quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Jesus: Repouso de Nossas Almas


    Descrente que o mundo anda da vida espiritual, até religiosos se esquecem que Jesus não nos prometeu conforto material nessa vida, mas consolação espiritual. Ele propõe: "Tomai Meu jugo sobre vós e recebei Minha Doutrina, porque Eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para vossas almas." Mt 11,29
    É a mesma oferta de Deus Pai, nas palavras de São Paulo: "Bendito seja Deus, o Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das Misericórdias, Deus de toda consolação..." 2 Cor 1,3
    E ainda segundo ele, Deus tem uma evidente preferência: "Deus, porém, que consola os humildes..." 2 Cor 7,6
    Essa também é uma das principais funções de Sua Palavra, como ele escreve aos romanos: "... e pela consolação que dão as Escrituras, tenhamos esperança." Rm 15,4
    Mas, claro, essa não é uma consolação qualquer. Ela prepara-nos para a eternidade: "Nosso Senhor Jesus Cristo e Deus, Nosso Pai, que nos amou e deu-nos eterna consolação..." 2 Ts 2,16
    Como prefigura do repouso em Cristo, a Terra Santa, prometida a Abraão, foi citada por Deus como 'Seu descanso' durante o Êxodo. Os seguidores da tradição de São Paulo argumentam recitando os Salmos: "Porque somos incorporados a Cristo, mas sob a condição de, até o fim, firme conservarmos nossa fé dos primeiros dias, enquanto se nos diz: 'Hoje, se ouvirdes Sua voz, não endureçais vossos corações como aconteceu no tempo da revolta.' E quais foram os que se revoltaram contra o Senhor depois de terem ouvido Sua voz? E a quem jurou o Senhor que não entrariam em Seu descanso, senão a estes rebeldes?" Hb 3,14-16a.18
    Esse repouso, portanto, é parte da Nova Aliança: "A Boa Nova foi trazida a nós como foi a eles. ... Deus, após muitos anos, por meio de Davi estabelece um novo dia, um hoje, ao pronunciar as palavras mencionadas: 'Hoje, se ouvirdes Sua voz, não endureçais vossos corações...' Por isso, resta um sabático repouso para o povo de Deus. E quem entrar nesse repouso descansará de suas obras, assim como Deus descansou das Suas. Apressemo-nos, pois, a entrar neste descanso para não cairmos, por nossa vez, na mesma incredulidade." Hb 4,1-2a.7.9-11
    Ele foi previsto pelo Profeta Sofonias como dádiva à Igreja, àqueles que abraçassem o Salvador: "Aqueles que restarem de Israel, abster-se-ão do Mal e não proferirão a mentira. Em sua boca não mais se achará enganosa língua, porque serão apascentados e repousarão sem haver quem os inquiete." Sf 3,13
    O Eclesiástico, dele falando, revelou um imponderado contraste: "Filho, realiza teus trabalhos com mansidão e serás mais amado que um generoso homem." Eclo 3,19
    Jesus também expressou as benesses de quem cultua essa Graça: "Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra!" Mt 5,5
    Prometeu consolação: "Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados!" Mt 5,4
    E foi isso que Ele determinou a São Pedro, Seu Sumo Pontífice, confiando-lhe de cordeiros a ovelhas, isto é, de fiéis a Sacerdotes, todo Seu rebanho, em distintas designações: "Apascenta Meus cordeiros. Apascenta Minhas ovelhas." Jo 21,15b.17b
    Para Sofonias, porém, apenas os humildes estariam à disposição do Pai. Ele aconselha: "Procurai Javé, todos pobres da terra. Vós que obedeceis a Seus Mandamentos, procurai a justiça, procurai a pobreza. Talvez assim acheis refúgio no Dia da ira de Javé." Sf 2,3
    Pois o Divino Espírito, que gera e instrui os filhos de Deus, não nos acoberta em qualquer situação, como ensina o livro da Sabedoria: "... o Espírito Santo Educador das almas fugirá da perfídia, afastar-se-á dos insensatos pensamentos, e a iniquidade que sobrevém O repelirá." Sb 1,5
    Porque a Verdade é que a Vida está em nossas almas, não em nossa carne. Foi o que disse Jesus: "O Espírito é que vivifica, a carne de nada serve." Jo 6,63
    Assim foi que São Paulo atestou a ressurreição, por ele mesmo realizada, de um cristão de Trôade, que havia caído do terceiro andar durante sua pregação: "Paulo desceu, debruçou-se sobre ele, tomou-o nos braços e disse: 'Não vos perturbeis, porque sua alma está nele.'" At 20,10
    Episódio, aliás, que bem lembra a ressurreição realizado por Elias, do filho da viúva de Sarepta de Sidon: "Estendeu-se, em seguida, sobre o menino por três vezes, de novo invocando o Senhor: 'Senhor, Meu Deus, rogo-vos que a alma deste menino volte a ele.' O Senhor ouviu a oração de Elias: a alma do menino voltou a ele, e ele recuperou a vida." 1 Rs 17,21-22
    Jesus, pois, dava muito mais importância à existência além da carne: "Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes temei Aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena." Mt 10,28
    Sem dúvida, Deus é, antes de tudo, o Pai de nossas almas. Os seguidores da tradição de São Paulo disseram: "Aliás, na terra temos nossos pais que nos corrigem e, no entanto, olhamo-os com respeito. Com quanto mais razão nos havemos de submeter ao Pai de nossas almas, o Qual nos dará a Vida?" Hb 12,9
    Assim foi que Nossa Senhora louvou a Deus no Magnificat: "E Maria disse: 'Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, Meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, todas gerações, proclamá-me-ão bem-aventurada, porque em mim realizou maravilhas Aquele que é poderoso, e Cujo Nome é Santo.'" Lc 1,46-49
    São Tiago Menor, ao falar sobre Salvação, refere-se exclusivamente às almas: "Rejeitai, pois, toda impureza e todo vestígio de malícia e recebei com mansidão a Palavra em vós semeada, que pode salvar vossas almas." Tg 1,21
    O mesmo diz São Pedro: "Este Jesus, vós amai-Lo sem O terdes visto. N'Ele credes ainda sem O verdes, e isto é para vós a fonte de uma inefável e gloriosa alegria, porque vós estais certos de obter, ao preço de vossa , a Salvação de vossas almas." 1 Pd 1,8-9
    São Paulo, em caso extremo, chega a recomendar que se abandone um mau cristão ao poder do inimigo, em tentativa de salvar-lhe a alma: "... seja esse homem entregue a Satanás para mortificação de seu corpo, a fim de que sua alma seja salva no Dia do Senhor Jesus." 1 Cor 5,5
    Com razão, Jesus é Nosso Pastor, mas prioritariamente Pastor das necessidades de nossas almas. É o que São Pedro afirma em Carta Apostólica: "Porque éreis como desgarradas ovelhas, mas agora retornastes ao Pastor e Guarda de vossas almas." 1 Pd 2,25
    No mesmo sentido, conforme o salmista, Deus Pai cuida dos anseios espirituais dos justos: "O Senhor ama aqueles que detestam o mal, vela pelas almas de Seus servos e livra-os das mãos dos ímpios." Sl 96,10
    E, a bem da verdade, devemos estar atentos à suposta prosperidade de algumas pessoas, pois não é Deus que promove sucesso meramente material, nem as ambições dos ímpios. Foi o testemunho do cego de nascença curado por Jesus: "Sabemos, porém, que Deus não ouve a pecadores, mas atende a quem Lhe presta culto e faz Sua vontade." Jo 9,31
    Por isso, devemos conhecer a verdadeira Doutrina de Cristo, e assim nos afastar dos falsos mestres e dos amantes do dinheiro. Em carta a São Tito, São Paulo prescreveu como devem portar-se nossos Sacerdotes: "Ao contrário, seja hospitaleiro, amigo do bem, prudente, justo, piedoso, continente, firmemente apegado à Doutrina da fé tal como foi ensinada, para poder exortar segundo a Sã Doutrina e rebater aqueles que a contradizem. Com efeito, há muitos insubmissos, charlatães e sedutores, principalmente entre os da circuncisão. É necessário tapar-lhes a boca, porque transtornam famílias inteiras ensinando o que não convém, e isso por vil espírito de lucro." Tt 1,8,11


A SANTIFICAÇÃO DA ALMA

    Antiga revelação, como alertava um amigo de Jó, Deus sempre faz-Se presente para salvar-nos primeiro a alma, e para tanto, ocasionalmente, também a vida terrena: "Pois Deus fala de uma maneira e de outra, e não prestas atenção. Por meio dos sonhos, de noturnas visões, quando um profundo sono pesa sobre os humanos, enquanto o homem está adormecido em seu leito, então abre o ouvido do homem e assusta-o com Suas aparições, a fim de desviá-lo do pecado e preservá-lo do orgulho, para salvar-lhe a alma do fosso, e sua vida, da mortífera seta." Jo 33,14-18
    De fato, bem antes de Jesus já éramos informados de que o Pai Celeste nos afasta das verdadeiras tribulações: as espirituais. Está no livro da Sabedoria: "Mas as almas dos justos estão na mão de Deus, e nenhum tormento os tocará." Sb 3,1
    O que é muito pertinente, pois é em nossas almas que padecemos os maiores tormentos, como os Salmos dizem sobre os grandes temores: "... suas almas definhavam em angústias." Sl 106,26
    E falando pelo Cristo e pelo projeto que por Ele viria a nós, o salmista já garantia: ""Por isso, Meu Coração alegra-se e Minha Alma exulta. Até Meu Corpo descansará seguro, porque vós não abandonareis Minha Alma na habitação dos mortos, nem permitireis que Vosso Santo conheça a corrupção. Vós ensiná-Me-eis o Caminho da Vida, há abundância de alegria junto a Vós, e eternas delícias à Vossa direita." Sl 15,19-11
    Assim, os sofrimentos causados por mundanas forças não devem ser razão de grande tristeza. Ao contrário, devem ser motivo da verdadeira alegria, sinal de que estamos no certo caminho, como aconteceu com a Igreja ao cair nas mãos dos judeus de Jerusalém, pouco depois do Pentecostes: "Chamaram os Apóstolos e mandaram açoitá-los. Ordenaram-lhes, então, que não mais pregassem em Nome de Jesus e soltaram-nos. Eles saíram da sala do Grande Conselho cheios de alegria, por terem sido achados dignos de sofrer afrontas pelo Nome de Jesus." At 5,40-41
    Por isso, São Pedro recomenda que confiantemente entreguemos nossas almas nas mãos de Deus: "Assim também aqueles que sofrem segundo a vontade de Deus, encomendem suas almas ao Fiel Criador, praticando o bem." 1 Pd 4,19
    Esse, de fato, é o Caminho da Salvação, pelo qual São Paulo, junto a todos Santos, foi ainda mais além: tal qual Jesus, entregou-se por completo em sacrifício pela alma de seus semelhantes. Ele registrou na Segunda Carta aos Coríntios: "De mui boa vontade darei o que é meu, e dar-me-ei a mim mesmo por vossas almas, ainda que, mais vos amando, seja menos amado por vós." 2 Cor 12,15
    E aproximar-se de Deus é aproximar-se também das santas almas, que chegaram à perfeição. Os seguidores da tradição do Apóstolo dos Gentios ensinam: "Vós, ao contrário, aproximaste-vos da montanha de Sião, da cidade do Deus Vivo, da Jerusalém celestial, das miríades de anjos, da festiva assembléia dos primeiros inscritos no livro dos Céus, e de Deus, Universal Juiz, e das almas dos justos que chegaram à perfeição, enfim, de Jesus, o Mediador da Nova Aliança, e do Sangue da aspersão, que com mais eloquência fala que o sangue de Abel." Hb 12, 22-24
    Ora, as almas dos Santos já estão diante de Deus e a Ele intercedem por justiça, como São João Evangelista viu: "Quando abriu o quinto selo, debaixo do altar vi as almas dos homens imolados por causa da Palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. E clamavam em alta voz, dizendo: 'Até quando Tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar nosso sangue contra os habitantes da terra?'" Ap 6,9-10
    Os Santos, portanto, em espírito já estão nos Céus, embora ainda não em corpo, e lá recebem tronos e poder de julgar, além de interceder por nós: "Também vi tronos, sobre os quais se assentaram aqueles que receberam o poder de julgar: eram as almas dos que foram decapitados por causa do testemunho de Jesus e da Palavra de Deus..." Ap 20,4
    Poder que está em vigor já neste mundo, como Jesus prometeu, porque após o Juízo Final não haverá nações pagãs: "Então, ao vencedor, ao que praticar Minhas obras até o fim, dá-lhe-ei poder sobre as nações pagãs. Ele regê-las-á com cetro de ferro, como se quebra um vaso de argila..." Ap 2,26-27
    Por tão grande responsabilidade, a Igreja e Seus Sacerdotes, além de nossa confiança, merecem nosso mais profundo respeito e gratidão: "Sede submissos e obedecei aos que vos guiam, pois eles velam por vossas almas e delas devem dar conta." Hb 13,17
    São Paulo pede aos tessalonicenses: "Suplicamo-vos, irmãos, que reconheçais aqueles que arduamente trabalham entre vós para dirigir-vos no Senhor e admoestar-vos. Tende para com eles singular amor, em vista do cargo que exercem. Conservai a Paz entre vós." 1 Ts 5,12-13
    Afirmativamente, os Sacerdotes são representantes de Deus, que d'Ele recebem e comunicam-nos a Divina Sabedoria: "Ela derrama-se de geração em geração nas santas almas e forma os amigos e os intérpretes de Deus, porque Deus só ama quem vive com a Sabedoria!" Sb 7,27-28
    Com efeito, após ungidos, os dons que eles recebem não podem ser maculados por suas condutas, e assim os Sacramentos que ministram são sempre válidos, como São Paulo afirma: "Pois os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis." Rm 11,29
    O próprio Jesus garantiu aos Apóstolos: "Não fostes vós que Me escolhestes, mas Eu escolhi-vos e constituí-vos para que vades e produzais fruto, e vosso fruto permaneça." Jo 15,16a
    São Paulo até questiona: "Quem poderia acusar os escolhidos de Deus? É Deus Quem os justifica." Rm 8,33
    Devemos, portanto, receber da Igreja o Evangelho de Deus e confiar. E por mais difícil que seja de entender, em hipótese alguma podemos entregar-nos ao pecado: "Em verdade, grandes e impenetráveis são Vossos juízos, Senhor! Por isso, grosseiras almas caíram no erro." Sb 17,1
    Jamais podemos perder-nos pelos caminhos dos insensatos: "... eles desconhecem os segredos de Deus, não esperam que a santidade seja recompensada, e não acreditam na glorificação das puras almas." Sb 2,22
    É exatamente isso que pedimos no Pai Nosso: "... e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do Mal." Mt 6,13
    Perfeitamente ciente do perigo, São Paulo adverte os gálatas: "Irmãos, se alguém for surpreendido numa falta, vós, que sois animados pelo Espírito, admoestai-o em espírito de mansidão. E tem cuidado de ti mesmo, para que também não caias em tentação!" Gl 6,1
    Devemos buscar, pelas virtudes que nos concede o Espírito de Deus, a Divina Luz. Pois, segundo o Eclesiástico: "... essa Sabedoria, impenetrável às fracas almas." Eclo 24,38
    Porque muitos que se encontram ao sabor das incertezas, segundo São Pedro acabam sendo arrastados por más companhias dentro da própria Igreja: "Mas estes, quais brutos pela lei natural destinados a presa e à perdição, injuriam o que ignoram, e assim da mesma forma perecerão. Este será o salário de sua iniquidade. Encontram suas delícias em entregar-se em pleno dia às suas libertinagens. Pervertidos e imundos homens, sentem prazer em enganar enquanto se banqueteiam convosco. Têm os olhos cheios de adultério e são insaciáveis no pecar. Seduzem por seus atrativos as inconstantes almas, têm o coração acostumado à cobiça, são filhos da maldição..." 2 Pd 2,14
    São Paulo também alerta: "Não vos deixeis enganar: más companhias corrompem bons costumes. Despertai como convém, e não pequeis! Porque alguns vivem na total ignorância de Deus. Para vossa vergonha digo-o." 1 Cor 15,33-34
     E expressamente recomenda a São Timóteo que não abandone nossa Santa Missa: "Foge das paixões da mocidade, busca com empenho a justiça, a fé, a caridade, a Paz, em companhia daqueles que invocam o Senhor com pureza de coração." 2 Tm 2,22
    Para com aqueles que estão fora da Igreja, ele aconselha: "Rejeita as tolas e absurdas discussões, visto que geram contendas. Não convém a um servo do Senhor altercar. Bem ao contrário, seja ele condescendente com todos, capaz de ensinar, paciente em suportar os males. É com brandura que deve corrigir os adversários, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento e o conhecimento da Verdade, e voltem a si, uma vez livres dos laços do demônio, que os mantém cativos e submetidos a seus caprichos." 2 Tm 2,23-26
    Se olharmos para o mundo com Sabedoria, portanto, invariavelmente vamos concluir o mesmo que o sagrado autor: "Tudo está em completa confusão: sangue, homicídio, furto, fraude, corrupção, deslealdade, revolta, perjúrio, perseguição dos bons, esquecimento dos benefícios, contaminação das almas, perversão dos sexos, instabilidade das uniões, adultérios e impudicícias..." Sb 14,25-26
    E são estes pecados que arrastam a alma para o inferno, conforme o Eclesiástico: "Foge do pecado como se foge de uma serpente, porque, se dela te aproximares, ela mordê-te-á. Seus dentes são dentes de leão, que matam as almas dos homens." Eclo 21,2-3
    O Juízo Final, pois, será o dia da Verdade para as almas. Com efeito, como justo pagamento, cada um receberá "... seu fruto, no Dia da retribuição das almas." Sb 3,13

    "Salvador do mundo, salvai-nos, Vós que nos libertastes pela Cruz e Ressurreição!"