sábado, 9 de junho de 2018

Imaculado Coração de Maria


    A despeito de nossas pretensões e depois de tantos e tão grandiosos sinais de Deus, como as Aparições de Lourdes que confirmaram o Dogma da Imaculada Conceição, Nossa Senhora veio a Fátima, dizer a Lúcia, sua vidente, já na primeira aparição: "Jesus quer servir-se de ti para me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. A quem a abraçar, prometo a Salvação. E serão queridas de DEUS estas almas, como flores postas por mim a adornar o Seu trono."
    Estava em curso a Primeira Guerra Mundial, e as batalhas duravam anos, pareciam não ter fim. O ateísmo espalhava-se pelo mundo, fomentado por governos totalitaristas, pelo racismo científico, pelo cientificismo materialista, pelo capitalismo selvagem, pelo industrialismo desumano e pelo naturalismo e realismo como movimentos culturais. Mas, na contramão de tudo isso, Nossa Senhora prometia Paz e Salvação à almas: "Se fizerem o que eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão a Paz. A guerra vai acabar."
    Ainda mais grave, porém, ela avisava do risco de um movimento que estava surgindo na Rússia, exatamente naquele ano, 1917, com a Revolução Bolchevique. E, por falta de obediência e conversão, acabou concretizando-se: era o comunismo, que implantaria a maior máquina mortífera que o mundo já viu. Em nome de igualdade e desenvolvimento social, o totalitarismo e o ateísmo foram impostos a centenas de milhões de pessoas em vários países. Quem discordasse, ou simplesmente representasse algum empecilho, era sentenciado à morte. E assim mais de cento e dez milhões de pessoas foram cruelmente assassinadas.
    Falando ainda sobre a Primeira Guerra, disse a Virgem Maria"A guerra vai acabar. Mas, se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior. Quando virdes uma noite iluminada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá, de que vai punir o mundo por seus crimes, através da guerra, da fome, e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para impedir isso, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração, e a Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados. Se atenderem a meus pedidos, a Rússia converter-se-á e terão paz. Se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados. O Santo Padre terá muito que sofrer. Várias nações serão aniquiladas."
    Quem conhece a História sabe bem de que Nossa Santíssima Mãe falava: depois da bomba atômica, a luz à qual ela se referiu, não se seguiu o fim da guerra, pelo contrário, começava um longo e tenebroso período de silenciosas atrocidades. Nações foram varridas, divididas e a morte grassou pelo mundo em escala muito maior que nas próprias Grandes Guerras, e como jamais se viu em toda História. Contudo, noutra profecia, mesmo contra todas probabilidades ela prometeu: "Por fim, meu Imaculado Coração triunfará."
    De fato, em 1991 o comunismo soviético acabou, embora seus erros ainda possam ser claramente observados, lá mesmo e espalhados pelo mundo. Assumiu o nome de socialismo, propulsionado pelo malicioso e nefasto marxismo cultural, uma onda de suicídio moral em massa, com danosas consequências às mais elementares instituições. A própria Igreja foi duramente atingida pelo falso humanismo de clérigos 'racionalistas' e pela demoníaca Teologia da Libertação, cujos efeitos permanecem.
    Pelas mãos da Igreja, respondendo a seu pedido, não apenas a Rússia, mas todo o mundo foi consagrado ao Imaculado Coração de Maria. O amado Papa São João Paulo II, que sofreu o atentado por ela previsto, exatamente num dia 13 de Maio, data da primeira aparição de Fátima, realizou esta consagração na Praça de São Pedro, no Vaticano, em 1984.
    Isso explica porque a imagem de Fátima agora é feita com o Imaculado Coração de Maria em destaque. Além de obediente à divina proposição, a veneração à aparição tem assim um foco ainda mais afetuoso e espiritual. O sinal de Fátima, de fato, ultrapassou as condições de forma, tempo e lugar. Não apenas pela imagem com que ela apareceu, nem apenas no simbólico dia 13 de maio, nem apenas em Fátima, mas é seu Eternizado Coração, sem nenhuma mancha de pecado, que nos pede veneração. E nós sempre, e de toda parte do mundo, podemos dedicar-lhe nosso amor.
    A Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados que pediu que adotássemos, ela explicou mostrando a Lúcia seu Imaculado Coração: "Olha, minha filha, Meu Coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos momentos me cravam com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, procura consolar-me e diz que prometo assistir na hora da morte, com todas Graças necessárias para a Salvação, a todos que, no Primeiro Sábado de cinco meses seguidos, confessarem-se, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um terço e fizerem-me companhia durante quinze minutos, meditando nos 15 mistérios do Rosário com o fim de desagravar-me."


    Através de Lúcia, Nossa Senhora fez-nos mais um pedido, no qual revela seus misericordiosos cuidados para com todos seus filhos: "Quando rezardes o terço, dizei depois de cada mistério: 'Ó Meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem.'"
    São Lucas, o Evangelista do Espírito Santo, por duas vezes mencionou seu Imaculado Coração. Se Nossa Mãe Celeste é chamada de Nova Arca da Aliança (Ap 11,19), por trazer-nos Jesus em seu ventre, seu Imaculado Coração não era menos sagrado, pois também aí ela guardava o Divino Verbo, pronunciado por Jesus. Os registros deste evangelista são: primeiro, na ocasião em que os pastores de Belém vieram contemplar o Menino Jesus, recém-nascido, testemunhando que foram ali enviados por uma linda aparição de anjos: "Maria conservava todas estas palavras, meditando-as em seu Coração." Lc 1,19
    E o segundo, quando Jesus, aos 12 anos, ficou em Jerusalém depois da Páscoa, dizendo que deveria estar na Casa de Seu Pai: "Sua mãe guardava todas estas coisas em seu Coração." Lc 2,51b

    "Coração de Maria, concebido sem pecado, rogai por nós."