domingo, 24 de junho de 2018

São João Batista


    É o nascimento de São João Batista, comemorado hoje, que nos leva à data do Nascimento de Jesus. Zacarias, seu pai, era sacerdote da classe de Abias, e esta classe, segundo a tradição judaica (cf. 1 Cro 24,10), servia no Templo de Jerusalém na última semana do mês de setembro. São Lucas registrou: "Nos tempos de Herodes, rei da Judeia, houve um sacerdote por nome Zacarias, da classe de Abias. Ora, exercendo Zacarias diante de Deus as funções de sacerdote, na ordem da sua classe..." Lc 1,5a.8
    Em seguida, este evangelista aponta a Anunciação do Arcanjo São Gabriel a Nossa Senhora seis meses depois deste fato, portanto na última semana de março, indicando que Jesus nasceu na última semana de dezembro: "No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria." Lc 1,26-27
    Zacarias e sua mulher Isabel eram justos aos olhos de Deus, mas não tinham filhos porque ela era estéril. E já estavam com idade avançada quando o Arcanjo São Gabriel apareceu a Zacarias no Templo, o que o deixou assustado: "Mas o anjo disse-lhe: 'Não temas, Zacarias, porque foi ouvida tua oração: Isabel, tua mulher, dar-te-á um filho, e chamá-lo-ás João. Ele será para ti motivo de gozo e alegria, e muitos se alegrarão com seu nascimento. Porque será grande diante do Senhor e não beberá vinho nem cerveja, e desde o ventre de sua mãe será cheio do Espírito Santo. Ele converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, Seu Deus, e irá adiante de Deus com o espírito e poder de Elias, para reconduzir os corações dos pais aos filhos e os rebeldes à Sabedoria dos justos, para preparar ao Senhor um povo bem disposto." Lc 1,13-17
    Inicialmente, mesmo diante da aparição do Arcanjo, Zacarias duvidou deste milagre, e por punição ficou mudo até o nascimento do menino. Antes, porém, ainda em seu sexto mês de gestação, Santa Isabel recebeu a visita de Nossa Senhora, sua parenta, que, embora apenas engravidara de Jesus, foi ajudá-la. Nesse episódio Maria já mostrava que Sua presença e Sua voz eram muito especiais: traziam em si o Espírito de Deus: "Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se às pressas a uma cidade da Judeia. Entrou na casa de Zacarias, e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança agitou-se em seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo." Lc 1,39-41
    É quando Santa Isabel vai chamar Nossa Senhora de Mãe de Deus: "Com um grande grito exclamou: "Bendita és tu entre as mulheres, e é bendito o fruto de teu ventre! Como posso merecer que a Mãe do Meu Senhor venha me visitar?" Lc 1,42-43
    Mas a Santíssima Virgem não teria visto São João Batista nascer, pois sua gravidez entrava nos meses de maiores cuidados e várias outras mulheres já cuidavam de Santa Isabel. Por isso, os vizinhos acenderam uma grande fogueira nas montanhas para avisá-la, e daí vem nossa tradição: "Maria ficou com Isabel cerca de três meses. Depois voltou para casa. Completando-se para Isabel o tempo de dar à luz, teve um filho. Seus vizinhos e parentes souberam que o Senhor lhe manifestara Sua Misericórdia, e congratulavam-se com ela." Lc 1,56-57
    Quando ele nasceu, seu pai recuperou a voz e começou a louvar a Deus. Os habitantes da Judeia ficaram ainda mais admirados: "Todos que o ouviam, conservavam-no no coração, dizendo: 'Quem será este menino?' Porque a mão do Senhor estava com ele." Lc 1,66
    Zacarias então profetizou a missão de São João Batista, assim como a Missão de Jesus: "E tu, menino, serás chamado Profeta do Altíssimo, porque precederás o Senhor e Lhe prepararás o caminho, para dar ao Seu povo conhecer a Salvação, pelo perdão dos pecados. Graças à ternura e Misericórdia de Nosso Deus, que nos vai trazer do alto a visita do Sol nascente, que há de iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, e dirigir nossos passos no caminho da Paz." Lc 1,76-79
    No versículo seguinte, pelo registro do lugar onde ele habitaria, temos a indicação de que São João Batista era essênio: "O menino foi crescendo e fortificava-se em espírito, e viveu nos desertos até o dia em que se apresentou diante de Israel." Lc 1,80
    E mais uma vez aqui, pouco antes de começar a exortar o povo à Confissão: "... sendo sumos sacerdotes Anás e Caifás, veio a Palavra do Senhor no deserto a João, filho de Zacarias. Ele percorria toda região do Jordão, pregando o batismo de arrependimento para remissão dos pecados..." Lc 3,2-3
    Suas vestes e alimentação também indicavam hábitos essênios: "João usava uma vestimenta de pelos de camelo e um cinto de couro em volta dos rins. Alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre." Mt 3,4
    Assim como seu desprendimento material e doutrina de partilha: "Perguntava-lhe a multidão: 'Que devemos fazer?' Ele respondia: 'Quem tem duas túnicas, dê uma ao que não tem; e quem tem o que comer, faça o mesmo.'" Lc 3,10-11
    E, como de se esperar, mostrava-se absolutamente intransigente com a falta de compromisso com Deus: "Dizia, pois, ao povo que vinha para ser batizado por ele: 'Raça de víboras! Quem vos ensinou a fugir da iminente ira? Fazei uma realmente frutuosa conversão, e não comeceis a dizer: 'Temos Abraão por pai.' Pois, digo-vos: Deus tem poder para destas pedras suscitar filhos a Abraão. O machado já está posto à raiz das árvores. E toda árvore que não der bom fruto, será cortada e lançada ao fogo.'" Lc 3,7-9
    Mesmo altos funcionários dos judeus e de Herodes consultavam-se com ele: "Também publicanos vieram para ser batizados, e perguntaram-lhe: 'Mestre, que devemos fazer?' Ele respondeu-lhes: 'Não exijais mais do que vos foi ordenado.' Do mesmo modo, os soldados perguntavam-lhe: 'E nós, que devemos fazer?' Respondeu-lhes: 'Não pratiqueis violência nem defraudeis a ninguém, e contentai-vos com vosso soldo.'" Lc 3,12-14
    E antes de serem batizados, com ele faziam a Confissão dos pecados: "Pessoas de Jerusalém, de toda a Judeia e de toda a circunvizinhança do Jordão vinham a ele. Confessavam seus pecados e eram batizados por ele nas águas do Jordão." Mt 3,5-6
    Chegaram até mesmo a confundi-lo com o Messias: "Ora, como o povo estivesse na expectativa, e como todos perguntassem em seus corações se talvez João fosse o Cristo, ele tomou a palavra, dizendo a todos: 'Eu batizo-vos na água, mas eis que vem Outro mais poderoso do que eu, a Quem não sou digno de Lhe desatar a correia das sandálias. Ele batizar-vos-á no Espírito Santo e no fogo. Ele tem a pá na mão e limpará Sua eira. E recolherá o trigo ao Seu celeiro, mas queimará as palhas num inextinguível fogo.'" Lc 3,15-17


    E ao questioná-lo, obtiveram o prenúncio da chegada do Salvador"'Pois, então, quem és?', perguntaram-lhe eles. 'És tu Elias?' Disse ele: 'Não o sou.' 'És tu o Profeta?' Ele respondeu: 'Não.' Perguntaram-lhe de novo: 'Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo?' Ele respondeu: 'Eu sou a voz que clama no deserto... 'Continuaram a perguntar-lhe: 'Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o Profeta?' João respondeu: 'Eu batizo com água, mas no meio de vós está Quem vós não conheceis.'" Jo 1,21-23.25-26
    Veio, enfim, o grande dia da vida do Batista: "Da Galileia foi Jesus ao Jordão ter com João, a fim de ser batizado por ele." Mt 3,13
    Ao vê-Lo, "João dá testemunho d'Ele, e exclama: 'Eis Aquele de Quem eu disse: O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim.'" Jo 1,15
    Mas quando Jesus Se preparou para ser batizado, "João recusava-se: 'Eu devo ser batizado por Ti e Tu vens a mim?' Mas Jesus respondeu-lhe: 'Deixa por agora, pois convém cumprirmos a completa justiça.' Então João cedeu." Mt 3,14-15
    "No momento em que Jesus saía da água, João viu os Céus abertos..." Mc 1,10
    "E estando Jesus a orar... o Espírito Santo desceu sobre Ele em forma corpórea, como uma pomba. E veio do Céu uma voz: 'Tu és Meu amado Filho. Em Ti ponho Minha afeição.'" Lc 3,21-22
    "No dia seguinte, João viu Jesus que vinha a Ele e disse: 'Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Eu não O conhecia, mas, se vim batizar em água, é para que Ele Se torne conhecido em Israel... dou testemunho de que Ele é o Filho de Deus.'" Jo 1,29.31.34
    Daí em diante, dois dos discípulos de João, mais tarde acompanhados de muitos outros, começaram a seguir Jesus: "André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que tinham ouvido João e que O tinham seguido." Jo 1,40
    O início da vida pública de Jesus, no entanto, será após a prisão de São João Batista, mas, tal e qual o eremita, Ele continuará exortando a todos ao Sacramento da Confissão: "Depois que João foi preso, Jesus dirigiu-Se para a Galileia. Pregava a Boa Notícia de Deus, e dizia: 'Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Fazei penitência e crede no Evangelho.'" Mc 1,14-15
    Mas por Seu jeito por demais humano, Jesus surpreendeu inclusive ao Batista: "Tendo João, em sua prisão, ouvido falar das obras de Cristo, mandou-Lhe dizer pelos seus discípulos: 'Sois vós Aquele que deve vir, ou devemos esperar por outro?' Respondeu-lhes Jesus: 'Ide e contai a João o que ouvistes e o que vistes: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, o Evangelho é anunciado aos pobres...'" Mt 11,2-5
    É quando Jesus exalta São João Batista como o último Profeta do Antigo Testamento, apontando-o como o Elias, o Profeta e eremita que deveria retornar antes da vinda do Messias: "Tendo eles partido, disse Jesus à multidão a respeito de João: 'Que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? Que fostes ver, então? Um homem vestido com luxuosas roupas? Mas os que se vestem de tais roupas vivem nos palácios dos reis. Então por que fostes para lá? Para ver um Profeta? Sim, digo-vos Eu, mais que um Profeta. É dele que está escrito: Eis que Eu envio Meu mensageiro diante de Ti para Te preparar o caminho (Ml 3,1). Em verdade, digo-vos: entre os filhos das mulheres, não surgiu outro maior que João Batista. No entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele. Desde a época de João Batista até o presente, o Reino dos Céus é arrebatado à força e são os violentos que O conquistam. Porque os Profetas e a Lei tiveram a Palavra até João. E, se quereis compreender, é ele o Elias que devia voltar.'" Mt 11,7-14
    De fato, essa era uma promessa feita por Deus através do Profeta Malaquias: "Vou mandar-vos o Profeta Elias, antes que venha o grande e temível Dia do Senhor, e ele converterá o coração dos pais para os filhos, e o coração dos filhos para os pais, de sorte que não ferirei mais de interdito a terra." Ml 3,23-24
    E tamanha importância não será esquecida pelos Apóstolos, que irão mencioná-lo como um marco na História da Salvação, como disse São Pedro a Cornélio, sua família e amigos: "Vós sabeis como tudo isso aconteceu na Judeia, depois de ter começado na Galileia, após o batismo que João pregou, como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com o poder... " At 10,37-38a
    Contudo, mesmo diante de tão grandes sinais, como não deve ser novidade, a soberba e a vaidade endureciam alguns corações. São Lucas escreve: "Ouvindo-O todo o povo, e mesmo os publicanos, deram razão a Deus, pois deixaram-se batizar com João. Os fariseus, porém, e os doutores da Lei, recusando seu batismo, frustraram o desígnio de Deus a seu respeito." Lc 7,29-30
    Mas como disse o próprio Jesus, a humanidade como um todo é mesmo assim: não sabe nem mesmo o que diz: "... veio João Batista, que nem comia pão nem bebia vinho, e dizeis: 'Ele está possuído do demônio.' Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizeis: 'Eis um comilão e beberrão, amigo dos publicanos e libertinos.'" Lc 7,33-34
    Até entre os que continuavam seguindo São João Batista surgiam dúvidas, pois hesitavam em acolher seu testemunho sobre o Messias: "Ora, surgiu uma discussão entre os discípulos de João e um judeu, a respeito da purificação. Foram e disseram-lhe: 'Mestre, Aquele que estava contigo além do Jordão, de Quem tu deste testemunho, ei-Lo que está batizando e todos vão ter com Ele...' João replicou: 'Ninguém pode atribuir-se a si mesmo senão o que lhe foi dado do Céu. Importa que Ele cresça e que eu diminua. Aquele que vem da terra é terreno e fala de coisas terrenas. Aquele que vem do Céu é superior a todos. Com efeito, Aquele que Deus enviou fala a linguagem de Deus, porque sem medidas Ele concede o Espírito. O Pai ama o Filho e confiou-Lhe todas as coisas.'" Jo 3,25-27.30-31.34-35
    E eles chegaram questionar Jesus, quando Ele lhes explicou a realização das profecias e a instauração da Nova Aliança, que se fazia através de Sua Pessoa: "Então os discípulos de João, dirigindo-se a Ele, perguntaram: 'Por que jejuamos nós e os fariseus, e Teus discípulos não?' Jesus respondeu: 'Podem os amigos do Esposo afligir-se enquanto o Esposo está com eles? Dias virão em que Lhes será tirado o Esposo, então eles jejuarão. Ninguém põe um remendo de novo pano em velha veste, porque arrancaria uma parte da veste e o rasgão ficaria pior. Tampouco se coloca novo vinho em velhos odres. Do contrário, os odres rompem-se, o vinho derrama-se e os odres perdem-se. Coloca-se, porém, o novo vinho em novos odres, e assim tanto um como outro se conservam.'" Mt 9,14-17

SANTO GUARDIÃO DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO
   
    São João Batista foi preso ao denunciar que o rei vivia com sua cunhada. E pagou com a vida por seu testemunho. "João tinha dito a Herodes: 'Não te é permitido ter a mulher de teu irmão.' Por isso, Herodíades odiava-o e queria matá-lo, não o conseguindo, porém. Pois Herodes respeitava João, sabendo que era um homem justo e Santo. Protegia-o e, quando o ouvia, sentia-se embaraçado. Mas, mesmo assim, de boa mente ouvia-o. Chegou, porém, um dia favorável em que Herodes, por ocasião de seu natalício, deu um banquete aos grandes de sua corte, aos seus oficiais e aos principais da Galileia. A filha de Herodíades apresentou-se e pôs-se a dançar, com grande satisfação de Herodes e de seus convivas. Disse o rei à moça: 'Pede-me o que quiseres, e eu to darei.' E jurou-lhe: 'Tudo que me pedires te darei, ainda que seja a metade de meu reino.' Ela saiu e perguntou à sua mãe: 'Que hei de pedir?' E a mãe respondeu: 'A cabeça de João Batista.' Tornando apressadamente a entrar à presença do rei, exprimiu-lhe seu desejo: 'Quero que sem demora me dês a cabeça de João Batista.' O rei entristeceu-se. Todavia, por causa de sua promessa e dos convivas, não quis recusar. Sem tardar, enviou um carrasco com a ordem de trazer a cabeça de João. Ele foi, decapitou João no cárcere, trouxe sua cabeça num prato e deu-a à moça, e esta entregou-a à sua mãe." Mc 6,17-28
    Tão trágico foi seu fim, e tanto impressionou a humanidade, que inúmeros artistas através dos séculos retrataram seu martírio.


    "Ouvindo isto, seus discípulos foram tomar seu corpo e depositaram-no num sepulcro." Mc 6,29
    Mas, por sua tão poderosa voz, o Batista não foi tão facilmente esquecido: "O rei Herodes ouviu falar de Jesus, Cujo Nome Se tornara célebre. Dizia-se: 'João Batista ressurgiu dos mortos, e por isso o poder de fazer milagres nele opera.' Uns afirmavam: 'É Elias!' Diziam outros: 'É um Profeta como qualquer outro.' Ouvindo isto, Herodes repetia: 'É João, a quem mandei decapitar. Ele ressuscitou!'" Mc 6,14-16
    Ora, quando Jesus começou a falar com os Apóstolos sobre Sua identidade, começou perguntando-lhes o que o povo d'Ele pensava, e mais uma vez lá estava a memória do Batista: "'No dizer do povo, quem é o Filho do Homem?' Responderam: 'Uns dizem que é João Batista, outros, Elias, outros, Jeremias ou um dos Profetas." Mt 16,13-14
    Em maiores detalhes, Ele explicou-lhes assim a esperada vinda de Elias, que anunciaria o Salvador: "Jesus respondeu-lhes: 'Elias, de fato, deve voltar e restabelecer todas as coisas. Mas Eu digo-vos que Elias já veio, mas não o conheceram. Antes fizeram com ele o quanto quiseram. Do mesmo modo farão sofrer o Filho do Homem.' Os discípulos compreenderam, então, que Ele lhes falava de João Batista." Mt 17,11-13
    E falando aos judeus sobre Sua Divina Filiação, de novo Jesus evocou a figura do Batista: "Vós enviastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da Verdade. João era uma lâmpada que arde e ilumina. Vós, porém, só por uma hora quisestes alegrar-vos com sua luz. Mas tenho maior testemunho que o de João, porque as obras que Meu Pai Me deu para executar - essas mesmas obras que faço - testemunham a Meu respeito que o Pai Me enviou." Jo 5,33.35-36
    Mas logo o povo começou a perceber a distinção entre o arauto e o Salvador: "Muitos foram a Jesus e diziam entre si: 'João não fez milagre algum, mas tudo que João falou deste Homem era verdade.' E muitos acreditaram n'Ele." Jo 10,41
    E quando os religiosos questionaram a autoridade de Jesus, Ele respondeu-lhes com outra pergunta, lembrando sempre e mais uma vez o Batista, Seu mensageiro: "'Donde procedia o batismo de João: do Céu ou dos homens?' Ora, eles raciocinavam entre si: 'Se respondermos: Do Céu, Ele nos dirá: Por que não crestes nele? E se dissermos: Dos homens, é de temer-se a multidão, porque todo mundo considera João como Profeta.' Responderam a Jesus: 'Não sabemos'.' Pois Eu tampouco vos digo', retorquiu Jesus, 'com que direito faço estas coisas.'" Mt 21,25-27
    A inspiração dos Apóstolos, para pedir que Jesus os ensinasse a rezar, também veio de São João Batista. E foi nessa ocasião que Ele lhes ensinou o Pai Nosso: "Um dia, num certo lugar, estava Jesus a rezar. Terminando a oração, disse-Lhe um de Seus discípulos: 'Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos.'" Lc 11,1
    Por fim, falando a impenitentes e tomando João como exemplo de confessor, Jesus anuncia uma distinta ordem de entrada no Céu, isto é, a purificação final, o Purgatório, que a despeito da data da morte estabelece outra sequência. Isso retarda a chegada de alguns ao seio do Pai em função da não Confissão ou da gravidade de seus pecados: "Em verdade, digo-vos: os cobradores de impostos e as prostitutas entram primeiro que vós no Reino de Deus! João veio a vós no caminho da justiça, e não crestes nele. Os publicanos, porém, e as prostitutas creram nele. E vós, vendo isto, nem fostes tocados de arrependimento para nele crerdes." Mt 21,31-32
    E São João Evangelista, pródigo em falar em testemunho e crer, faz esse singelo resumo da vida de nosso Santo, sem dúvida um grande exemplo para todo cristão: "Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Este veio como testemunha, para dar testemunho da Luz, a fim de que todos cressem por meio dele." Jo 1,6-7
    Segundo muito antiga tradição, o crânio de São João Batista teria sido recuperado pela esposa do procurador de Herodes, Joana de Cuza (cf. Lc 8,3), e por muito tempos suas relíquias foram veneradas na cripta da igreja da cidade de Sebaste, na antiga Samaria, sobre a qual foi construída uma grande catedral em meados do século IV. Suas ruínas agora são parte de uma mesquita.


    Em posterior registro, o Martirológico Romano relata a redescoberta de seu crânio, que teria sido transportado para a Igreja de São Silvestre in Capite, em Campo Marzio, Roma, que é do século VIII e tem essa denominação justamente em função desta relíquia.



    São João Batista, rogai por nós!