quarta-feira, 17 de maio de 2017

Não Tornar a Pecar


    Tentando colocar Jesus ou contra a Lei ou contra Sua já reconhecida Misericórdia, os religiosos de Jerusalém trouxeram-Lhe uma mulher flagrada em adultério e perguntaram se deveria ou não ser apedrejada. Após inviabilizar a aplicação desta lei, dizendo que quem não tivesse pecado atirasse a primeira pedra, Ele disse à mulher: "Nem Eu te condeno. Vai e não tornes a pecar." Jo 8,11b
    Disse também ao paralítico que jazia no tanque de Betesda, a quem havia curado: "Eis que ficaste são; já não peques, para não te acontecer coisa pior." Jo 5,14
    E deu estes detalhes aos escribas e fariseus que Lhe pediam para ver um milagre, aos quais Ele acusou de pertencer a uma geração adúltera e perversa: "Quando o espírito impuro sai de um homem, ei-lo errante por lugares áridos à procura de um repouso que não acha. Diz ele, então: 'Voltarei para a casa donde saí.' E, voltando, encontra-a vazia, limpa e enfeitada. Vai, então, buscar sete outros espíritos piores que ele, e entram nessa casa e estabelecem-se aí; e o último estado daquele homem torna-se pior que o primeiro. Tal será a sorte desta geração perversa." Mt 12,43-45
    Ele havia questionado: "Como pode alguém penetrar na casa de um homem forte e roubar-lhe os bens, sem ter primeiro amarrado este homem forte? Só então pode roubar sua casa!" Mt 12,29
    E descreveu a obra de Satanás nestes termos: "O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir." Jo 10,10a
    Por isso pregava total ruptura com o Mal: "Se a tua mão for para ti ocasião de queda, corta-a; melhor te é entrares na Vida aleijado do que, tendo duas mãos, ires para a geena, para o fogo inextinguível [onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga]. Se o teu pé for para ti ocasião de queda, corta-o fora; melhor te é entrares coxo na Vida Eterna do que, tendo dois pés, seres lançado à geena do fogo inextinguível [onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga]. Se o teu olho for para ti ocasião de queda, arranca-o; melhor te é entrares com um olho de menos no Reino de Deus do que, tendo dois olhos, seres lançado à geena do fogo, onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga." Mc 9,43-48
    São Pedro argumenta: "Com efeito, se aqueles que renunciaram às corrupções do mundo em favor do conhecimento de Jesus Cristo Nosso Senhor e Salvador, nelas se deixam de novo enredar e vencer, seu último estado torna-se pior do que o primeiro. Melhor seria que não tivessem conhecido o Caminho da justiça do que, depois de tê-lo conhecido, tornarem atrás, abandonando a santa lei que lhes foi ensinada. Aconteceu-lhes o que com razão diz o provérbio: 'O cão voltou ao seu vômito (Pr 26,11); e: A porca lavada volta a revolver-se no lamaçal.'" 2 Pd 2,20-22
    De tão grave que é este erro, os seguidores de São Paulo não viam mais solução: "Depois de termos recebido e conhecido a Verdade, se a abandonarmos voluntariamente, já não haverá sacrifício para expiar este pecado. Só teremos que esperar um juízo tremendo e o fogo ardente que há de devorar os rebeldes. Quanto pior castigo julgais que merece quem calcar aos pés o Filho de Deus, profanar o Sangue da Aliança, em que foi santificado, e ultrajar o Espírito Santo, Autor da Graça!" Hb 10,26,27.29
    São Paulo, com a inspiração e contundência que lhe característica, faz uma arguta lista de desvios causados pela falta de religiosidade e pelas heresias: "Porque, conhecendo a Deus, não O glorificaram como Deus nem Lhe deram graças. Pelo contrário, extraviaram-se em seus vãos pensamentos e obscureceu-se-lhes o coração insensato. Pretendendo-se sábios, tornaram-se estultos. Mudaram a majestade de Deus incorruptível em representações e figuras de homem corruptível, de aves, quadrúpedes e répteis. Por isso, Deus entregou-os aos desejos dos seus corações, à imundície, de modo que desonraram entre si os próprios corpos. Trocaram a Verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador, que é bendito pelos séculos. Amém! Por isso, Deus entregou-os a vergonhosas paixões: suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario. Como não se preocupassem em adquirir o conhecimento de Deus, Deus entregou-os aos sentimentos depravados, e daí o seu procedimento indigno. São repletos de toda espécie de malícia, perversidade, cobiça, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade. São difamadores, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, soberbos, altivos, inventores de maldades, rebeldes contra os pais. São insensatos, desleais, sem coração, sem misericórdia. Apesar de conhecerem o justo decreto de Deus que considera dignos de morte aqueles que fazem tais coisas, não somente as praticam, como também aplaudem os que as cometem." Rm 1,21-32
    E ao evocar a Missão de Jesus, ele vai falar da verdadeira liberdade aos gálatas: "É para que sejamos homens livres que Cristo nos libertou. Portanto, permanecei firmes e não vos submetais de novo ao jugo da escravidão." Gl 5,1
    Ele exortava-os fazendo lembrar o penhor do Espírito Santo, que nos é dado por Deus: "A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! Portanto já não és escravo, mas filho. E, se és filho, então também és herdeiro de Deus." Gl 4,7
    Garantia também aos romanos: "De agora em diante, pois, já não há nenhuma condenação para aqueles que estão em Jesus Cristo." Rm 8,1
    Pediu a São Timóteo: "Conserva-te puro." 1 Tm 5,22b
    E explicou esta obra que é realizada exclusivamente por Deus: "A lei do Espírito de Vida libertou-me, em Jesus Cristo, da lei do pecado e da morte. O que era impossível à Lei, visto que a carne a tornava impotente, Deus o fez. Enviando, por causa do pecado, o Seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne, a fim de que a justiça, prescrita pela Lei, fosse realizada em nós, que vivemos não segundo a carne, mas segundo o Espírito." Rm 8,2-4
    Pois, de fato, Jesus havia prometido: "Se, portanto, o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres." Jo 8,36
    Ele havia falado do poder do Espírito de Deus, após anunciar na sinagoga de Cafarnaum que Seu Corpo é o alimento para a Vida Eterna: "O Espírito é que vivifica, a carne de nada serve. As palavras que vos tenho dito são Espírito e Vida." Jo 6,63
    E atestando o poder de Sua Palavra, disse aos Apóstolos: "Vós já estais puros pela Palavra que vos tenho anunciado." Jo 15,3
    Mas também já havia ensinado aos judeus que n'Ele creram: "Respondeu Jesus: 'Em verdade, em verdade vos digo: todo homem que se entrega ao pecado é seu escravo.'" Jo 8,34
    Realmente tratava a possessão demoníaca como uma prisão, como desafiou os judeus numa sinagoga: "Esta filha de Abraão, que Satanás paralisava há dezoito anos, não devia ser livre desta prisão, em dia de sábado?" Lc 13,16
    E desde sempre cuidou de libertar todos O buscavam: "Descendo com eles, parou numa planície. Aí se achava um grande número de Seus discípulos e uma grande multidão de pessoas vindas da Judeia, de Jerusalém, da região marítima, de Tiro e Sidônia, que tinham vindo para ouvi-Lo e ser curadas das suas enfermidades. E os que eram atormentados por espíritos imundos ficavam livres." Lc 6,17-18
    Tal poder estava numa profecia de Isaías sobre Sua Pessoa, que ficou conhecida como o discurso inaugural de Sua vida pública, quando Ele declarou na sinagoga de Cafarnaum: "O Espírito do Senhor está sobre Mim, porque Me ungiu; e enviou-Me para anunciar a Boa Nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da Graça do Senhor." Lc 4,18-19
    E também na Santa Ceia ofereceu Seu Sacrifício pela Redenção das almas: "Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-O, partiu-O e o deu aos discípulos, dizendo: 'Tomai e comei, isto é Meu Corpo.' Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lhO, dizendo: 'Bebei dele todos, porque isto é Meu Sangue, o Sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.'" Mt 26,26-28
    Desde o início, portanto, exortava a todos ao Sacramento da Penitência: "Desde então, Jesus começou a pregar: 'Fazei penitência, pois o Reino dos Céus está próximo.'" Mt 4,17
    E deu esta diretriz aos Apóstolos, logo na primeira de suas missões: "Eles partiram e pregaram a penitência." Mc 6,12
    Mas recomendou vigília também ao grupo deles que Lhe era mais próximo, pouco antes de ser preso no Horto das Oliveiras: "Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca." Mt 26,41
    E após ressuscitar, transmitiu à Igreja a atribuição de reconciliar o povo com Deus: "Disse-lhes outra vez: 'A Paz esteja convosco! Como o Pai Me enviou, também Eu vos envio.' Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: 'Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.'" Jo 20,21-22


VENCER O PECADO

    Ainda no Antigo Testamento, o Eclesiástico já recomendava a total ruptura com o Mal: "Aquele que ama a Deus, roga-O pelo perdão de seus pecados e acautela-se para não cometê-los no porvir." Eclo 3,4
    Pois mesmo vivendo a plenitude da vida espiritual, São Paulo admite abertamente, perante os romanos, a fragilidade da carne: "Deleito-me na Lei de Deus, no íntimo do meu ser. Sinto, porém, nos meus membros outra lei, que luta contra a lei do meu espírito e me prende à lei do pecado, que está nos meus membros." Rm 7,22-23
    No entanto, também reconhece a gravidade da vida que levava anteriormente, e vê na Salvação a expressão do amor de Deus. Ele escreve a São Tito: "Porque também nós outrora éramos insensatos, rebeldes, transviados, escravos de paixões de toda espécie, vivendo na malícia e na inveja, detestáveis, odiando-nos uns aos outros. Mas um dia apareceu a bondade de Deus, Nosso Salvador, e Seu amor para com os homens." Tt 3,3-4
    E fala, com propriedade, da passagem de uma escravidão para outra: "Não sabeis que, quando vos ofereceis a alguém para lhe obedecer, sois escravos daquele a quem obedeceis, quer seja do pecado para a morte, quer da obediência para a justiça? Graças a Deus, porém, que, depois de terdes sido escravos do pecado, obedecestes de coração à regra da Doutrina na qual tendes sido instruídos. E, libertados do pecado, vos tornastes servos da justiça. Quando éreis escravos do pecado, éreis livres a respeito da justiça. Que frutos produzíeis então? Frutos dos quais agora vos envergonhais. O fim deles é a morte." Rm 6,16-18.20-21
    Faz mesmo um paralelo no qual desdenha da real escravidão e até da liberdade, opondo-as ao servir a Cristo: "Pois o escravo, que foi chamado pelo Senhor, conquistou a liberdade do Senhor. Da mesma forma, quem era livre por ocasião do chamado, fez-se escravo de Cristo. Por alto preço fostes comprados, não vos torneis escravos de homens." 1 Cor 7,22-23
    Jesus também usou essa conotação ao referir-Se aos verdadeiros cristãos: "Qual de vós, tendo um servo ocupado em lavrar ou em guardar o gado, quando voltar do campo lhe dirá: 'Vem depressa sentar-te à mesa'? E não lhe dirá ao contrário: 'Prepara-me a ceia, cinge-te e serve-me, enquanto como e bebo, e depois disto comerás e beberás tu'? E se o servo tiver feito tudo o que lhe ordenara, porventura fica-lhe o senhor devendo alguma obrigação? Assim também vós, depois de terdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: 'Somos servos como quaisquer outros; fizemos o que devíamos fazer.'" Lc 17,7-10
    Deu esta recomendação também aos Apóstolos, fundamentos de Sua Igreja: "Jesus, porém, chamou-os e disse-lhes: 'Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade. Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, se faça vosso servo. E o que quiser tornar-se entre vós o primeiro, se faça vosso escravo.'" Mt 20,25-27
    De fato, Ele realmente oferecia Seu Senhorio sobre nós: "Vinde a Mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e Eu vos aliviarei. Tomai Meu jugo sobre vós e recebei Minha Doutrina, porque Eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. Porque Meu jugo é suave e Meu peso é leve." Mt 11,28-30
    São Pedro entendeu-O muito bem "Comportai-vos como homens livres, e não à maneira dos que tomam a liberdade como véu para encobrir a malícia, mas vivendo como servos de Deus." 1 Pd 2,16
    Também São Paulo: "Embora livre de sujeição de qualquer pessoa, eu fiz-me servo de todos para ganhar o maior número possível." 1 Cor 9,19
    E ainda São Tiago Menor: "Sede submissos a Deus. Resisti ao demônio, e ele fugirá para longe de vós." Tg 4,7
    Pois essa é a essência da própria Missão de Jesus, como Ele disse: "Do mesmo modo, o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar Sua vida em resgate de uma multidão." Mt 20,28
    E ainda segundo Suas palavras, desta condição não há como fugir: "Em verdade, em verdade vos digo: o servo não é maior do que o Seu Senhor, nem o enviado é maior do que Aquele que o enviou." Jo 13,16
    Há, porém, a possibilidade de igualar-se ao Mestre: "O discípulo não é superior ao Mestre; mas todo discípulo perfeito será como o Seu Mestre." Lc 6,40
    E até de realizar maiores obras que as d'Ele: "Em verdade, em verdade vos digo: aquele que crê em Mim fará também as obras que Eu faço, e fará ainda maiores do que estas, porque vou para junto do Pai. E tudo o que pedirdes ao Pai em Meu Nome, vo-lo farei, para que o Pai seja glorificado no Filho." Jo 14,12-13
    Porque, enquanto mero ser humano, Ele dizia-se absolutamente impotente: "De Mim mesmo não posso fazer coisa alguma." Jo 5,30
    Nesta condição, confessou Sua total dependência do Pai: "Não credes que estou no Pai, e que o Pai está em Mim? As palavras que vos digo não as digo de Mim mesmo; mas o Pai, que permanece em Mim, é que realiza as Suas próprias obras." Jo 14,10
    E ensinou-nos a rezar no Pai Nosso: "E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do Mal." Mt 6,13
    Declinava, portanto, de Sua Divindade, e assim Se tornou modelo de obediência ao Pai. São Paulo observou: "Sendo Ele de condição divina, não Se prevaleceu de Sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a Si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-Se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-Se obediente até a morte, e morte de Cruz." Fl 2,6-8
    Mas, assim agindo, fazia tão somente o que havia recomendado aos Seus seguidores: "Em seguida, dirigiu-Se a todos: 'Se alguém quer vir após Mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-Me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem sacrificar a sua vida por amor a Mim, salvá-la-á." Lc 9,23-24
    E sempre em Comunhão com o Pai, enfrentando toda contrariedade, Ele venceu: "Saí do Pai e vim ao mundo. Agora deixo o mundo e volto para junto do Pai. No mundo haveis de ter aflições. Coragem! Eu venci o mundo." Jo 16,28.33b
    A Comunhão com Cristo, portanto, sob qualquer aspecto é imprescindível: "Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em Mim. Eu sou a Videira; vós, os ramos. Quem permanecer em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto; porque sem Mim nada podeis fazer." Jo 15,4-5
    Não há sequer como conhecer o Pai sem passar por Ele: "Todas as coisas Me foram dadas por Meu Pai; ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho quiser revelá-Lo." Mt 11,27
    Pois certamente seremos julgados em função do que nos foi revelado, como Ele ensinou. E assim se terá a medida das punições pelos pecados que não levam ao inferno: "O servo que, apesar de conhecer a vontade de Seu Senhor, nada preparou e lhe desobedeceu, será açoitado com numerosos golpes. Mas aquele que, ignorando a vontade de Seu Senhor, fizer coisas repreensíveis será açoitado com poucos golpes. Porque, a quem muito se deu, muito se exigirá. Quanto mais se confiar a alguém, dele mais se há de exigir." Lc 12,47-48
    Sem dúvida, se formos julgados como dignos de Deus mas ainda houver o que depurar, essa purificação final se dará pelo fogo, como disse São Paulo: "Agora, se alguém edifica sobre este fundamento, com ouro, ou com prata, ou com pedras preciosas, com madeira, ou com feno, ou com palha, a obra de cada um aparecerá. O Dia do Julgamento demonstrá-lo-á. Será descoberto pelo fogo; o fogo provará o que vale o trabalho de cada um. Se a construção resistir, o construtor receberá a recompensa. Se pegar fogo, arcará com os danos. Ele será salvo, porém passando de alguma maneira através do fogo." 1 Cor 3,12-15
    Quanto às revelações que devemos honrar, a própria passagem do Cristo entre nós já foi um sinal: "Se Eu não viesse e não lhes tivesse falado, não teriam pecado; mas agora não há desculpa para o seu pecado." Jo 15,22
    Por isso Ele condenava Sua geração: "No Dia do Juízo, os ninivitas se levantarão com esta geração e a condenarão, porque fizeram penitência à voz de Jonas. Ora, aqui está Quem é mais do que Jonas. No Dia do Juízo, a rainha do Sul se levantará com esta geração e a condenará, porque veio das extremidades da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. Ora, aqui está Quem é mais do que Salomão." Mt 12,41-42
    As cidades à margem do mar da Galileia, da mesma forma, já tiveram seus juízos: "Depois Jesus começou a censurar as cidades onde tinha feito grande número de Seus milagres, por terem recusado arrepender-se: 'Ai de ti, Corozaim! Ai de ti, Betsaida! Porque se tivessem sido feitos em Tiro e em Sidônia os milagres que foram feitos em vosso meio, há muito tempo elas se teriam arrependido sob o cilício e a cinza. Por isso vos digo: no Dia do Juízo, haverá menor rigor para Tiro e para Sidônia que para vós! E tu, Cafarnaum, serás elevada até o Céu? Não! Serás atirada até o inferno! Porque, se Sodoma tivesse visto os milagres que foram feitos dentro dos teus muros, subsistiria até este dia. Por isso te digo: no Dia do Juízo, haverá menor rigor para Sodoma do que para ti!'" Mt 11,20-24
    E disse também aos fariseus de Jerusalém, por ocasião da cura do cego de nascença: "Respondeu-lhes Jesus: 'Se fôsseis cegos, não teríeis pecado. Mas como dizeis ver, o vosso pecado subsiste.'" Jo 9,41
    Condenou-os, enfim, junto aos escribas, pela deformações religiosas que provocavam naqueles que eles convertiam: "Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Percorreis mares e terras para fazer um prosélito e, quando o conseguis, fazeis dele um filho do inferno duas vezes pior que vós mesmos." Mt 23,15
    Denunciou também os religiosos de Jerusalém que não O acolhiam: "Jesus replicou: 'Se Deus fosse vosso pai, vós Me amaríeis, porque Eu saí de Deus. Vós tendes como pai o demônio e quereis fazer os desejos de vosso pai. Ele era homicida desde o princípio e não permaneceu na Verdade, porque a Verdade não está nele. Quando diz a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas porque Eu vos digo a Verdade, não Me credes.'" Jo 8,42.44-45
    Ele desafiou-os: "Quem de vós Me acusará de pecado?" Jo 8,46a
    E em seguimento à Sua Missão, enviou também o Espírito Santo para convencer-nos da pecaminosa vida que vivemos: "Entretanto, digo-vos a verdade: convém a vós que Eu vá! Porque, se Eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se Eu for, vo-Lo enviarei. E, quando Ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do Juízo. Convencerá o mundo a respeito do pecado, que consiste em não crer em Mim." Jo 16,7-9
    Porque a obra do inimigo é exatamente ofuscar a Verdade, como Ele explicou na parábola do semeador: "O Semeador semeia a Palavra. Alguns se encontram à beira do caminho, onde ela é semeada; apenas a ouvem, vem Satanás tirar a Palavra neles semeada." Mc 4,14-15
    Quanto ao autêntico culto a Deus, deve emergir da alma. Foi o que Ele disse à samaritana, quando a ela Se revelou como Cristo: "Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e Verdade, e são esses adoradores que o Pai deseja. Deus é espírito, e os Seus adoradores devem adorá-lo em espírito e Verdade." Jo 4,23-24
    E falando sobre a autonomia de Deus na obra de nossa conversão, São Paulo exorta os filipenses: "Assim, meus caríssimos, vós que sempre fostes obedientes, trabalhai na vossa Salvação com temor e tremor, não só como quando eu estava entre vós, mas muito mais agora na minha ausência. Porque é Deus Quem, segundo o Seu beneplácito, realiza em vós o querer e o executar. Fazei todas as coisas sem murmurações nem críticas, a fim de serdes irrepreensíveis e inocentes, filhos de Deus íntegros no meio de uma sociedade depravada e maliciosa, onde brilhais como luzeiros no mundo, a ostentar a Palavra da Vida." Fl 2,12-16a
    Assim ele rezava pela santidade dos tessalonicenses: "O Deus da Paz vos conceda perfeita santidade. Que todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a Vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo!" 1 Ts 5,23
    Recomendava-a também aos romanos: "Mas agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes por fruto a santidade; e o termo é a Vida Eterna." Rm 6,22
    Explicava-se: "Ora, a aspiração da carne é a morte, enquanto a aspiração do espírito é a Vida e a Paz." Rm 8,6
    São Tiago Menor esmiúça, apontando as más inclinações da carne: "Ninguém, quando for tentado, diga: 'É Deus Quem me tenta.' Deus é inacessível ao Mal e não tenta a ninguém. Cada um é tentado pela sua própria concupiscência, que o atrai e alicia. A concupiscência, depois de conceber, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte." Tg 1,13-15
    Por isso ele proclama: "Feliz o homem que suporta a tentação. Porque, depois de sofrer a provação, receberá a Coroa da Vida que Deus prometeu aos que O amam." Tg 1,12
    O Apóstolo dos Gentios usava comparar os opostos: "Vou servir-me de linguagem corrente entre os homens, por causa da fraqueza da vossa carne: como pusestes os vossos membros a serviço da impureza e do Mal para cometer a iniquidade, assim ponde agora os vossos membros a serviço da justiça para chegar à santidade." Rm 6,19
    E evocando o Sacrifício da Cruz, seus seguidores complementavam: "Considerai atentamente, pois, Aquele que tantas contrariedades sofreu dos pecadores, e não vos deixeis abater pelo desânimo. Ainda não tendes resistido até o sangue na luta contra o pecado." Hb 12,3-4


MOVIDOS PELO ESPÍRITO DE DEUS

    São Paulo, portanto, apontava essa essencial condição para vencer: "Se alguém não possui o Espírito de Cristo, este não é d'Ele." Rm 8,9b
    Ele diz aos gálatas: "Não abuseis, porém, da liberdade como pretexto para prazeres carnais. Pelo contrário, fazei-vos servos uns dos outros pela caridade. Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis. Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus! Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, Paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei. Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito." Gl 5,13b.16-17.19-25
    Avisa da fragilidade que quem caiu em pecado e dos riscos presentes nestas situações: "Irmãos, se alguém for surpreendido numa falta, vós, que sois animados pelo Espírito, admoestai-o em espírito de mansidão. Mas tem cuidado de ti mesmo, para que também não caias em tentação!" Gl 6,1
    E adverte: "O que o homem semeia, isso mesmo colherá. Quem semeia na carne, da carne colherá a corrupção; quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a Vida Eterna." Gl 6,7b-8
    Ele explana a São Tito nossa regeneração como filhos de Deus: "E, não por causa de obras de justiça que tivéssemos praticado, mas unicamente em virtude de Sua Misericórdia, Ele salvou-nos mediante o Batismo da regeneração e renovação, pelo Espírito Santo, que nos foi concedido em profusão, por meio de Cristo, Nosso Salvador, para que a justificação obtida por Sua Graça nos torne, em esperança, herdeiros da Vida Eterna." Tt 3,5-7
    E cravou na Carta aos Romanos: "... pois todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus." Rm 8,14
    São João Evangelista vai dizer da libertação promovida por Jesus: "Mas a todos aqueles que O receberam, aos que creem no Seu Nome, deu-lhes o poder de tornarem-se filhos de Deus, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus." Jo 1,12-13
    O próprio Jesus exortou-nos à dignidade de filhos de Deus: "Portanto, sede perfeitos, assim como Vosso Pai Celeste é perfeito." Mt 5,48
    O Amado Discípulo, no entanto, pondera: "Caríssimos, desde agora somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. Sabemos que, quando isto se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porquanto O veremos como Ele é. E todo aquele que n'Ele tem esta esperança torna-se puro, como Ele é puro." 1 Jo 3,2-3
    Pois esta luta, como disse Jesus sobre as aflições deste mundo, encerra-se apenas com o Juízo Particular. Diz São Paulo: "Pois a Criação foi sujeita à vaidade (não voluntariamente, mas por vontade daquele que a sujeitou), todavia com a esperança de ser também ela libertada do cativeiro da corrupção, para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus. Pois sabemos que toda a Criação geme e sofre como que dores de parto até o presente dia. Não só ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a Redenção do nosso corpo." Rm 8,20-23
    E revela aos efésios: "Finalmente, irmãos, fortalecei-vos no Senhor, pelo Seu soberano poder. Revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do demônio. Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do Mal espalhadas nos ares. Tomai, por tanto, a armadura de Deus, para que possais resistir nos dias maus e manter-vos inabaláveis no cumprimento do vosso dever." Ef 6,10-13
    Alerta também aos coríntios: "Não quero que sejamos vencidos por Satanás, pois não ignoramos as suas maquinações." 2 Cor 2,11
    Convém, então, que abracemos decisivamente a Cruz, como esclareceu aos romanos: "Sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com Ele, para que seja reduzido à impotência o corpo outrora subjugado ao pecado, e já não sejamos escravos do pecado." Rm 6,9
    Ele recomenda a São Timóteo a companhia de verdadeiros cristãos: "Foge das paixões da mocidade, busca com empenho a justiça, a fé, a caridade, a Paz, com aqueles que invocam o Senhor com pureza de coração." 2 Tm 2,22
    Pois estava atento: "Não vos deixeis enganar: más companhias corrompem bons costumes." 1 Cor 15,33
    E como grande Graça a ser preservada, invoca a unção do Divino Paráclito: "Ou não sabeis que o vosso corpo é Templo do Espírito Santo, que habita em vós, o Qual recebestes de Deus e que, por isso mesmo, já não vos pertenceis?" 1 Cor 6,19
    São João Evangelista, de fato, diz que o Espírito de Deus é a marca que diferencia o verdadeiro cristão: "Quem observa os Seus Mandamentos permanece em Deus e Deus nele. É nisto que reconhecemos que Ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu." 1 Jo 3,24
    E assegura que Jesus veio efetivamente para tirar todo pecado: "Todo aquele que peca transgride a Lei, porque o pecado é transgressão da Lei. Sabeis que Jesus apareceu para tirar os pecados, e que n'Ele não há pecado. Todo aquele que permanece n'Ele não peca; e todo o que peca não O viu, nem O conheceu." 1 Jo 3,4-6
    Ora, este foi o testemunho do próprio São João Batista, o Arauto do Altíssimo, perante seus seguidores: "No dia seguinte, João viu Jesus que vinha a ele e disse: 'Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.'" Jo 1,29
    E São João Evangelista garante a efetividade de Sua unção, que realiza a verdadeira conversão: "Sabemos que aquele que nasceu de Deus não peca; pois o que é gerado de Deus se acautela, e o Maligno não o toca." 1 Jo 5,18
    Sem dúvida, em debate com Nicodemos Jesus foi taxativo: "Respondeu Jesus: 'Em verdade, em verdade te digo: quem não renascer da Água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito é espírito. Não te maravilhes de que Eu te tenha dito: Necessário vos é nascer de novo!'" Jo 3,5-7
    Por isso o Amado Discípulo diz com convicção: "Todo o que é nascido de Deus não peca, porque o germe divino reside nele; e não pode pecar, porque nasceu de Deus." 1 Jo 3,9
    Sobre os ensinamentos de Jesus, ele sentencia: "Aquele que diz conhecê-Lo e não guarda os Seus Mandamentos é mentiroso e a Verdade não está nele. Aquele, porém, que guarda a Sua Palavra, nele o amor de Deus é verdadeiramente perfeito. É assim que conhecemos se estamos n'Ele: aquele que afirma permanecer n'Ele deve também viver como Ele viveu." 1 Jo 2,4-6
    E sem rodeios afirma: "Aquele que peca é do demônio, porque o demônio peca desde o princípio. É nisto que se conhece quais são os filhos de Deus e quais os do demônio: todo o que não pratica a justiça não é de Deus, como também aquele que não ama o seu irmão." 1 Jo 3,8a.10
    Faz, porém, uma distinção: "Toda iniquidade é pecado, mas há pecado que não leva à morte." 1 Jo 5,17
    E oferece a Divina Consolação: "Filhinhos meus, isto vos escrevo para que não pequeis. Mas se alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo." 1 Jo 2,1 
    De toda escravidão, portanto, São Pedro acusa como gravíssima a condição dos que recaem no pecado e por heresias dão-se a perverter os que creem em Cristo: "Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Renegando assim o Senhor que os resgatou, eles atrairão sobre si uma ruína repentina. Muitos os seguirão nas suas desordens e serão deste modo a causa de o Caminho da Verdade ser caluniado. Movidos por cobiça, eles hão de explorar-vos por palavras cheias de astúcia. Têm os olhos cheios de adultério e são insaciáveis no pecar; seduzem por seus atrativos as almas inconstantes; têm o coração acostumado à cobiça; são filhos da maldição. Com palavras tão vãs quanto enganadoras, atraem pelas paixões carnais e pela devassidão aqueles que mal acabam de escapar dos homens que vivem no erro. Prometem-lhes a liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção, pois o homem é feito escravo daquele que o venceu." 2 Pd 2,1-3a.14.18-19
    Jesus mesmo sentenciou contra os que pervertem crianças: "Quem escandalizar um destes pequeninos que acreditam em Mim, melhor seria para ele pendurar uma pedra de moinho ao pescoço e ser lançado ao fundo do mar." Mt 18,6
    E São Paulo recomenda: "Procura esquivar-te das conversas frívolas dos mundanos, que só contribuem para a impiedade. As palavras dessa gente destroem como a gangrena. Contudo, o sólido fundamento de Deus mantém-se firme, porque vem selado com estas palavras: 'O Senhor conhece os que são Seus (Nm 16,5)'; e: 'Renuncie à iniquidade todo aquele que pronuncia o Nome do Senhor (Is 26,13).' Quem, portanto, se conservar puro e isento dessas más doutrinas, será um utensílio nobre, santificado, útil ao seu possuidor, preparado para todo uso benéfico." 2 Tm 22,16-17a.19.21
    Ele bem descreve aos coríntios a verdadeira condição de um cristão neste mundo: "Sabemos, com efeito, que ao se desfazer a tenda que habitamos neste mundo, recebemos uma casa preparada por Deus e não por mãos humanas, uma habitação eterna no Céu. Pois enquanto permanecemos nesta tenda, gememos oprimidos: desejamos ser não despojados, mas revestidos com uma veste nova por cima da outra, de modo que o que há de mortal em nós seja absorvido pela Vida. Aquele que nos formou para este destino é Deus mesmo, que nos deu por penhor o Seu Espírito. Por isso, estamos sempre cheios de confiança. Sabemos que todo o tempo que passamos no corpo é um exílio longe do Senhor. Andamos na e não na visão. Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausentar-nos deste corpo para ir habitar junto ao Senhor. É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-Lhe. Porque teremos de comparecer diante do tribunal de Cristo. Ali cada um receberá o que mereceu, conforme o bem ou o mal que tiver feito enquanto estava no corpo." 2 Cor 5,1.3-10
    O Príncipe dos Apóstolos, por fim, compara os tempos de então como os tempos passados: "Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas precipitou-os nos abismos tenebrosos do inferno onde os reserva para o Julgamento; se não poupou o mundo antigo, e só preservou oito pessoas, dentre as quais Noé, esse pregador da justiça, quando desencadeou o dilúvio sobre um mundo de ímpios; é porque o Senhor sabe livrar das provações os homens piedosos e reservar os ímpios para serem castigados no Dia do Juízo, principalmente aqueles que correm com desejos impuros atrás dos prazeres da carne e desprezam a autoridade. Audaciosos, arrogantes, não temem falar injuriosamente das Glórias..." 2 Pd 2,4-5.9-11
    E completa: "Humilhai-vos, pois, debaixo da poderosa mão de Deus, para que Ele vos exalte no tempo oportuno. Confiai-Lhe todas as vossas preocupações, porque Ele tem cuidado de vós. Sede sóbrios e vigiai. Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar. Resisti-lhe fortes na fé. Vós sabeis que os vossos irmãos, que estão espalhados pelo mundo, sofrem os mesmos padecimentos que vós. O Deus de toda Graça, que vos chamou em Cristo à Sua Eterna Glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vos fortificará." 1 Pd 5,6-10

    "Fazei de nós uma perfeita oferenda!"