quinta-feira, 10 de maio de 2018

A Ascensão do Senhor


    São Lucas narrou-a assim:

    "Em minha primeira narração, ó Teófilo, contei toda sequência de ações e ensinamentos de Jesus, desde o princípio até o dia em que, depois de ter dado pelo Espírito Santo Suas instruções aos Apóstolos que escolhera, foi arrebatado ao Céu.
    E a eles manifestou-Se vivo depois de Sua Paixão, com muitas provas, aparecendo-Lhes durante quarenta dias e falando das coisas do Reino de Deus.
    E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem o cumprimento da promessa de Seu Pai, 'que ouvistes', disse Ele, 'da Minha boca. Porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui há poucos dias.'
    Assim reunidos, eles interrogaram-nO:
    - Senhor, é porventura agora que ides instaurar o Reino de Israel?
    Respondeu-lhes Ele:
    - Não vos pertence saber os tempos nem os momentos que o Pai fixou por Seu poder, mas descerá sobre vós o Espírito Santo e dar-vos-á força. E sereis Minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até os confins do mundo.
    Dizendo isso, elevou-Se da terra à vista deles e uma nuvem ocultou-O aos seus olhos... 
    Enquanto O acompanhavam com seus olhares, vendo-O afastar-Se para o Céu, eis que lhes apareceram dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: 'Homens da Galileia, por que ficais aí a olhar para o céu? Esse Jesus que acaba de ser arrebatado para o Céu voltará do mesmo modo que O vistes subir.'" At 1,1-11

    São Lucas também registrou, agora em seu Evangelho, três interessantes detalhes sobre esta cena. Primeiro, que Jesus subiu abençoando os Apóstolos; segundo, que eles O adoraram, atitude que só se deve prestar a Deus; e terceiro, a alegria que deles tomou conta: "Enquanto os abençoava, separou-Se deles e foi arrebatado ao Céu. Depois de terem-nO adorado, voltaram para Jerusalém com grande júbilo." Lc 24,50-51
    Era a mesma alegria da primeira Aparição de Jesus aos Apóstolos, quando comeu com eles: "Mas, vacilando eles ainda e estando transportados de alegria, Ele perguntou: 'Tendes aqui alguma coisa para comer?' Então Lhe ofereceram um pedaço de peixe assado. Ele tomou e comeu à vista deles." Lc 24,41-43
    Jesus já havia predito essa indizível felicidade, tocante, incontida, mas serena. Foi logo após anunciar que haveria de ser crucificado, quando prometeu ressuscitar: "... sem dúvida, agora estais tristes, mas hei de ver-vos outra vez, e vosso coração alegrar-se-á e ninguém vos tirará vossa alegria." Jo 11,22
    Já segundo São Mateus, momentos antes da Ascensão Ele assegurou-lhes de Sua plena autoridade também nos Céus, pediu-lhes que ministrassem os Sacramentos, que o Evangelho fosse ensinado em sua absoluta integridade, sem que nenhuma palavra fosse sonegada, e garantiu-lhes que estaria com a Igreja até o fim dos tempos: "Mas Jesus, aproximando-Se, disse-lhes: 'Toda autoridade foi-Me dada no Céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas nações; batizai-as em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.'" Mt 28,18-20
    Outro registro de suma importância deixado por São Lucas é o amor e o compromisso que os Apóstolos tinham pela Casa de Deus, o Templo de Jerusalém, porque a Igreja ainda não tinha sido instituída pelo Espírito Santo, o que só aconteceria no Pentecostes. É um perfeito exemplo de veneração aos lugares sagrados: "E permaneciam no Templo, louvando e bendizendo a Deus." Lc 24,53
    Ademais, sabemos que Jesus não havia predito apenas Sua Ressurreição, mas também Sua Ascensão aos Céus. Ele disse aos Apóstolos: "Filhinhos Meus, por um pouco apenas ainda estou convosco. Vós haveis de procurar-Me, mas como disse aos judeus, também vos digo agora: para onde Eu vou, vós não podeis ir." Jo 13,33
    Porém, como São Pedro insistia, Ele prometeu-lhe: "Para onde vou, não podes seguir-Me agora. Mas seguir-Me-ás mais tarde." Jo 13,36
    Ele já os havia avisado desse acontecimento, quando prometeu oferecer Sua Carne como o alimento da Vida Eterna: "Sabendo que Seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: "Isto vos escandaliza? E quando virdes o Filho do Homem subindo para onde estava antes?" Jo 6,61-62
    Bem como quando falou da Vinda do Espírito Santo, como prova da Verdade sobre Sua Divindade: "E quando Ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do Juízo. Ele convencê-lo-á a respeito da justiça, porque Eu Me vou para junto de Meu Pai e vós já não Me vereis." Jo 16,8.10
    E foi exatamente esse recado que Ele mandou aos Apóstolos por Santa Maria Madalena, avisando-lhes de Sua próxima etapa logo após a Ressurreição, embora ainda não fosse Sua definitiva Ascensão: "Não Me retenhas, porque ainda não subi a Meu Pai. Mas vai a Meus irmãos e dize-lhes: 'Subo para Meu Pai e Vosso Pai, Meu Deus e Vosso Deus." Jo 20,17


    Sua chegada ao Céus, no entanto, segundo a revelação que teve São João Evangelista, não foi nada tranquila. Ao contrário, pela instauração do Reino de Deus aqui na terra, ainda que de modo não ostensivo, lá se travou uma grande batalha: "Ela deu à luz um Filho, um Menino, Aquele que deve reger todas nações pagãs com cetro de ferro. Mas Seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do Seu trono. Houve uma batalha no Céu. Miguel e seus anjos tiveram de combater o Dragão. O Dragão e seus anjos travaram combate, mas não prevaleceram. E já não houve lugar para eles no Céu. Então foi precipitado o grande Dragão, a primitiva Serpente, chamado Demônio e Satanás, o sedutor do mundo inteiro. Foi precipitado na terra, e com ele seus anjos. Eu ouvi no Céu uma forte voz que dizia: 'Agora chegou a Salvação, o poder e a realeza de Nosso Deus, assim como a autoridade de Seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que dia e noite os acusava diante do Nosso Deus.' Por isso, alegrai-vos, ó Céus, e todos que aí habitais. Mas, ó terra e mar, cuidado! Porque o Demônio desceu para vós, cheio de grande ira, sabendo que pouco tempo lhe resta." Ap 12,5.7-10.12

A ETERNA MORADA

    A Ascensão de Jesus é celebrada numa quinta-feira, 44 dias depois do Domingo de Páscoa. Mas, pela importância do dia, é comum que se celebre no primeiro Domingo seguinte, conforme uma antiga tradição.
    Esta Verdade de  nós professamos no Credo: "... subiu aos Céus, está sentado à direita de Deus Pai, Todo-poderoso..."
    Nosso Senhor avisou aos Seus seguidores, quando eles se escandalizaram ao vê-Lo oferecer Seu Corpo como o Pão da Vida Eterna: "Sabendo Jesus que os discípulos murmuravam por isso, perguntou-lhes: 'Isso vos escandaliza? Que será, quando virdes o Filho do Homem subir para onde estava antes?...'" Jo 6,61-62
    E na narração de São Lucas, tornou a afirmar na manhã em que foi julgado pelo Sinédrio: "Perguntaram-Lhe: 'Dize-nos se és o Cristo!' Respondeu-lhes Ele: 'Se Eu vo-lo disser, não Me acreditareis; e se vos fizer qualquer pergunta, não Me respondereis. Mas, doravante, o Filho do Homem estará sentado à direita do poder de Deus.'" Lc 22,67-69
    Segundo São Mateus, Ele prometeu, referindo-Se à hora de nossa morte e ao Juízo Final, que todos O veriam em Seu trono: "Jesus respondeu: 'Sim. Além disso, Eu declaro-vos que doravante vereis o Filho do Homem sentado à direita do Todo-poderoso, e voltar sobre as nuvens do Céu.'" Mt 26,64
    Foi o que aconteceu com Santo Estevão, embora um pouco antes de seu martírio, e Jesus apresentou-Se de pé: "Mas, cheio do Espírito Santo, Estêvão fitou o céu e viu a Glória de Deus, e Jesus de pé à direita de Deus: 'Eis que vejo', disse ele, 'os Céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus.'" At 7,55-56
    E das celestiais visões que teve, São João Evangelista sentenciou sobre o Último Dia: "Ei-Lo que vem com as nuvens. Todos olhos O verão, mesmo aqueles que O traspassaram. Por Sua causa, hão de lamentar-se todas as raças da terra. Sim. Amém." Ap 1,7
    O registro que fez São Marcos sobre a Ascensão foi sucinto: "Depois que o Senhor Jesus lhes falou, foi levado ao Céu e está sentado à direita de Deus." Mc 16,19
    Este evangelista acrescentou, porém, a prontidão e a inspiração que invadiram os Apóstolos, movidos por tão belas cenas e pelo poder de Deus: "Os discípulos partiram e pregaram por toda parte. O Senhor cooperava com eles, e confirmava Sua Palavra com os milagres que a acompanhavam." Mc 16,20
    São Paulo garante essa indizível Graça aos coríntios: "Assim, enquanto aguardais a manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo, não vos falta dom algum. Ele há de confirmar-vos até o fim, para que sejais irrepreensíveis no Dia de Nosso Senhor Jesus Cristo." 1 Cor 1,7-8
    Ele cita um Salmo para descrever os dons espirituais: "Mas a cada um de nós foi dada a Graça, segundo a medida do dom de Cristo, pelo que diz: 'Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens' (Sl 67,19). Ora, que quer dizer Ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra? Aquele que desceu é também Aquele que subiu acima de todos os Céus, para encher todas as coisas." Ef 4,7-10
    E Jesus explicou: "Pois desci do Céu não para fazer Minha vontade, mas a vontade d'Aquele que Me enviou. Ora, esta é a vontade d'Aquele que Me enviou: que Eu não deixe perecer nenhum daqueles que Me deu, mas que os ressuscite no último Dia." Jo 6,38-39
    São Paulo, pois, ensina que a Igreja é Seu Corpo, o receptáculo de Seu poder: "E Deus a Seus pés sujeitou todas as coisas, e constituiu-O Supremo Chefe da Igreja, que é Seu Corpo, o receptáculo d'Aquele que enche todas as coisas, sob todos os aspectos." Ef 1,22-23
    Para sanar qualquer dúvida sobre a divindade de Jesus, ele tratou de afirmar Seu poder sobre toda hierarquia dos anjos: "Deus manifestou Seu poder na Pessoa de Cristo, ressuscitando-O dos mortos e fazendo-O sentar à Sua direita no Céu, acima de todo principado, potestade, virtude, dominação e de todo nome que possa haver tanto neste mundo como no futuro." Ef 1,20-21
    São Pedro também diz com todas as letras: "Esse Jesus Cristo, tendo subido ao Céu, está assentado à direita de Deus, depois de ter recebido a submissão dos anjos, dos principados e das potestades." 1 Pd 3,22
    Frequente questão naqueles anos, os seguidores da tradição de São Paulo fariam o mesmo: "Esplendor da Glória de Deus e imagem do Seu Ser, sustenta o universo com o poder de Sua Palavra. Depois de ter realizado a purificação dos pecados, está sentado à direita da Majestade no mais alto dos Céus, tão superior aos anjos quanto excede o deles o Nome que Ele herdou." Hb 1,3-4
    E atestam que assim será até Sua definitiva Volta: "Cristo ofereceu pelos pecados um único sacrifício, e logo em seguida para sempre tomou lugar à direita de Deus, onde de ora em diante espera que Seus inimigos sejam postos como banquinho para Seus pés (Sl 109,1)." Hb 10,12-13
    Falando da verdadeira Vida, São Paulo recomenda que busquemos os dons espirituais e promete: "Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. Porque estais mortos e vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, Vossa Vida, aparecer, então também vós aparecereis com Ele na Glória." Cl 3,1-4
    Afirmativamente, a chegada de Jesus aos Céus inaugurou um novo tempo, como Ele mesmo disse: "Em verdade, em verdade, digo-vos: aquele que crê em Mim também fará as obras que Eu faço, e fará ainda maiores que estas, porque vou para junto do Pai. Naquele dia pedireis em Meu Nome, e já não digo que rogarei ao Pai por vós. Pois o Pai mesmo vos ama, porque vós Me amastes e crestes que saí de Deus." Jo 14,12;16,26-27
    E São Paulo faz recordar que sempre devemos ter em foco o projeto da Salvação: "Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para edificação da Igreja." 1 Cor 14,12
    Dele cuidava o Salmista, quando profetizou o dia da Ascensão: "Por entre aclamações subiu Deus, o Senhor, ao som das trombetas. Cantai à Glória de Deus, cantai. Cantai à Glória de Nosso Rei, cantai. Porque Deus é o Rei do Universo. Entoai-Lhe, pois, um hino! Deus reina sobre as nações, Deus está em Seu sagrado trono." Sl 46,6-9

    "Vosso Filho permaneça entre nós!"