quinta-feira, 6 de junho de 2019

Comunhão com Deus


    Como narraram os discípulos que iam para Emaús no Domingo da Páscoa, Jesus, para demonstrar Sua Ressurreição, fez-Se reconhecer ao partir o Pão, ou seja, pela Comunhão Eucarística que Ele nos oferece: "Aconteceu que, estando sentado com eles à mesa, Ele tomou o pão, abençoou-o, partiu-O e serviu-lhO. Então se lhes abriram os olhos e O reconheceram... mas Ele desapareceu." Lc 24,30-31
    E especificamente sobre Sua Ressurreição, Ele havia prometido aos Apóstolos na noite da Santa Ceia: "Naquele dia conhecereis que estou em Meu Pai, e vós em Mim e Eu em vós." Jo 14,20
    Também lhes disse sobre Sua Palavra: "As palavras que vos digo não as digo de Mim mesmo, mas o Pai, que permanece em Mim, é que realiza Suas próprias obras. Crede-Me: estou no Pai, e o Pai em Mim. Crede-o ao menos por causa destas obras." Jo 14,10b-11
    Eles, porém, já o haviam percebido: "'Agora sabemos que conheces todas coisas e que não necessitas que alguém Te pergunte. Por isso, cremos que saíste de Deus.' Jesus replicou-lhes: 'Credes agora?... Eis que vem a hora, e ela já veio, em que sereis espalhados, cada um para seu lado, e Me deixareis sozinho. Mas não estou só, porque o Pai está Comigo.'" Jo 16,30-32
    Ora, para provar que Deus estava n'Ele, e que Ele vivia para Deus, Jesus até invocava Seus milagres. Humildemente pedia aos judeus que, ainda que não acreditassem em Sua Palavra, ao menos reconhecessem as manifestações de Deus em Suas obras: "... crede em Minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em Mim e Eu no Pai." Jo 10,38
    Assim anunciou, perante os fariseus, a instalação do Reino dos Céus aqui na terra, logo em Suas primeiras missões: "Mas se é pelo Espírito de Deus que Eu expulso os demônios, então chegou a vós o Reino de Deus." Mt 12,28
    Garantiu aos Apóstolos: "O Reino de Deus não virá de ostensivo modo. Nem se dirá: 'Ei-lo aqui!' Ou: 'Ei-lo ali!' Pois o Reino de Deus já está em meio a vós." Lc 17,20b-21
    Prometeu o Espírito Santo à Igreja: "E Eu rogarei ao Pai, e Ele dar-vos-á outro Paráclito para que convosco fique eternamente. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber porque não O vê nem O conhece. Mas vós conhecê-Lo-eis, porque convosco permanecerá e em vós estará." Jo 14,16-17
    Indeléveis feitos: "Não fostes vós que Me escolhestes, mas fui Eu que vos escolhi e vos designei para irdes, e para que produzais fruto e vosso fruto permaneça." Jo 15,16a
    E disse que só n'Ele, apesar de todas contrariedades, encontraríamos a Paz: "Referi-vos essas coisas para que em Mim tenhais a Paz. No mundo haveis de ter aflições. Coragem! Eu venci o mundo." Jo 16,33
    Referindo-Se à Sua humanidade, sempre deixou claro que não estava sozinho, nem veio ao mundo para fazer Sua própria vontade enquanto humano: "De Mim mesmo não posso fazer coisa alguma. Julgo como ouço e Meu julgamento é justo, porque não busco Minha vontade, mas a vontade d'Aquele que Me enviou." Jo 5,30
    Falando sobre a condição humana, em geral, Ele dizia com todas letras: "O Espírito é que vivifica, a carne de nada serve. As palavras que vos tenho dito são Espírito e Vida." Jo 6,63
    Por isso, diante do pedido de São Filipe para ver o Pai, Jesus, pelo mistério da Santíssima Trindade, apresentou-Se como o próprio Pai: "Há tanto tempo que estou convosco e não Me conheceste, Filipe! Aquele que Me viu, também viu o Pai. Então como dizes: 'Mostra-nos o Pai?...'" Jo 14,9
    Tal é a Unidade entre o Pai e o Filho que sabemos que a Palavra de Jesus é o próprio Deus, ou que Jesus é a Palavra de Deus que Se fez carne. Embora difícil de entender, e também de expressar, é isso o que São João nos diz no início de seu Evangelho: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. E o Verbo fez-Se carne, e habitou entre nós. E nós vimos Sua Glória, a Glória que o Único Filho recebe de Seu Pai, cheio de Graça e de Verdade." Jo 1,1.14
    Em outro momento, agora falando como Deus e mostrando-Se absoluto, ou seja, essencial às nossas vidas, Jesus assim explicou o que seria 'estar em Comunhão' com Ele: "Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: tampouco podeis dar fruto se não permanecerdes em Mim." Jo 15,4
    Advertiu quanto às severas consequências da não-comunhão com Ele: "Se alguém não permanecer em Mim, será lançado fora como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á." Jo 15,6
    Mas prometeu indizíveis Graças aos Seus: "Se permanecerdes em Mim, e Minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo que quiserdes e ser-vos-á feito. Nisto é glorificado Meu Pai, para que deis muito fruto e vos torneis Meus discípulos. Como o Pai Me ama, assim também Eu vos amo. Perseverai em Meu amor." Jo 15,7-9
    É marcante, contudo, a passagem em que Jesus reza ao Pai para que os Apóstolos e discípulos participassem da Comunhão da Santíssima Trindade, aliás, como é o objetivo de Sua Missão, e para que nessa condição eles vivessem a Unidade da Igreja: "Dei-lhes a Glória que Me deste, para que sejam um como Nós somos um: Eu neles e Tu em Mim para que sejam perfeitos na Unidade. E o mundo reconheça que Me enviaste e os amaste, como amaste a Mim." Jo 17,22-23
    Também rezou por nós, seus fiéis, que creríamos no testemunho dos Apóstolos, para que igualmente possamos participar da Comunhão da Santíssima Trindade, por intermédio da Igreja Una: "Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em Mim. Para que todos sejam um, assim como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti, para que também eles estejam em Nós e o mundo creia que Tu Me enviaste." Jo 17,20-22
    Essa Comunhão, que Deus quer ter conosco, é percebida pelo amor que Ele nos tem, assim como tem por Seu Filho. Como vimos acima, Jesus disse: "E o mundo reconheça que Me enviaste e os amaste, como amaste a Mim." Jo 17,23


CORPO E SANGUE DE CRISTO

    Se nos achamos indignos ou incapazes de estar em Comunhão com Deus, São Pedro garante que Jesus assim Se oferece porque é Sua vontade, por puro amor, pois o Pai quer que participemos de Sua natureza, de Sua divindade: "O divino poder deu-nos tudo que contribui para a Vida e a piedade, fazendo-nos conhecer Aquele que nos chamou por Sua Glória e Sua virtude. Por elas, temos entrado na posse das maiores e mais preciosas promessas, a fim de tornar-vos por este meio participantes da natureza divina, subtraindo-vos à corrupção que a concupiscência gerou no mundo." 2 Pd 1,3-4
    A Carta aos Hebreus, no mesmo sentido, diz que Deus quer que participemos de Sua santidade: "Aliás, na terra temos nossos pais que nos corrigem e, no entanto, olhamo-los com respeito. Com quanto mais razão havemos de submeter-nos ao Pai de nossas almas, o Qual nos dará a Vida? Os primeiros educaram-nos para pouco tempo, segundo sua própria conveniência, ao passo que Ele o faz para nosso bem, para comunicar-nos Sua santidade." Hb 12,9-10
    E sobre essa condição de perfeitos filhos de Deus, São João Evangelista garante: "Todo aquele que é nascido de Deus não peca, porque nele reside o germe divino... o que é gerado de Deus se acautela, e o Maligno não o toca." 1 Jo 3,19;5,18
    Também promete São Paulo: "O pecado já não vos dominará, porque agora não estais mais sob a Lei, e sim sob a Graça." Rm 6,14
    É, portanto, para que Ele possa permanecer em nós na forma do Sagrado Alimento, que Jesus ofereceu Seu Corpo em sacrifício, que se transubstancia na Hóstia Consagrada: "Em verdade, em verdade, digo-vos: se o grão de trigo caído na terra não morrer, fica só. Se morrer, produz muito fruto." Jo 12,24
    E assim Ele prometeu plena comunhão espiritual Consigo: "Quem come Minha carne e bebe Meu sangue, permanece em Mim e Eu nele." Jo 6,56
    Ora, é exatamente isso que São Paulo nos diz: "... quem se une ao Senhor, com ele torna-se um só Espírito." 1 Cor 6,17
    Ele afirma: "... É Cristo que vive em mim. Minha presente vida, na carne, eu vivo-a na no Filho de Deus..." Gl 2,20
    Dizia de sua condição de Apóstolo, que antes fora perseguidor da Igreja: "Eis uma verdade absolutamente certa e merecedora de fé: Jesus Cristo veio a este mundo para salvar os pecadores, dos quais sou eu o primeiro. Se encontrei Misericórdia, foi para que primeiro em mim Jesus Cristo manifestasse toda Sua magnanimidade e eu servisse de exemplo para todos que, a seguir, n'Ele crerem, para a Vida Eterna." 1 Tm 1,15-16
    Testemunhava o projeto de Deus inscrito nas almas de todos nós: "Mas quando aprouve Àquele que me reservou desde o seio de minha mãe e me chamou por Sua Graça, para revelar Seu Filho em minha pessoa, a fim de que eu O tornasse conhecido entre os gentios..." Gl 1,15-16b
    E dizia da força da humildade, reconhecendo o perigo das tentações: "Portanto, prefiro gloriar-me de minhas fraquezas para que em mim habite a força de Cristo. Eis porque sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor a Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte." 2 Cor 12,9b-10
    Aos coríntios, ele exortava: "Andamos na fé, e não na visão." 2 Cor 5,7
    Fala do Corpo Místico de Cristo: "Ora, vós sois o Corpo de Cristo e cada um, de sua parte, é um de Seus membros." 1 Cor 12,27
    Também aos romanos: "Pois, como em um só corpo temos muitos membros e cada um de nossos membros tem diferente função, assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só Corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro." Rm 12,4-5
    Diz das inevitáveis dores dos cristãos aos colossenses: "O que falta às tribulações de Cristo, completo em minha carne, por Seu Corpo que é a Igreja." Cl 1,24b
    E das necessárias penitências: "Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. Porque estais mortos e vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Mortificai vossos membros, pois, no que têm de terreno: a devassidão, a impureza, as paixões, os maus desejos, a cobiça, que é uma idolatria. Dessas coisas provém a ira de Deus sobre os descrentes. Outrora também vós assim vivíeis, mergulhados como estáveis nesses vícios. Agora, porém, deixai de lado todas estas coisas: ira, animosidade, maledicência, maldade, palavras torpes da vossa boca, nem vos enganeis uns aos outros." Cl 3,2-3.5-9
    Eis porque ele celebra a fidelidade de Deus, que, mediante o devido arrependimento, redime nossos pecados e oferece-nos a Comunhão com Sua Santidade, tal e qual Ele a tem com Seu Filho: "Fiel é Deus, por Quem fostes chamados à Comunhão de Seu Filho Jesus Cristo, Nosso Senhor." 1 Cor 1,9
    E poder comungar com Jesus significa reconciliar-nos com Deus Pai, Nosso Criador: "... nós nos gloriamos em Deus por Nosso Senhor Jesus Cristo, por Quem desde agora temos recebido a reconciliação!" Rm 5,1
    Isso significa recuperar a semelhança que havemos perdido: "... revesti-vos do novo homem, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade." Ef 4,24
    Por isso, em nome da Comunhão, o Apóstolo dos Gentios pregava: "Em Nome de Cristo, rogamo-vos: reconciliai-vos com Deus!" 2 Cor 5,20
    E confirmando de uma vez por todas a presença de Cristo no Pão e no Vinho, ele reclama respeito, pois quem da Eucaristia toma parte não pode comungar de 'outro pão' ou de 'outro vinho'. Isso é um grave pecado: "O Cálice de bênção, que benzemos, não é a Comunhão do Sangue de Cristo? E o Pão, que partimos, não é a Comunhão do Corpo de Cristo? Não podeis beber ao mesmo tempo o Cálice do Senhor e o cálice dos demônios. Não podeis participar ao mesmo tempo da mesa do Senhor e da mesa dos demônios." 1 Cor 10,16.21
    Por fim, ele resume nestas palavras a Comunhão Espiritual: "Vós, porém, não viveis segundo a carne, mas segundo o Espírito, se o Espírito de Deus realmente habita em vós. Se alguém não possui o Espírito de Cristo, este não é d'Ele." Rm 8,9
    Pois é exatamente essa a função da Igreja: perdoar os pecados dos que se confessam e reconciliá-los com Deus, trazendo-os à Mesa de Cristo: "Tudo isso vem de Deus, que nos reconciliou Consigo, por Cristo, e confiou-nos o Ministério desta reconciliação. Porque é Deus, em Cristo, que Consigo reconciliava o mundo, não mais levando em conta os pecados dos homens, e em nossos lábios pôs a mensagem da reconciliação." 2 Cor 5,18-19
    Com efeito, ajudados pela Divina Graça, desde os tempos dos Apóstolos, nossos Sacerdotes têm-se esforçado para cumprir essa missão, como São João Evangelista escreveu: "... o que vimos e ouvimos, nós anunciamo-vos, para que vós também tenhais Comunhão conosco. Ora, nossa Comunhão é com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo." 1 Jo 1,3
    Para que seja perfeita nossa Comunhão, portanto, também devemos buscá-la com nossos irmãos: "Se, porém, andamos na Luz como Ele mesmo está na Luz, temos comunhão uns com os outros, e o Sangue de Jesus Cristo, Seu Filho, purifica-nos de todo pecado." 1 Jo 1,7
    Sem dúvida, a Comunhão é a maior benção que podemos ter! É Deus vivendo em nós! É o que celebramos na Santa Missa! É a mais bela cena da História da humanidade: Deus fez-Se humano e, à mesa conosco, oferece Seu Corpo e Seu Sangue, o Alimento que nos fortalece para o bom combate, o Alimento da Vida Eterna: "Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-O e deu-O aos discípulos, dizendo: 'Tomai e comei, isto é Meu Corpo.' Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lhO, dizendo: 'Bebei dele todos, porque isto é Meu Sangue, o Sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens para a remissão dos pecados.'" Mt 26,26-28
    Jesus, tenhamos por certo, quer fazer de nós verdadeiros sacrários, onde quer guardar-Se para sempre: "Se alguém Me ama, guardará Minha palavra e Meu Pai amá-lo-á. E Nós viremos a ele, e nele faremos Nossa morada." Jo 14,23
    Essa é Sua Missão, como São Paulo disse: "... a fim de que Deus seja tudo em todos." 1 Cor 15,28

    "Confirmai Vosso povo na Unidade!"