sexta-feira, 15 de maio de 2020

Ofensas à Verdade


    O que mais faz falta à humanidade é a pura e simples Verdade. Não são as maiores dificuldades, que padecem nossos mais carentes irmãos, um problema que diz respeito à dignidade humana? Falta-nos encará-los nos olhos e percebê-los como irmãos, filhos do mesmo Pai, dignos dos mesmos direitos que ardorosamente defendemos para nós mesmos. Quanto fingimento nosso e quanta fraqueza de nossas instituições na hora de entregar-lhes o que já é deles por direito. Não nos enganemos: para com eles, acintosamente faltamos com a Verdade!
    E para com Deus? Haveria algo mais nocivo a Seus planos e obras que a mentira? E se nós simplesmente nos omitíssemos sobre as Graças que diariamente recebemos? E se os Apóstolos se tivessem negado a testemunhar a Ressurreição de Jesus? Para nosso bem, as coisas não se deram assim. São Paulo, demostrando profunda consciência, dizia: "Anunciar o Evangelho não é glória para mim. É uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!" 1 Cor 9,16
    Ele ouviu de Jesus, quando começou a pregar em Corinto: "Numa noite, o Senhor disse a Paulo em visão: 'Não temas! Fala e não te cales. Porque Eu estou contigo. Ninguém se aproximará de ti para te fazer mal, pois tenho um numeroso povo nesta cidade.'" At 18,9-10
    O salmista já havia percebido: "Anunciei a justiça na grande assembléia. Não cerrei meus lábios, Senhor, bem o sabeis. Não escondi vossa justiça no coração, mas alto proclamei vossa fidelidade e vossa Salvação. À grande assembléia, não ocultei vossa bondade nem vossa fidelidade." Sl 39,10-11
    Então: que compromisso que temos com a Verdade? Não é o mesmo compromisso que temos com Jesus? Não é Ele a própria Verdade, como afirmou? "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida." Jo 14,6a
    Referindo-se aos preceitos do Antigo Testamento, São Paulo exalta o Santíssimo Sacramento, e assim a Igreja enquanto o Corpo Místico de Cristo: "Tudo isto não é mais que sombra do que devia vir. A realidade é o Corpo de Cristo." Cl 2,17
    E como Jesus mesmo declarou, essa foi a razão de ser de Sua Missão. Ele disse perante Pilatos: "É para dar testemunho da Verdade que nasci e vim ao mundo. Todo aquele que é da Verdade ouve Minha voz." Jo 18,37b
    É, pois, imperioso que a busquemos. Ou seremos eternos escravos da mentira ou de seu mais usual substituto: o relativismo! Que liberdade temos, de fato? Realmente conhecemos Jesus? Que princípios guiam nossas vidas? Ele vai dizer aos judeus: "Se permanecerdes em Minha Palavra, sereis Meus verdadeiros discípulos. Conhecereis a Verdade, e a Verdade libertar-vos-á." Jo 8,31-32
    Se dizemos que O seguimos, então temos o compromisso de conhecer a Verdade por Ele anunciada e de vivê-la. São João Evangelista exorta: "Eis como sabemos que O conhecemos: se guardamos Seus Mandamentos. Aquele que diz conhecê-Lo e não guarda Seus Mandamentos, é mentiroso e nele não está a Verdade. Aquele, porém, que guarda Sua Palavra, nele o amor de Deus é verdadeiramente perfeito. É assim que conhecemos se estamos n'Ele: aquele que n'Ele afirma permanecer, também deve viver como Ele viveu." 1 Jo 2,3-6
    Não por acaso, Jesus mesmo arguia a multidão: "Por que Me chamais: Senhor, Senhor... e não fazeis o que digo?" Lc 6,46
    E dentre Seus discípulos, Ele abertamente censurou até mesmo os displicentes, que se tornam propagadores de erros: "Aquele que violar um destes Mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será declarado o menor no Reino dos Céus." Mt 5,19
    Perante os meramente mundanos, Ele chegava a apelar para Seus milagres, que desde então estão por toda parte: "Se Eu não faço as obras de Meu Pai, não Me creiais. Mas se as faço e não quiserdes crer em Mim, crede em Minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em Mim e Eu no Pai." Jo 10,37-38
    Por isso, sentenciou: "Respondeu-lhes Jesus: 'Se fôsseis cegos não teríeis pecado, mas, como dizeis ver, vosso pecado subsiste.'" Jo 9,41
    E acenando para a pena capital, duramente falou sobre a hipocrisia: "Uma boa árvore não pode dar maus frutos; nem uma má árvore, bons frutos. Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo. Por seus frutos, conhecê-las-eis. Nem todo aquele que Me diz: 'Senhor, Senhor', entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade de Meu Pai que está nos Céus." Mt 7,18-21
    Nesse sentido, São Paulo questiona imaturos e inconstantes, e pergunta se é realmente a Jesus que se tem como Mestre: "Portanto, eis o que digo e conjuro no Senhor: não persistais em viver como os pagãos, que andam à mercê de suas frívolas idéias. Eles têm o entendimento obscurecido. Sua ignorância e o endurecimento de seu coração mantêm-nos afastados da Vida de Deus. Indolentes, entregaram-se à dissolução, à apaixonada prática de toda espécie de impureza. Vós, porém, não foi para isto que vos tornastes discípulos de Cristo, se é que O ouvistes e d'Ele aprendestes, como convém à Verdade em Jesus." Ef 4,17-21
    Como ele ensina, Jesus deixou a Igreja justamente para nosso amadurecimento espiritual: "A uns Ele constituiu Apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do Corpo de Cristo, até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. Para que não continuemos crianças ao sabor das ondas, agitados por qualquer sopro de doutrina, ao capricho da malignidade dos homens e de seus enganadores artifícios." Ef 4,11-14
    O simples ato de sonegar a Verdade já representa atrair para si a ira de Deus: "A ira de Deus manifesta-se do alto do Céu contra toda impiedade e perversidade dos homens, que pela injustiça aprisionam a Verdade." Rm 1,18
    E é isso o que se faz quando se falta à Santa Missa: "Porque, conhecendo a Deus, não o glorificaram como Deus, nem Lhe deram graças. Pelo contrário, extraviaram-se em seus vãos pensamentos e obscureceu-se-lhes o insensato coração. Pretendendo-se sábios, tornaram-se estultos." Rm 1,21-22
    Pois Jesus quer tirar-nos da incredulidade, conduzindo-nos à religiosidade"Veio para ensinar-nos a renunciar à impiedade e às mundanas paixões, e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade..." Tt 2,12
    O cego de nascença curado por Jesus já havia atinado: "Sabemos, porém, que Deus não ouve a pecadores, mas atende a quem Lhe presta culto e faz Sua vontade."Jo 9,31
    E Jesus mesmo determinou o verdadeiro culto: "Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e Verdade, e são esses adoradores que o Pai deseja. Deus é Espírito, e Seus adoradores devem adorá-Lo em espírito e Verdade." Jo 4,23-24
    De fato, segundo o Último Apóstolo, a Verdade, como Jesus Se identificou, é nosso único caminho: "Examinem-se a si próprios e vejam se estão firmes na . Façam uma revisão de si mesmos. Nada podemos contra a Verdade. Só temos poder em favor da Verdade." 2 Cor 13,5.8
    Ora, um dos 10 Mandamentos condena precisamente a falta de sinceridade: "Não levantarás falso testemunho contra teu próximo." Ex 20,16
    É necessário, entretanto, examinar os desdobramentos dessa norma. Ela vai muito além do falso testemunho, tem outras implicações. A questão mais séria é: que testemunho temos dado com nossas ações? Jesus cravou: "Vós sois Meus amigos se fazeis o que vos mando." Jo 15,14
    Com todas letras, Ele disse que a mentira carrega em si o espírito das trevas, e que ela frontalmente atenta contra a Vida Eterna. Foi quando denunciou os falsos religiosos de Jerusalém: "Vós tendes como pai o demônio e quereis fazer os desejos de vosso pai. Ele era homicida desde o princípio e não permaneceu na Verdade, porque a Verdade não está nele. Quando diz a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira." Jo 8,44
    Ele fulminou a hipocrisia: "Isaías com muita razão profetizou de vós, hipócritas, quando escreveu: 'Este povo honra-Me com os lábios, mas seu coração está longe de Mim.'" Mc 7,6
    E condenou, ademais, toda preguiçosa e escusa consciência, como os discípulos que partiram para Emaús antes de testemunhar Sua Ressurreição: "Ó gente sem inteligência! Como sois tardos de coração para crerdes em tudo que anunciaram os Profetas!" Lc 24,25
    São Pedro falou da verdadeira função do Batismo: "Esta água prefigurava o Batismo de agora, que também vos salva. Não pela purificação das impurezas do corpo, mas pela que consiste em pedir a Deus uma boa consciência, pela Ressurreição de Jesus Cristo." 1 Pd 3,21
    São Tiago Menor também foi contundente ao falar do vício das inverdades: "Se alguém pensa ser piedoso, mas não refreia sua língua e engana seu coração, então é vã sua religião." Tg 1,26
    Ele questionava: "Todas espécies de feras selvagens, de aves, de répteis e de peixes do mar domam-se e têm sido domadas pela espécie humana. A língua, porém, nenhum homem pode domá-la. É um irrequieto mal, cheia de mortífero veneno. Com ela bendizemos o Senhor, Nosso Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma mesma boca procede a bênção e a maldição. Não convém, meus irmãos, que assim seja. Porventura lança uma fonte, por uma mesma bica, doce e amargosa água?" Tg 3,7-11
    E pedia compaixão: "Meus irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de seu irmão ou o julga, fala mal da Lei e julga a Lei. E se julgas a Lei, já não és observador da Lei, mas seu juiz." Tg 4,11
    São João Evangelista convoca-nos a assumir plenamente a fé, pela prática da Comunhão e da Confissão: "Se dizemos ter Comunhão com Ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não seguimos a Verdade. Se, porém, andamos na Luz como Ele mesmo está na Luz, temos Comunhão uns com os outros, e o Sangue de Jesus Cristo, Seu Filho, purifica-nos de todo pecado. Se dizemos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos e a Verdade não está em nós. Se confessamos nossos pecados, Deus está aí, fiel e justo, para perdoar-nos os pecados e purificar-nos de toda iniquidade. Se pensamos não ter pecado, nós declaramo-Lo mentiroso e Sua Palavra não está em nós." 1 Jo 1,6-10
    A luta contra a mentira, porém, não se faz apenas denunciando-a, pois Jesus não nos quer em querelas, trocando maledicências por maledicências. São Paulo recomenda a São Timóteo: "Rejeita as tolas e absurdas discussões, visto que geram contendas. Não convém a um servo do Senhor altercar. Bem ao contrário, seja ele condescendente com todos, capaz de ensinar, paciente em suportar os males. É com brandura que deve corrigir os adversários, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento e o conhecimento da Verdade, e voltem a si, uma vez livres dos laços do demônio, que a seus caprichos os mantém cativos e submetidos." 2 Tm 2,23-26
    Principalmente entre cristãos, como o Apóstolo dos Gentios diz aos colossenses: "Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. Suportai-vos uns aos outros e mutuamente perdoai-vos toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós." Cl 3,12-13
    Para um homem de Deus, então, querelas equivalem a um escândalo e afastam as pessoas da Igreja: "Lembra-lhes estas coisas e conjura-os, por Deus, a evitarem discussões de palavras, que só servem para a perdição dos ouvintes. Empenha-te em apresentar-te diante de Deus como homem digno de aprovação, operário que não tem de que se envergonhar, íntegro distribuidor da Palavra da Verdade. Procura esquivar-te das frívolas conversas dos mundanos, que só contribuem para a impiedade. As palavras dessa gente destroem como a gangrena." 2 Tm 2, 14-17a
    Isso não significa ser omisso diante de graves questões. Ele pedia aos tessalonicenses: "Pedimo-vos, porém, irmãos, corrigi os desordeiros, encorajai os tímidos, amparai os fracos e tende paciência para com todos." 1 Ts 5,14
    Denunciava gnósticos e esotéricos: "Essas coisas, em vez de promoverem a obra de Deus, que se baseia na fé, só servem para ocasionar disputas. Esta recomendação só visa a estabelecer a caridade, nascida de um puro coração, de uma boa consciência e de uma sincera fé. Apartando-se desta norma, alguns se entregaram a vãos discursos. Pretensos doutores da Lei, que não compreendem nem o que dizem nem o que afirmam." 1 Tm 1,4b-7
    Acusava-os, em específico, dentro da Igreja ou sobre assuntos de seu ministério: "E ninguém vos seduza com vãos discursos. Estes são os pecados que atraem a ira de Deus sobre os rebeldes. Não vos comprometais com eles. Outrora éreis trevas, mas agora sois Luz no Senhor: comportai-vos como verdadeiras luzes. Ora, o fruto da Luz é bondade, justiça e Verdade. Procurai o que é agradável ao Senhor, e não tenhais cumplicidade nas infrutíferas obras das trevas. Pelo contrário, abertamente condenai-as! Porque as coisas que tais homens ocultamente fazem, até delas falar é vergonhoso." Ef 5,6-12
    Ele determinou a São Tito: "O homem que assim fomenta divisões, depois de advertido uma primeira e uma segunda vez, evita-o, visto que esse tal é um perverso, e perseverando em seu pecado condena a si próprio." Tt 3,10-11
    E chegou a excomungar um pervertido da igreja de Corinto: "Em Nome do Senhor Jesus, reunidos vós e meu espírito, com o poder de Nosso Senhor Jesus, seja esse homem entregue a Satanás, para mortificação de seu corpo, a fim de que sua alma seja salva no Dia do Senhor Jesus." 1 Cor 5,4-5
    Entretanto, aconselhou quanto aos demais: "Procedei com Sabedoria no trato com os de fora. Sabei aproveitar todas circunstâncias. Que vossas conversas sejam sempre amáveis, temperadas com sal, e a cada um sabei responder devidamente." Cl 4,5-6
    Pois perante Deus temos por maior dever dar testemunho do bem, de bem falar do que é correto e das boas obras das pessoas. Mais: temos mesmo que procurar nas palavras dos outros sempre o melhor sentido, fazendo vista grossa aos menores ataques e intrigas. A palavra 'benção' vem de 'bendição', que é 'bendizer' as coisas e as pessoas. Jesus pregou a todos: "... abençoai aqueles que vos maldizem e orai pelos que vos injuriam." Lc 6,28
    Ainda disse que, a despeito de toda calúnia e perseguição, nossas bendições, ou seja, nosso bom testemunho d'Ele, e de tudo o que é d'Ele, sempre será recompensado: "Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e falsamente disserem todo mal contra vós por causa de Mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós." Mt 5,11-12
    Ele proíbe-nos, portanto, de todo maldizer sem razão objetivamente válida, de toda e qualquer pequena ofensa aos nossos irmãos, que terão a maior punição se não houver arrependimento: "Aquele que a seu irmão disser: 'Bobo', será castigado pelo Grande Conselho. Aquele que lhe disser: 'Louco', será condenado ao fogo do inferno." Mt 5,24
    Ao invés de falar, por falar, das coisas más e erradas, devemos comprometer-nos em anunciar as coisas celestiais como Ele ordenou: "... tu, porém, vai e anuncia o Reino de Deus." Lc 9,60
    Foi exatamente isso o que fez Santa Isabel, ao receber a visita de Nossa Senhora: "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o Fruto do teu ventre." Lc 1,42b
    Porque, se bem observarmos, são tantas as boas coisas que Deus já nos tem feito. Jesus determinou ao geraseno que exorcizou: "Vai para casa, para junto dos teus e anuncia-lhes tudo que o Senhor fez por ti, e como Se compadeceu de ti." Mc 5,19
    Ele firmou perante Jerusalém: "Porque Eu vos digo: já não Me vereis de hoje em diante, até que digais: 'Bendito seja Aquele que vem em Nome do Senhor.'" Mt 23,39
    E afirmou: "Portanto, quem der testemunho de Mim diante dos homens, Eu também darei testemunho dele diante de Meu Pai que está nos Céus. Aquele, porém, que Me negar diante dos homens, Eu também o negarei diante de Meu Pai que está nos Céus." Mt 10,32-33
    São Paulo, falando da nova criatura que nasce em Cristo, expressamente diz: "Agora, porém, deixai de lado todas estas coisas: ira, animosidade, maledicência, maldade, torpes palavras de vossa boca, nem vos enganeis uns aos outros. Vós despistes-vos do velho homem com seus vícios, e revestistes-vos do novo, que constantemente vai restaurando-se à imagem d'Aquele que o criou, até atingir o perfeito conhecimento." Cl 3,8-10
    E assim inicia algumas de suas cartas: "Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do Céu nos abençoou com toda a bênção espiritual em Cristo..." Ef 1,3


GRANDES OFENSAS A DEUS

    O Catecismo da Igreja listou frequentes ofensas à Verdade, assim como à dignidade e à honra do ser humano, portanto também a Deus:
    - falso testemunho: mentir em favor ou desfavor de alguém;
    - omissão: deixar de testemunhar a Verdade; 
    - perjúrio: mentir contrariando um juramento;
    - temerário juízo: emitir opinião do que não conhece;
    - maledicência: divulgar, por mero prazer, as faltas alheias;
    - calúnia: mentir ou dar ocasião para prejudicar a reputação alheia;
    - adulação, bajulação ou complacência: apoiar alguém em sua malícia ou por interesse;
    - vanglória: atribuir-se valor sem válida razão ou que não se tem;
    - ironia: fazer rir dos erros alheios;
    - auto-ilusão: alimentar fantasias;
    - cinismo: afrontar a moral;
    - dúbia linguagem: confundir ou sonegar a Verdade;
    - dissimulação: esconder grave comportamento ou Verdade.

    Coberto de razão, São Paulo cobra dos membros da Igreja a Verdade que purifica: "É preciso que vos renoveis pela transformação espiritual da inteligência e revistai-vos do novo ser, criado segundo Deus na justiça e na santidade que vem da Verdade. Por isso, renunciai à mentira. Cada um fale a seu próximo a Verdade, pois somos membros uns dos outros." Ef 4,23-25
    E pedia: "Nenhuma  palavra saia de vossa boca, mas só a que for útil para a edificação, sempre que for possível, e benfazeja aos que ouvem. Toda amargura, ira, indignação, gritaria e calúnia sejam desterradas do meio de vós, bem como toda malícia." Ef 4,29-31
    Tomando Deus como testemunha, ele exalta, ao passo que condena as heresias, a postura de um verdadeiro cristão: "Afastamos de nós todo fingido e vergonhoso procedimento. Não andamos com astúcia, nem falsificamos a Palavra de Deus. Pela manifestação da Verdade, nós recomendamo-nos à consciência de todos homens, diante de Deus." 2 Cor 4,2
    E afirma que todos que renegam a Deus, ou seja, à Verdade, já estão vivendo um grande castigo. Essa é a falsidade maior: trocar o reconhecimento devido a Deus pela idolatria ao ser humano: "Por isso, Deus entregou-os aos desejos de seus corações, à imundície, de modo que desonraram entre si os próprios corpos. Trocaram a Verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador..." Rm 1,24-25
    De fato, Jesus não nos estimulou a buscar as mundanas glórias. Nelas não há Verdade: "Não espero Minha Glória dos homens... Como podeis crer, vós que recebeis a glória uns dos outros, e não buscais a Glória que é só de Deus?" Jo 5,41.44
    Ele denunciou os que vivem de vanglória: "Quem fala de si mesmo, busca seu próprio prestígio." Jo 7,18
    E Jó ponderadamente condenou até mesmo as mentiras que seus amigos diziam em defesa das obras de Deus: "Para defender Deus, ireis dizer mentiras? Será preciso enganardes em Seu favor?" Jó 13,7
    O Eclesiástico condenava até a mentira por ignorância: "Não contradigas de nenhum modo a Verdade, envergonha-te da mentira cometida por ignorância." Eclo 4,30
    Além de vergonha, ela simplesmente é sinal de falta de educação: "A mentira é no homem uma vergonhosa mancha: não deixa os lábios das pessoas mal-educadas." Eclo 20,26
    São Pedro, no mesmo sentido, pede-nos uma completa depuração: "Despojem-se, portanto, de toda malícia, toda astúcia, fingimentos, invejas e toda espécie de maledicência." 1 Pd 2,1
    E diz sobre quem mais pesará o Juízo: "... principalmente aqueles que correm com impuros desejos atrás dos prazeres da carne e desprezam a autoridade. Audaciosos, arrogantes, não temem falar injuriosamente das Glórias..." 2 Pd 2,10
    São Judas Tadeu também invocou uma profecia: "'Eis que veio o Senhor entre milhares de Seus Santos para julgar a todos e confundir a todos ímpios por causa das obras de impiedade que praticaram, e por causa de todas injuriosas palavras que eles, ímpios, têm proferido contra Deus.' Estes são murmuradores descontentes, homens que vivem segundo suas paixões, e cuja boca profere soberbas palavras, e que admiram os demais por interesse." Jd 14b-16
    Ora, o salmista bem já havia identificado este comportamento do ímpio: "De maledicência, astúcia e dolo sua boca está cheia. Em sua língua só existem injuriosas e ofensivas palavras." Sl 9,27
    Já o Profeta Miqueias registrou a queixa de Deus sobre a fraqueza do povo pelo que é torpe e fútil: "Se houvesse um homem que atirasse palavras ao vento e espalhasse mentiras, dizendo: 'Vou recomendar-lhes o vinho e a cerveja!', tal seria o profeta que convém a Meu povo." Mq 2,11
    Se isso soa um tremendo absurdo, São Paulo profetizou algo muito parecido, e hoje já podemos dizer que esta profecia se cumpriu: "Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a Sã Doutrina da Salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, para si ajustarão mestres. Apartarão os ouvidos da Verdade e atirar-se-ão às fábulas." 2 Tm 4,3-4
    E deu detalhes: "Os homens tornar-se-ão egoístas, avarentos, fanfarrões, soberbos, rebeldes aos pais, ingratos, malvados, desalmados, desleais, caluniadores, devassos, cruéis, inimigos dos bons, traidores, insolentes, cegos de orgulho, amigos dos prazeres e não de Deus, ostentarão a aparência de piedade, mas desdenharão de sua autoridade. Dessa gente, afasta-te!" 2 Tm 3,2,-5
    Diante de problemáticas comunidades, desde sempre ele dava expressas ordens a São Tito: "Portanto, severamente repreende-os para que se mantenham sãos na fé e não deem ouvidos a judaicas fábulas nem a preceitos de homens avessos à Verdade. Para os puros, todas coisas são puras; para os corruptos e descrentes, nada é puro: até sua mente e consciência são corrompidas. Proclamam que conhecem a Deus, mas na prática renegam-nO, detestáveis que são, rebeldes e incapazes de qualquer boa obra." Tt 1,13b-16
    Em contraponto, alegra-se com o perfume de Cristo: "Mas graças sejam dadas a Deus, que sempre nos concede triunfar em Cristo, e que por nosso meio difunde o perfume de Seu conhecimento em todo lugar. É que, de fato, não somos, como tantos outros, falsificadores da Palavra de Deus. Mas é em sua integridade, tal como procede de Deus, que nós a pregamos em Cristo, sob os olhares de Deus." 2 Cor 2,14.17
    São João Evangelista já denunciava heresias àquele tempo. E pela presença do Espírito Santo fazia uma clara distinção: "Eles são do mundo. É por isto que falam segundo o mundo, e o mundo ouve-os. Nós, porém, somos de Deus. Quem conhece a Deus, ouve-nos; quem não é de Deus, não nos ouve. É nisto que conhecemos o Espírito da Verdade e o espírito do erro." 1 Jo 4,5-6
    E arremata: "Quem observa Seus Mandamentos permanece em Deus e Deus nele. É nisto que reconhecemos que Ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu." 1 Jo 3,24
    Com efeito, Deus já havia apontado, através do Profeta Jeremias, a razão do desprezo com que Ele é tratado: "'Habitam no seio da falsidade. Por má fé recusam conhecer-Me,' Oráculo do Senhor." Jr 9,5
    Jesus, falando de Si, disse algo semelhante: "... a Luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas que a Luz, pois suas obras eram más." Jo 3,19b
    E ainda segundo Miqueias, faz muitos séculos que as grandes cidades não são dignas de maiores elogios: "Os ricos da cidade são homens violentos, seus habitantes proferem mentiras, e em sua boca a língua só serve para enganar." Mq 6,12
    Mas conforme o Profeta Sofonias, os seguidores do Salvador, isto é, a Igreja, têm no compromisso com a Verdade sua principal marca: "Os que restarem de Israel abster-se-ão do mal, e não proferirão a mentira. Não mais se achará enganosa língua em sua boca, porque serão apascentados e repousarão sem haver quem os inquiete." Sf 3,13
    Jesus, mais uma vez, deixou bem evidente quem nos influencia quando ofendemos a Verdade: "Dizei somente: Sim, se é sim, ou não, se é não. Tudo que passa além disto vem do Maligno." Mt 5,37
    E assim descreveu o Pentecostes, a ação do Autor da Graça sobre a Igreja: "E Eu rogarei ao Pai, e Ele dar-vos-á outro Paráclito, para que convosco fique eternamente. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber porque não O vê nem O conhece. Mas vós conhecê-Lo-eis, porque convosco permanecerá e em vós estará." Jo 14,16-1
    A mentira, pois, é um pecado venial, mas pode tornar-se pecado mortal quando usada com frequência, ou, mesmo episodicamente, com gravidade ferir a justiça e a caridade.

    "Mandai Vosso Espírito Santo!"