quarta-feira, 2 de maio de 2018

Santo Atanásio, O Grande


    Embora fosse apenas um diácono que acompanhava Santo Alexandre, Patriarca (Bispo) de Alexandria, seu nome é o mais citado nos registros do memorável Concílio de Niceia de 325. Seu conhecimento bíblico e teológico, e seus argumentos a favor da Sã Doutrina foram um deleite para os homens de boa vontade que dele participaram. Ele rebateu cada uma das incoerências da heresia criada por Ário, presbítero dos arredores de Alexandria, que dizia que Jesus não era Deus, apenas Sua mais perfeita criatura.
    Nasceu no Egito em 296, em Alexandria, cidade onde se tornaria o mais amado bispo. Desde cedo sua inteligência revelou-se absolutamente superlativa. Antes mesmo de tornar-se bispo, Santo Alexandre, seu professor, percebeu que ele seria a pessoa mais requisitada pela Igreja em seu país.
    Àquela época, Ário, sacerdote líbio, havia apoiado Melécio, bispo sectarista da região de Alexandria, contrário ao perdão de cristãos que haviam prestado culto aos deuses pagãos quando foram ameaçados de morte pelo governadores romanos. Agora, mesmo tendo sido ordenado por Santo Alexandre, que se posicionava contra o cisma de Melécio, Ário insurgia-se como teólogo, dizia que Jesus não tinha a mesma natureza do Pai e, cativando incautos, colocava-se contra a Santa Igreja.
    Deu-se, então, o famoso Primeiro Concílio de Niceia, que era uma próspera cidade na atual Turquia, para debater e resolver questões daquele tempo como a promulgação das leis canônicas, a definição da data da Páscoa, e, principalmente, como se entenderia mais tarde, os assuntos relativos à natureza de Cristo. Apesar de toda sutileza de raciocínio e capacidade de persuasão, dada sua eloquência, Ário foi flagrantemente derrotado por Santo Atanásio, que com brilhantismo sustentou a Doutrina dos Apóstolos e defendeu a Unidade da Igreja. Ao final, por teimar em discordar das decisões tomadas pela grande maioria, Ário foi afastado.
    Mesmo aclamado durante o Concílio, Santo Atanásio preferiu a meditativa vida de eremita. E foi viver no deserto, quando passou dois anos em companhia de Santo Antão, de quem aprendeu a mergulhar profundamente na alma e com quem organizou a vida monástica do primeiro grupo de eremitas católicos.
    Mas Santo Alexandre sabia que o eremitério não era seu definitivo destino. Alexandria era a maior e mais importante cidade depois de Roma, e ele, que bem conhecia as necessidades da Igreja, queria-o para seu sucessor, como de fato foi eleito com ampla maioria de votos em 328.
   Demoraram, no entanto, para localizá-lo, pois Santo Atanásio já vivia perfeitamente pelos ermos do deserto, evitando qualquer contato. Só após seis meses de buscas foi encontrado, e, acreditando poder convencer Santo Alexandre a desistir de sua convocação, foi a Alexandria, quando acabou recebido sob grande aclamação popular. Vendo-se nos braços do povo, e percebendo que não poderia declinar, começou a chorar como criança diante essa contrariedade imposta pela vontade de Deus, pois havia encontrado a indizível Paz como ermitão.
    Irritados, e por ocuparem as mais importantes posições, os arianos convenceram o imperador a interferir, e ele tentou resolver a questão enviando a Alexandria Ósio de Córdoba, o mais respeitado bispo católico de então. Mas ao entrar em contato com Santo Atanásio, Ósio não só reconheceu nele a pessoa ideal para aquele patriarcado como concordou plenamente com seus argumentos doutrinários, pois representavam com precisão o que foi decidido em Niceia.
    Porém, apesar da conciliadora gestão de nosso Santo, anos mais tarde os arianos insistiram com o imperador para convocar o malfadado 'concílio' de Tiro, no Líbano em 335, que não foi reconhecido pela Igreja e tinha por objetivo a mera destituição de Santo Atanásio. Detalhe: em 328 ele havia sido convocado para o Sínodo na Cesareia Palestina, através do qual o imperador queira readmitir Ário, mas não compareceu.
    Desta vez, obrigado pelo imperador, ele compareceu com sua costumeira humildade à farsa armada em Tiro, onde Ário foi readmitido e Santo Atanásio condenado. De lá, ele foi direto a Constantinopla, e, numa missão que julgava ser pessoal e pela Salvação da alma do imperador, apresentou-se a ele para explicar detalhadamente as questões doutrinárias que estavam em debate. Convencido por seus argumentos, Constantino I inocentou-o das acusações, mas manteve as funções de Ário e não revogou o exílio imposto a Santo Atanásio, a ser cumprido na cidade de Trier, na atual Alemanha, onde ele foi muito bem acolhido por São Maximiliano.
    A população de Alexandria, entretanto, ficou muito insatisfeita com o afastamento de seu santo bispo e com a imposição da doutrina ariana. E sempre que podia, intercedia ao imperador pelo retorno de Santo Atanásio. Ele escusava-se dizendo que não podia revogar a decisão do 'concílio' de Tiro, mas, tendo Ário morrido subitamente em 335, e estando o imperador em seu leito de morte em 337, ao solicitar o Sacramento do Batismo, resolveu atender ao clamor popular e decretou o retorno de nosso Santo a Alexandria, o que aconteceu em 338. E para mais um grande constrangimento dos arianos, ele foi recebido na cidade com grande euforia.
    Um dos filhos de Constantino I, Constâncio II, que havia herdado a parte do império onde ficava Alexandria, foi procurado pelos arianos para convocar um novo concílio, pois seu pai teria revogado uma decisão do 'clero'. Assim foi feito e elegeram Gregório, um ariano, como novo Patriarca de Alexandria.
    Santo Atanásio então teve que se explicar ao Papa Júlio I, que em 343 havia presidido o Concílio de Sárdica, na atual Bulgária, e participou do Sínodo realizado pelos irmãos de Constâncio II, também imperadores, Constante I e Constantino II, encontros que reconheceram Santo Atanásio como o legítimo Patriarca. Constante I, que administrava a parte que abrangia a Itália, escreveu uma carta em que obrigava Constâncio II a reconhecer os Concílios Católicos, o que ele finalmente acatou, restituindo a Santo Atanásio o patriarcado.
    Com a morte de Constante I, porém, os arianos tornaram a pressionar Constâncio II e conseguiram a convocação do 'concílio' de Milão, em 345, o qual mais uma vez condenou Santo Atanásio, restituiu o patriarcado de Alexandria aos hereges e, o pior, exilou todos patriarcas verdadeiramente católicos daquela região do Egito. A cidade entrou em violenta convulsão e nosso Santo, para evitar consequências mais graves, preferiu esconder-se numa cisterna seca na casa de um amigo. Foi mais uma prova de sua profunda mística e amor à vida contemplativa, pois aí ficou durante 5 anos, quando escreveu os mais belos trabalhos combatendo a heresia do arianismo.


    Após a morte de Constantino II, porém, nova reviravolta: o imperador Juliano, que havia sido fervoroso cristão, decretou a volta de Santo Atanásio ao patriarcado e o retorno de todos os patriarcas exilados. Mas as convulsões recomeçaram e nosso Santo optou pelo autoexílio. Contudo, Juliano morreria numa batalha em 363, após apenas três anos como imperador, e Joviano assumiria, também por um período de três anos, trazendo de fato os patriarcas católicos e estabelecendo a paz em Alexandria.
    Mas com a ascensão do imperador que sucedeu a Joviano, e era contra a Igreja, iniciou-se nova perseguição aos católicos e consequentemente o exílio de todos. Para evitar revolta popular, Santo Atanásio mais uma vez escolheu esconder-se, agora junto ao túmulo de seu pai, onde viveu por quatro meses. Entretanto, finalmente reconhecendo a vontade do povo, as autoridades de Alexandria concederam-lhe por mais uma vez o retorno ao patriarcado, e aí ele ficou até 373, quando faleceu aos 77 anos.
    O termo 'ortodoxo', que em grego literalmente significa 'opinião correta', foi empregado pela primeira vez para designar seus seguidores. É conhecido pelo raro título de 'O Grande', e ainda de 'Pai da Ortodoxia'. É um dos Doutores da Igreja.
    Em seu livro "A Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo", usou oito vezes o termo 'Theotokos', que quer dizer Mãe de Deus, para referir-se a Nossa Senhora.
    No seu livro "Credo Quicumque", séculos antes de Santo Agostinho ele diz: "Esta é a católica e quem nela ão crer, fiel e firmemente, não poderá salvar-se."
    Tornou-se o primeiro hagiógrafo da Igreja, ao escrever o livro "Vida de Santo Antão".
    E deixou profundas reflexões e orações:
    "Vós, Senhor, que estás acima dos querubins, quando Vos fizestes semelhante a nós, restaurastes o mundo decaído."
    "Jesus tornou-Se o que somos para fazer-nos o que Ele é."
    "Pois nós fomos o propósito de Sua Encarnação, e para nossa Salvação Ele amou os seres humanos de modo a vir a ser e aparecer em um Corpo Humano."
    "Houve, portanto, duas coisas que o Salvador fez por nós tornando-Se homem: Ele baniu de nós a morte e fez-nos de novo; e, invisível e imperceptível, como em Si mesmo Ele é, tornou-Se visível através de Suas obras e revelou-Se enquanto a Palavra do Pai, o Governante e o Rei de toda a Criação."
    "Assim, o Verbo, querendo devidamente socorrer os homens, deveria residir na terra como homem, tomar Corpo semelhante ao deles, e agir através das coisas terrenas, isto é, por obras corporais. Desta forma, aqueles que não haviam querido reconhecê-Lo por causa de Seus universais Providência e domínio, reconheceriam pelas obras corporais o Verbo de Deus Encarnado, e por Ele, o Pai."
    "A forma da Sabedoria foi dada às criaturas para que o mundo nelas reconhecesse o Verbo, Seu Artífice, e pelo Verbo, o Pai."
    "Pois que uso tem a existência para a criatura se não pode conhecer Seu Criador?"
    "O Pai cria todas as coisas por meio do Verbo, no Espírito Santo. E deste modo afirma-se a Unidade da Santíssima Trindade."
    "Porque Deus não só nos criou do nada, mas também nos garantiu, pela Graça da Palavra, viver uma vida de acordo com Deus."
    "A presença e o amor da Palavra chamaram-nos a sermos. Inevitavelmente, portanto, quando perderam o conhecimento de Deus, perderam a existência com ele. Pois só Deus existe, o mal é o não-ser, a negação e a antítese do bem."
    "Pois, de fato, tudo é maravilhoso, e, sempre que um homem virar o olhar, ele vê a divindade da Palavra e é afetado pela admiração."
    "A auto-revelação da Palavra está em todas dimensões: acima, na Criação; abaixo, na Encarnação; na profundidade, no Hades; na amplitude, em todo o mundo. Todas as coisas foram preenchidas com o conhecimento de Deus."
    "Porque nenhuma parte da Criação foi deixada vazia de Si: Ele encheu tudo em todos os lugares..."
    "Pois o Senhor tocou todas as partes da Criação, e libertou-as e desenganou-as de todos enganos."
    "Mesmo na Cruz, Ele não se escondeu. Em vez disso, fez de toda Criação testemunha da presença de Seu Criador."
    "Até a própria Criação rompeu o silêncio a Seu pedido e, maravilhada por relatar, confessou com uma só voz diante da Cruz, aquele monumento da Vitória, que Aquele que sofria no Corpo não era apenas homem, mas o Filho de Deus e Salvador de todos. O sol encobriu o rosto, a terra tremia, as montanhas racharam-se em partes, todos os homens estavam assustados. Estas coisas mostraram que Cristo na Cruz era Deus, e que toda a Criação era Sua serva, e testemunhava seu medo ante a presença de Seu Mestre."
    "Os filósofos gregos compilaram muitas obras com persuasão e muita habilidade em palavras. Mas que fruto eles têm para mostrar por isso, como tem a Cruz de Cristo? Seus sábios pensamentos eram bastante persuasivos até que eles morressem."
    "Com Sua Ressurreição, o Senhor fez desaparecer a morte como se fosse palha entre o fogo."
    "Por natureza, os seres humanos têm medo da morte e da dissolução do corpo. Mas isso é muito surpreendente, pois aquele que colocou a fé da Cruz despreza até mesmo as coisas conforme a natureza, e não tem medo da morte por causa de Cristo."
    "Nos tempos antigos, antes da divina passagem do Salvador, até aos Santos a morte era terrível. Todos choraram pelos mortos como se eles tivessem realmente perecido. Mas agora que o Salvador ressuscitou, a morte não é mais terrível. Pois todos os que creem em Cristo desprezam-na como se nada fosse, e preferem morrer que negar a fé em Cristo. E o diabo que maliciosamente exultou com a morte, agora que foram dissipadas as dores causadas por ela, permaneceu o único verdadeiramente morto."
    "Tu sabes como é quando algum grande rei entra em uma grande cidade e habita em uma de suas casas. Por causa de sua habitação naquela casa única, toda a cidade é honrada, e inimigos e ladrões deixam de molestar. Mesmo assim é com o Rei de todos; Ele entrou em nosso país e habitou em um Corpo em meio a muitos, e, em conseqüência, os projetos do inimigo contra a humanidade foram frustrados e a corrupção da morte, que antigamente os mantinha em seu poder, simplesmente deixou de ser. Pois a raça humana teria perecido completamente não tivesse o Senhor e Salvador de todo o Filho de Deus vindo entre nós para acabar com a morte."
    "Se o mundo for contra a Verdade, então Atanásio será contra o mundo."
    "As sagradas e inspiradas Escrituras são suficientes para a pregação da Verdade."
    "Estas são as fontes de Salvação, para que aqueles que têm sede possam ser saciados com as vivas palavras que elas contêm. Só nelas se proclama a doutrina da piedade. Que nenhum homem acrescente nem tire algo delas."
    "Tu não verás ninguém que realmente esteja esforçando-se para seu avanço espiritual que não seja dado à leitura espiritual."
    "Nosso inimigo é o diabo, que sempre nos rodeia, tratando de tirar-nos a semente da Palavra de Deus que foi posta dentro de nós."
    "Tu não podes colocar corretamente nos outros o que está distorcido em ti mesmo."
    "Da mesma forma, qualquer um que deseja compreender a mente dos sagrados escritores deve, primeiro, limpar sua própria vida e aproximar-se dos Santos, copiando suas ações."
    "Nenhum de nós julga pelo que não sabe, e ninguém é chamado Santo por seu aprendizado e conhecimento. Porém, cada um será chamado a Juízo nestes pontos: se manteve a fé e realmente observou os Mandamentos."
    "Os Santos, enquanto viviam nesse mundo, estavam sempre alegre, como em contínua festa."
    "Assim, a pureza da alma é suficiente para refletir Deus, porquanto o Senhor também diz: 'Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus.'"
    "Levemos em conta que a própria Tradição, ensinamento e fé da Igreja Católica, desde o princípio dados pelo Senhor, foram pregados pelos Apóstolos e preservados pelos Santos. Nisto foi fundada a Igreja. E se alguém dela se afasta, não é e nem deve mais ser chamado de cristão."
    "Ainda que os católicos fiéis à Tradição se reduzam a um punhado, são eles a Verdadeira Igreja de Jesus."
    "Os cristãos, em vez de armarem-se de espadas, estendem as mãos em oração."
    "Jesus, que eu conheço como Meu Redentor, não pode ser inferior a Deus."


    Parte de suas relíquias está guardada na Catedral de São Marcos, no Cairo, capital do Egito, cujas fundações já contam 1900 anos, uma homenagem ao segundo evangelista, que foi bispo de Alexandria por pessoal indicação de São Pedro.


     Outra parte de suas relíquias está na igreja de São Zacarias, em Veneza, que data do século IX.


    Santo Atanásio, rogai por nós!