a vara com esponja embebida em vinagre, que consumaram Seu Sacrifício: "Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para cumprir-se plenamente a Escritura, disse: 'Tenho sede.' Havia ali um vaso cheio de vinagre. Os soldados encheram de vinagre uma esponja e, fixando-a numa vara de hissopo, chegaram-Lhe à boca. Havendo Jesus tomado do vinagre, disse: 'Tudo está consumado.' Inclinou a cabeça e rendeu o espírito. Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com Ele foram crucificados. Chegando, porém, a Jesus, como O vissem já morto, não Lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-Lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu Sangue e Água." Jo 19,28-30.32-34
    Na igreja ortodoxa, essa imagem ficou conhecida como Mãe de Deus da Paixão, ou ainda, a Virgem da Paixão, pelos símbolos portados pelos anjos e por haver estado presente à crucificação, quando Jesus a declarou Nova Eva: "Junto à Cruz de Jesus estavam de pé Sua mãe, a irmã de Sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu Sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à Sua mãe: 'Mulher, eis aí teu filho.' Depois disse ao discípulo: 'Eis aí tua mãe.' E dessa hora em diante, o discípulo levou-a para sua casa." Jo 19,25-27
    É esse o objetivo retratado na pintura. Seu rosto é de compaixão. Ela sempre esteve próxima a Seu amado Filho, por isso recordamos Seu Perpétuo Socorro.
    O mais interessante, porém, é que esse título foi indicado por ela mesma. Essa pintura ficava numa igreja em Creta, onde operava milagres e trazia muita Paz aos habitantes. Mas comoveu tanto um comerciante italiano que ele a teria roubado, levado a Roma e guardado em sua casa. Após seu falecimento, Nossa Senhora apareceu a uma menina muito próxima à família, pedindo que sua imagem fosse levada à igreja de São Mateus, também em Roma, e que lá fosse invocada pelo nome de 'Mãe do Perpétuo Socorro'. Em 1499 a história já era popularmente conhecida, e ela foi finalmente entronada.
    Monges agostinianos irlandeses veneraram-na aí até 1739, quando foram designados para a igreja de Santa Maria em Posterula, igualmente na capital italiana, onde havia séculos já se venerava Nossa Senhora da Graça. Nossa imagem, portanto, ficou quase esquecida, não fosse o fato de um desses monges, já idoso, ter contado sua história a um jovem coroinha.
    Em 1855, dois anos após a morte deste monge, sem saberem, os padres redentoristas compraram a propriedade onde ficava a antiga igreja de São Mateus, que havia sido destruída, e lá estabeleceram sua Casa Generalícia. Nesse mesmo ano, entre os noviços redentoristas estava um jovem chamado Michael Marqui, aquele que havia sido coroinha dos monges agostinianos irlandeses. Em 1863, já padre, quando foram descobertos antigos documentos da igreja de São Mateus, que atestavam essa devoção pela Virgem, ele, por um lampejo, lembrou-se da história contada pelo velho monge e ajudou a encontrar a imagem fazendo uma busca em Posterula.
    O Papa Pio IX, que em 1854 havia declarado o Dogma da Imaculada Conceição, sabendo da bela e miraculosa história da imagem, entronou-a no Altar-Mor de seu atual Santuário, a igreja do Santíssimo Redentor e Santo Afonso Maria Ligório no Esquilino, em Roma, no ano de 1866. E deixou uma especial recomendação sobre a imagem aos redentoristas, que a tomaram como Padroeira: "Fazei que todo mundo a conheça."


    Pouco mais tarde, tamanha tem sido a devoção, começaram a surgir várias adaptações ao gosto do povo.


    Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, rogai por nós!