terça-feira, 25 de setembro de 2018

O Inimigo e Seus Maus Espíritos


    Como bem demonstra toda presunção e promiscuidade que devassam a humanidade, São Paulo alerta para as poderosas classes de anjos caídos que enfrentamos, inicialmente na forma de tentações: "Revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do demônio. Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste tenebroso mundo, contra as forças espirituais do mal espalhadas nos ares. Sobretudo, embraçai o escudo da , com que possais apagar todos inflamados dardos do Maligno." Ef 6,11-12.26
    E eles não seriam poucos, segundo alguns teólogos, que viram um terço de todos anjos seguindo Satanás neste registro de São João Evangelista: "Depois apareceu outro sinal no Céu: um grande e vermelho Dragão, com sete cabeças e dez chifres, e nas cabeças sete coroas. Varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu, e atirou-as à terra." Ap 12,3-4
    São Paulo assim alertava para que não nos portássemos com demasiada inocência: "Não quero que sejamos vencidos por Satanás, pois não ignoramos suas maquinações." 2 Cor 2,11
    De fato, é bem sabido que no deserto o inimigo tentou o próprio Jesus: "Cheio do Espírito Santo, voltou Jesus do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto, onde foi tentado pelo demônio durante quarenta dias. Durante este tempo Ele nada comeu, e terminados estes dias teve fome." Lc 4,1-2
    E como nada conseguiu, com astúcia aguardou oportunidade para tentá-Lo novamente: "Depois de assim tê-Lo tentado de todos modos, o demônio d'Ele apartou-se até outra ocasião." Lc 4,13
    Ora, se o inimigo tentou o Cristo, também tentaria destruir a Igreja na pessoa de São Pedro e dos demais Apóstolos. Jesus alertou-o: "Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para peneirar-vos como o trigo." Lc 22,31
    Mas como Ele tinha em São Pedro Sua ponte com a Terra, por ele rezou ao Pai: "... mas Eu roguei por ti, para que tua confiança não desfaleça. E tu, por tua vez, confirma teus irmãos." Lc 22,32
    Nosso Salvador já havia prometido, na pessoa de Pedro, absoluta proteção à Sua Igreja: "E Eu declaro-te: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei Minha Igreja. As portas do inferno não prevalecerão contra ela." Mt 16,18
    E na Oração da Unidade, pelos fiéis invocou a proteção do Pai: "Não peço que os tires do mundo, mas sim que os preserves do Mal." Jo 17,15
    Falava, porém, de obediência: "Minhas ovelhas ouvem Minha voz, Eu conheço-as e elas seguem-Me. Eu dou-lhes a Vida Eterna. Elas jamais hão de perecer, e ninguém as roubará de Minha mão." Jo 10,27-28
    E assim descreveu o objetivo do demônio, em oposição ao Seu, de Bom Pastor: "O lobo rouba e dispersa as ovelhas." Jo 10,12b
    Ele também havia preparado os Apóstolos para esse enfrentamento, desde a convocação deles: "Reunindo Jesus os Doze Apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos demônios..." Lc 9,1
    Com efeito, os Doze e um grupo ainda maior logo verificaram o poder da santidade, que só se exerce em função de Seu Santo Nome: "Voltaram alegres os setenta e dois, dizendo: 'Senhor, até os demônios submetem-se a nós em Teu Nome!'" Lc 10,17
    Jesus, pois, vai confirmar nessas missões, através da resistência humana aos pecados, o início da derrota do inimigo: "Jesus disse-lhes: 'Vi Satanás cair do Céu como um raio.'" Lc 10,18
    No livro de Apocalipse, São João Evangelista assim narra a definitiva vitória de Jesus sobre o pecado: "Houve uma batalha no Céu. Miguel e seus anjos tiveram de combater o Dragão. O Dragão e seus anjos travaram combate, mas não prevaleceram. E para eles já não houve lugar no Céu. Então foi precipitado o grande Dragão, a primitiva Serpente, chamado Demônio e Satanás, o sedutor do mundo inteiro. Foi precipitado na terra, e com ele seus anjos. Eu ouvi no Céu uma forte voz que dizia: 'Agora chegou a Salvação, o poder e a realeza de Nosso Deus, assim como a autoridade de Seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que dia e noite os acusava diante de Nosso Deus. Por isso, alegrai-vos, ó Céus, e todos que aí habitais. Mas, ó terra e mar, cuidado! Porque o Demônio desceu para vós, cheio de grande ira, sabendo que pouco tempo lhe resta.'" Ap 12,7-10.12
    Sim, para nossa ciência e exemplo, e principalmente para mostrar que é possível, foi na carne que Jesus derrotou o pecado. São Paulo afirma: "Enviando, por causa do pecado, Seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne, a fim de que a justiça prescrita pela Lei fosse realizada em nós, que vivemos não segundo a carne, mas segundo o Espírito." Rm 8,3b-4
    Ademais, assim como o livro de Jó, o Profeta Zacarias descreve o inimigo como acusador, que neste mundo perturba e fustiga a consciência dos pecadores, mesmo por pecados já perdoados: "O Senhor mostrou-me o sumo sacerdote Josué, de pé diante do anjo do Senhor; Satã estava à sua direita, como acusador." Zc 3,1
    E por ter sido precipitado à Terra, São João diz-nos sobre o mundo a partir de então: "... todo espírito que não proclama Jesus, esse não é de Deus, mas é o espírito do Anticristo, de cuja vinda tendes ouvido e já está agora no mundo." 1 Jo 4,3
    Ele assim resume a Encarnação de Cristo: "Eis porque o Filho de Deus Se manifestou: para destruir as obras do demônio." 1 Jo 3,8b
    De fato, ao proclamar a instauração do Reino de Deus, pouco antes de Sua Paixão, Jesus havia dado Sua Sentença: "Agora é o Juízo deste mundo! Agora será lançado fora o príncipe deste mundo! E quando Eu for levantado da terra, a Mim atrairei todos homens." Jo 12,31-32
    Ele já havia advertido os fariseus: "Mas se é pelo Espírito de Deus que Eu expulso demônios, então chegou para vós o Reino de Deus." Mt 12,28
    E São Pedro testemunhava como Ele o fez, em pregação aos primeiros não judeus a serem convertidos: "Ele andou fazendo o bem e curando a todos que estavam dominados pelo demônio, porque Deus estava com Ele." At 10,38b
    Falando aos Apóstolos, Jesus confirmou a ação do inimigo no mundo e como ele conquista seguidores. Mas note-se que o demônio, apesar de atrapalhar, não impedirá a total instauração do Reino de Deus: "O que semeia a boa semente é o Filho do Homem. O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do Reino. O joio são os filhos do Maligno. O inimigo, que o semeia, é o demônio. A colheita é o fim do mundo. Os ceifadores são os anjos. E assim como se recolhe o joio para jogá-lo no fogo, assim será no fim do mundo. O Filho do Homem enviará Seus anjos, que de Seu Reino retirarão todos escândalos e todos que fazem o mal, e lançá-los-ão na ardente fornalha onde haverá choro e ranger de dentes." Mt 13,37-42


RESISTIR AO MAL

    Entretanto, como os Apóstolos ainda vacilavam na fé, nem toda espécie de demônio lhes eram submisso: "Então os discípulos perguntaram-Lhe em particular: 'Por que não pudemos nós expulsar este demônio?' Jesus respondeu-lhes: 'Por causa de vossa falta de fé. ... Quanto a esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum." Mt 17,19-20
    Outro discípulo, porém, ainda que de perto não acompanhasse Jesus, também se mostrava capaz de expulsar imundos espíritos: "João disse-Lhe: 'Mestre, vimos alguém, que não nos segue, expulsar demônios em Teu Nome, e proibimo-lho.' Jesus, porém, disse-lhe: 'Não lho proibais, porque não há ninguém que faça um prodígio em Meu Nome e em seguida possa falar mal de Mim. Pois quem não é contra Nós, é a Nosso favor.'" Mc 9,38-40
    Analogamente, São Paulo, mesmo sem ter conhecido Jesus 'em vida', apenas por aparições, como perfeito ministro da Igreja realizou exorcismo: "Certo dia, quando íamos à oração, eis que nos veio ao encontro uma moça escrava que tinha o espírito de Pitão, a qual com suas adivinhações dava muito lucro a seus senhores. Pondo-se a seguir a Paulo e a nós, gritava: 'Estes homens são servos do Deus Altíssimo, que vos anunciam o Caminho da Salvação.' Repetiu isto por muitos dias. Por fim, Paulo enfadou-se. Voltou-se para ela e disse ao espírito: 'Ordeno-te em Nome de Jesus Cristo que saias dela'. E na mesma hora ele saiu." At 16,18
    Para o bem da Igreja, até usou do extremo recurso da excomunhão: "Pois eu, em verdade, ainda que corporalmente distante, mas em espírito presente, já julguei, como se presente estivesse, aquele que assim se comportou. Em Nome do Senhor Jesus, reunidos vós e meu espírito, com o poder de Nosso Senhor Jesus, seja esse homem entregue a Satanás, para mortificação do seu corpo, a fim de que sua alma seja salva no Dia do Senhor Jesus." 1 Cor 5,3-5
    E advertia dos poderes de que dispõe o Reino de Sacerdotes: "Não são carnais as armas com que lutamos. São poderosas, em Deus, capazes de arrasar fortificações. Nós aniquilamos todo raciocínio e todo orgulho que se levanta contra o conhecimento de Deus, e cativamos todo pensamento e reduzimo-lo à obediência a Cristo." 2 Cor 10,4-5
    Pedia prudência, pois, na escolha dos Sacerdotes, e especialmente dos bispos de então: "Importa, outrossim, que goze de boa consideração por parte dos de fora, para que não se exponha ao desprezo e assim caia em diabólicas ciladas." 1 Tm 3,7b
    Assim como para com aqueles que se opõem á Sã Doutrina: "É com brandura que devemos corrigir os adversários, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento e o conhecimento da Verdade, e voltem a si, uma vez livres dos laços do demônio, que os mantém cativos e submetidos a seus caprichos." 2 Tm 2,25-26
    E aconselhava total fidelidade ao Rei dos reis: "Nenhum soldado pode implicar-se em negócios da vida civil, se quer agradar Àquele que o alistou." 2 Tm 2,4
    São Tiago Menor já havia percebido como devemos combater: "Sede submissos a Deus. Resisti ao demônio, e ele fugirá para longe de vós." Tg 4,7
    Mas há aqueles que, dizendo trabalhar em Nome de Deus, embora não passem de falsos mestres divulgando vãs doutrinas, segundo o próprio Jesus não serão reconhecidos no Dia do Juízo: "Nem todo aquele que Me diz: 'Senhor, Senhor,' entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade de Meu Pai que está nos Céus. Muitos Me dirão naquele dia: 'Senhor, Senhor, não pregamos nós em Vosso Nome, e não foi em Vosso Nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres?' E, no entanto, Eu dir-lhes-ei: 'Nunca vos conheci. Retirai-vos de Mim, maus operários!'" Mt 7,21-23
    Em muitos casos, essa condenação se dará claramente porque são amantes do dinheiro, e não praticam a gratuidade que Ele recomendou: "Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. Dai de graça o que de graça recebestes!" Mt 10,8
    Com efeito, como apontava São Paulo, a ganância e a soberba é principal causa da perdição de muitos falsos profetas e seus seguidores: "Porque a raiz de todos males é o amor ao dinheiro. Acossados pela cobiça, alguns se desviaram da e enredaram-se em muitas aflições." 1 Tm 6,10
    Em carta a São Tito, sendo ainda mais contundente quanto a esse pecado, ele acusa os deturpadores da Palavra, que não passam de preguiçosos, desonestos, mentirosos e semeadores de contendas a confundir o povo de Deus: "É necessário tapar-lhes a boca, porque transtornam famílias inteiras ensinando o que não convém, e isso por vil espírito de lucro. Proclamam que conhecem a Deus, mas na prática O renegam, detestáveis que são, rebeldes e incapazes de qualquer boa obra." Tt 1,11.16
    Jesus também denunciou aqueles que, num misto de ignorância e arrogância, apegam-se a doutrinas humanas, a ponto de contrariar os ensinamentos do próprio Cristo: "Então aproximaram-se d'Ele Seus discípulos e disseram-Lhe: 'Sabes que os fariseus se escandalizaram com as palavras que ouviram?' Jesus respondeu: 'Toda planta que Meu Pai Celeste não plantou será arrancada pela raiz. Deixai-os. São cegos e guias de cegos. Ora, se um cego conduz a outro, tombarão ambos na mesma vala.'" Mt 15,12-14
    Muitos, aliás, de tão dominados que estão pelo Maligno, sequer reconhecem o poder de Jesus, como aconteceu com os chefes dos judeus. E chegam a associá-Lo ao próprio inimigo! É quando Nosso Salvador vai acusar e condenar aqueles que semeiam divisão, pois combatem a própria Revelação e assim a unidade da fé: "Mas alguns deles disseram: 'Ele expele os demônios por Beelzebul, príncipe dos demônios.' Penetrando em seus pensamentos, disse-lhes Jesus: 'Todo reino dividido contra si mesmo será destruído, e seus edifícios cairão uns sobre os outros. Se, pois, Satanás está dividido contra si mesmo, como subsistirá seu reino? Pois dizeis que expulso os demônios por Beelzebul. Quando um homem forte e armado guarda sua casa, estão em segurança os bens que possui. Mas se sobrevier outro mais forte que ele e vencê-lo, este lhe tirará todas armas em que confiava e repartirá seus despojos. Quem não está Comigo, está contra Mim; quem não recolhe comigo, espalha.'" Lc 11,15.17-18.21-23
    De fato, aqueles que não praticam a Verdade e vivem para as glórias do mundo, não podem viver a caridade e a divina justiça, como Jesus acusou: "Vós tendes como pai o demônio e quereis fazer os desejos de vosso pai. Ele era homicida desde o princípio e não permaneceu na Verdade, porque a Verdade não está nele. Quando diz a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira." Jo 8,44
    Mas Deus preparou um destino para os que não aceitam Seu Reino, como afirmou Jesus: "Voltar-Se-á em seguida para os da Sua esquerda e dir-lhes-á: 'Retirai-vos de Mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos.'" Mt 25,41
    Por isso, para revelar o poder da justiça de Deus, Jesus enviou ao mundo o Espírito Santo: "... Ele convencerá o mundo a respeito do Juízo, que consiste em que o príncipe deste mundo já está julgado e condenado." Jo 16,11


O PODER DO MALIGNO

    Numa aparição, ao explicar a São Paulo qual seria sua missão, Jesus deixou claro que o inimigo tem poder: "... a fim de que se convertam das trevas à Luz, e do poder de Satanás a Deus, para que, pela fé em Mim, recebam perdão dos pecados e herança entre os que foram santificados." At 26,18
    Deve-se entender que Ele não estava falando em figurado sentido: isso realmente é muito sério. Por isso, pouco antes de voltar ao Pai, Ele advertiu os Apóstolos de graves tempos que viriam após sua partida enquanto Luz do mundo: "Enquanto for dia, cumpre-Me terminar as obras d'Aquele que Me enviou. Virá a noite, na qual já ninguém pode trabalhar." Jo 9,4
    E avisou da total oposição que o demônio faria às Suas obras: "Já não falarei muito convosco, porque vem o príncipe deste mundo. Mas ele não tem nada em Mim." Jo 14,30
    Principalmente contra a Igreja, como vimos desde quando representada por São Pedro. São João Evangelista registra o que aconteceu após a batalha de São Miguel, quando o inimigo pôs-se a combater Nossa Senhora e seus filhos: "O Dragão, vendo que fora precipitado na terra, perseguiu a Mulher que dera à luz o Menino. Mas à Mulher foram dadas duas asas de grande águia, a fim de voar para o deserto, para o lugar de seu retiro, onde é alimentada por um tempo, dois tempos e a metade de um tempo, fora do alcance da cabeça da Serpente. A Serpente vomitou contra a Mulher um rio de água, para fazê-la submergir. A terra, porém, acudiu à Mulher, abrindo a boca para engolir o rio que o Dragão vomitara. Este, então, irritou-se contra a Mulher e foi fazer guerra ao resto de sua descendência, aos que guardam os Mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus." Ap 12,13-17
    Eis como São Paulo o apresenta: "... o adversário, aquele que se levanta contra tudo que é divino e sagrado, a ponto de tomar lugar no Templo de Deus e apresentar-se como se fosse Deus." 2 Ts 2,4
    Quanto à vida que levavam os recém-convertidos de então, e ainda levam os não-convertidos de hoje, ele assim se referia: "E vós estáveis mortos por vossas faltas, pelos pecados que cometestes outrora seguindo o modo de viver deste mundo, do príncipe das potestades do ar, do espírito que agora atua nos rebeldes." Ef 2,1-2
    Já São João Evangelista, com sua peculiar acuidade, diz com todas as letras: "Aquele que peca é do demônio, porque o demônio peca desde o princípio." 1 Jo 3,8a
    E mencionando um estranho poder dado por Deus, o Apóstolo dos Gentios profetizou: "Ele usará de todas seduções do mal com aqueles que se perdem, por não terem cultivado o amor à Verdade que os teria podido salvar. Por isso, Deus enviar-lhes-á um poder que os enganará e induzir-los-á a acreditar no erro. Desse modo, serão julgados e condenados todos que não deram crédito à Verdade, mas consentiram no mal." 2 Ts 2,10-12
    De fato, muitas pessoas não percebem as armadilhas do inimigo, que ilude e cobra caro por seus 'favores'. Sem dúvida, as desgraças que ele causa só aumentam, principalmente em casos de recaída como explicou Jesus: "Quando um espírito imundo sai do homem, anda por áridos lugares, buscando repouso. Não o achando, diz: 'Voltarei à minha casa, donde saí.' Chegando, acha-a varrida e adornada. Então vai e toma consigo outros sete espíritos piores que ele e entram, e ali se estabelecem. E a última condição desse homem vem a ser pior do que a primeira." Lc 11,24-26
    E seus estragos são visíveis: "Mal saltou em terra, veio-Lhe ao encontro um homem dessa região, possuído de muitos demônios. Há muito tempo não se vestia nem parava em casa, mas habitava no cemitério. Pois de longa data apoderaram-se dele, e as pessoas locais guardavam-no preso em cadeias e com grilhões nos pés, mas ele rompia as cadeias e era impelido pelos demônios para os desertos. Jesus perguntou-lhe: 'Qual é teu nome?' Ele respondeu: 'Legião!' (Porque eram muitos os demônios que nele se ocultavam.)" Lc 8,27.29-30
    Ora, mentiroso quando diante dos que estão afastados da Graça, o inimigo faz duvidar da Palavra de Deus, como explicou Jesus na parábola do semeador: "Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouvem. Mas depois vem o demônio e tira-lhes a Palavra do coração, para que não creiam nem se salvem." Lc 8,12
    Ele semeia a maldade nos corações, como aconteceu com um dos Apóstolos: "Durante a Ceia, quando o demônio já tinha lançado no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de traí-Lo..." Jo 13,2
    Seus espíritos imundos apossam-se até de pessoas que frequentam lugares sagrados: "Estava na sinagoga um homem que tinha um demônio..." Lc 4,33
    Apossam-se de pessoas de boa índole, mas afastadas de Deus: "... algumas mulheres que tinham sido livradas de malignos espíritos e curadas de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes; Susana e muitas outras, que O assistiram com suas posses." Lc 8,2-3
    Ora, apossou-se mesmo de alguém escolhido por Jesus, Judas: "Não vos escolhi Eu todos Doze? Contudo, um de vós é um demônio!...'" Jo 6,70
    E eles guardam lugar para, se necessário, cedê-lo a algum de mais alta hierarquia ou mesmo ao seu líder, a despeito do ritual do mais Sagrado Sacramento: "Nesse momento, depois do pão, Satanás entrou em Judas." Jo 13,27
    Por isso, Jesus assim resumiu o agir de Satanás: "O ladrão só vem para roubar, matar e destruir." Jo 10,10
    Ele referia-Se nestes termos ao que acontecia no mundo durante Sua passagem entre nós: "Desde a época de João Batista até o presente, o Reino dos Céus sofre violência e são os violentos que dele se apoderam." Mt 11,12
    Mas a despeito da intensidade e da extensão, tal virulência não era exatamente algo novo, pois se dizia que um demônio teria matado os sete primeiros esposos de Sara, filha de Raguel, antes de casar-se com Tobias, e São Rafael não o desmentiu: "Tobias replicou: 'Ouvi dizer que ela já teve sete maridos, e que todos morreram. Diz-se mesmo que foi um demônio que os matou.'" Tb 6,14
    São Rafael simplesmente responde dando um exemplo sobre os poderes do inimigo: "O anjo respondeu-lhe: 'Ouve-me, e eu mostrar-te-ei sobre quem o demônio tem poder: são os que se casam, banindo Deus de seu coração e de seu pensamento, e entregam-se à sua paixão como o cavalo e o burro, que não têm entendimento. Sobre estes o demônio tem poder!'" Tb 6,16-17
    Até ensinou-lhe um incenso para afastar maus espíritos, um ritual usado desde a Antiga Aliança que foi adotado na nossa Santa Missa: "O anjo respondeu-lhe: 'Se se queima o coração ou o fígado do peixe sobre brasas diante de um homem ou de uma mulher atormentados por um demônio ou por um mau espírito, a fumaça afugenta todo mal e para sempre fá-lo desaparecer.'" Tb 6,8
    E falando sobre nossa condição espiritual, Jesus ensinou a Quem realmente devemos temer: "Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes temei Aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena." Mt 10,28
    Os Evangelhos, ademais, estão repletos de exorcismos praticados por Jesus. É quase uma constante por onde Ele passava. Expulsava tantos espíritos imundos que São Marcos resumiu assim o início de Sua Missão: "Ele dali Se retirou, pregando em todas sinagogas e por toda Galileia, e expulsando os demônios." Mc 1,39
    Jesus mesmo, ao mandar um recado a Herodes, fez uma síntese do que foi Sua Vinda: "Ide dizer a essa raposa: eis que expulso demônios e faço curas hoje e amanhã. E ao terceiro dia terminarei Minha vida." Lc 13,32
    Por isso, São Pedro avisa: "Sede sóbrios e vigiai. Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar." 1 Pd 5,8
    São Paulo alerta dos poderes e artimanhas do maligno até entre 'pregadores' do Evangelho: "Esses tais são falsos apóstolos, desonestos operários que se disfarçam em Apóstolos de Cristo, o que não é de espantar. Pois, se o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz, parece bem normal que seus ministros se disfarcem em ministros de justiça, cujo fim, no entanto, será segundo suas obras." 2 Cor 11,14-15
    E avisa de tempos ainda mais difíceis, como previu Jesus, falando de um específico demônio. Teria a Igreja um particular inimigo, a capturar Sacerdotes que dela se afastam? "E sabeis o que atualmente retém o Adversário, de maneira que ele só se revele na devida hora. Pois o mistério da iniquidade já está em ação. Basta que o atual obstáculo seja afastado. Sua manifestação será acompanhada, graças ao poder de Satanás, de toda sorte de enganadores portentos, sinais e prodígios." 2 Ts 2,6-7.9
    Sem dúvida, aí se vê o Mistério do Mal, pois toda desgraça que o inimigo vem a realizar é claramente permitida por Deus: "O quinto anjo tocou a trombeta. Então vi uma estrela cair do céu na terra, e foi-lhe dada a chave do poço do abismo. Ela abriu-o e saiu do poço uma fumaça como a de uma grande fornalha. O sol e o ar obscureceram-se com a fumaça do poço. Da fumaça saíram gafanhotos pela terra, e foi-lhes dado poder semelhante ao de escorpiões da terra. Mas foi-lhes dito que não causassem dano à erva, verdura, ou árvore alguma, mas somente aos homens que não têm o selo de Deus na fronte. Foi-lhes ordenado que não os matassem, mas afligissem-nos por cinco meses. Seu tormento era como o da picada do escorpião. Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a alcançarão; desejarão morrer, e a morte fugirá deles. O aspecto desses gafanhotos era o de cavalos aparelhados para a guerra. Em suas cabeças havia uma espécie de coroa, com dourados reflexos. Seus rostos eram como rostos de homem, seus cabelos como os de mulher e seus dentes, como os dentes de leão. Seus tórax pareciam envoltos em ferro, e o ruído de suas asas era como o ruído de carros de muitos cavalos, correndo para a guerra. Tinham caudas semelhantes à do escorpião, com ferrões e o poder de afligir os homens por cinco meses. Têm eles por rei o anjo do abismo. Chama-se em hebraico Abadon, e em grego, Apolion." Ap 9,1-11
    Pois as proporções das desgraças são evidentemente planetárias: "O sexto anjo tocou a trombeta. Depois ouvi uma voz que vinha dos quatro cantos do altar de ouro, que está diante de Deus, e que dizia ao sexto anjo que tinha a trombeta: 'Solta os quatro anjos que estão acorrentados à beira do grande rio Eufrates.' Então foram soltos os quatro anjos que se conservavam preparados para a hora, o dia, o mês e o ano da matança da terça parte dos homens... O número de soldados desta cavalaria era de duzentos milhões. Eu ouvi seu número. E foi assim que eu vi os cavalos e aqueles que os montavam: estes últimos eram couraçados de uma azul e sulfurosa chama. Os cavalos tinham crina como uma juba de leão, e de suas narinas saíam fogo, fumaça e enxofre. E uma terça parte dos homens foi morta por esses três flagelos (fogo, fumaça e enxofre) que lhes saíam das narinas. Porque o poder nocivo dos cavalos também estava nas caudas. Tinham cabeças como serpentes e causavam dano com elas. Mas o restante dos homens, que não foram mortos por esses três flagelos, não se arrependeu das obras de suas mãos. Não cessaram de adorar o demônio e os ídolos de ouro, de prata, de bronze, de pedra e de madeira, que não podem ver, nem ouvir, nem andar. Não se arrependeram de seus homicídios, seus malefícios, suas imundícies e furtos." Ap 9,13-21
    O Último Apostolo, porém, trata de tranquilizar-nos: "Mas o Senhor Jesus destruir-lo-á com o sopro de Sua boca, e aniquilar-lo-á com o resplendor de Sua Volta." 2 Ts 2,8b
    Já São João Evangelista fala de uma grande batalha, que está sendo arregimentada por Satanás contra Deus e ocorrerá no grande Dia do Juízo. Quem imaginaria que tantos filhos pudessem se mobilizar contra o Pai? "Vi sair da boca do Dragão, da boca da Fera e da boca do falso profeta três imundos espíritos semelhantes a rãs. São os espíritos de demônios que realizam prodígios, e vão ter com os reis de toda terra, a fim de reuni-los para a batalha do Grande Dia do Deus Dominador. Eles reuniram-nos num lugar em hebraico chamado Har-Magedon." Ap 16,13-14.16
    Essa, aliás, não é uma situação a ser verificada apenas nos últimos tempos, ainda que em menores proporções. O Amado Discípulo afirma: "Sabemos que somos de Deus, e que o mundo todo jaz sob o Maligno." 1 Jo 5,19
    E se Jesus o chama de 'príncipe deste mundo', São Paulo usou um termo ainda mais forte: "Se nosso Evangelho ainda estiver encoberto, está encoberto para aqueles que se perdem, para os incrédulos, cujas inteligências o deus deste mundo obcecou a tal ponto que não percebem a Luz do Evangelho, onde resplandece a Glória de Cristo, que é a imagem de Deus." 2 Cor 4,3-4
    Grandes e tenebrosos poderes políticos, portanto, como sobre vários aspectos foi o Império Romano, são constituídos por Satanás. E, claro, eles vão voltar-se contra Deus e a Igreja: "Vi, então, levantar-se do mar uma Fera que tinha dez chifres e sete cabeças. Sobre os chifres, dez diademas, e em suas cabeças, nomes blasfematórios. A Fera que eu vi era semelhante a uma pantera: os pés como de urso, e as fauces como de leão. Deu-lhe o Dragão seu poder, seu trono e grande autoridade. Foi-lhe dada a faculdade de proferir arrogâncias e blasfêmias, e foi-lhe dado o poder de agir por quarenta e dois meses. Abriu, pois, a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar Seu Nome, Seu tabernáculo e os habitantes do Céu. Foi-lhe dado, também, fazer guerra aos Santos e vencê-los. Recebeu autoridade sobre toda tribo, povo, língua e nação, e hão de adorá-la todos habitantes da terra cujos nomes não estão escritos, desde a origem do mundo, no livro da Vida do Cordeiro Imolado." Ap 13,1-2.5-8
    E algumas metrópoles vivem verdadeiras infestações: "Clamou em alta voz, dizendo: 'Caiu, caiu Babilônia, a Grande. Tornou-se morada dos demônios, prisão dos imundos espíritos e das impuras e abomináveis aves, porque todas nações beberam do vinho da ira de sua luxúria, com ela pecaram os reis da terra, e os mercadores enriqueceram-se com o excesso de seu luxo.' Ouvi outra voz do céu que dizia: 'Meu povo, sai de seu meio para que não participes de seus pecados e não tenhas parte em suas pragas, porque seus pecados se acumularam até o Céu, e Deus lembrou-Se de suas injustiças.'" Ap 18,2-5
    Foi o que se viu na grandiosa cidade de Pérgamo, durante a dominação romana, pelo paganismo e gnosticismo que aí reinavam. Jesus mesmo apontou: "... aí se acha o trono de Satanás... onde Satanás habita." Ap 2,13
    Nela o próprio judaísmo havia-se corrompido: "... daqueles que se dizem judeus e não o são. São apenas uma sinagoga de Satanás." Ap 2,9b
    E os cristãos padeciam: "Nada temas ante o que hás de sofrer. Por estes dias, o demônio vai lançar alguns de vós na prisão, para pôr-vos à prova." Ap 2,10a
    Contudo, batalhar contra Deus é só mais uma loucura do inimigo e de quem o segue: "Combaterão contra o Cordeiro, mas o Cordeiro vencê-los-á, porque é Senhor dos Senhores e Rei dos Reis." Ap 17,14
    Pois seu destino, bem como o de seus anjos, já foi traçado. Diz São Judas Tadeu: "Os anjos que não tinham guardado a dignidade de sua classe, mas abandonado seus tronos, Ele guardou-os com eternas correntes nas trevas, para o julgamento do Grande Dia." Jd 6
    Sem dúvida, pelas Graças que obtiveram de conhecer a Deus face-a-face, estes já não têm direito ao arrependimento, como argumenta São Pedro: "Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas precipitou-os nos tenebrosos abismos do inferno onde os reserva para o julgamento... é porque o Senhor sabe livrar das provações os piedosos homens e reservar os ímpios para serem castigados no Dia do Juízo, principalmente aqueles que correm com impuros desejos atrás dos prazeres da carne e desprezam a autoridade. Audaciosos, arrogantes, não temem falar injuriosamente das glórias. Mas estes, quais brutos destinados pela lei natural para a presa e para a perdição, injuriam o que ignoram e assim, da mesma forma, perecerão." 2 Pd 2,4.9-10.12
    Logo também nós devemos dispor-nos ao bom combate, não importa quão numeroso seja o inimigo, pois, seja na carne ou em espírito, esta não é uma guerra nossa, mas de Deus, como Ele mesmo disse a Josafá, rei de Judá: "Eis o que vos diz o Senhor: 'Não temais, não vos deixeis atemorizar diante dessa imensa multidão, pois essa guerra não é vossa, mas de Deus.'" 2 Cro 20,15b
    Pois foi isso que fez São Paulo durante toda sua vida em Cristo, e assim aconselhou a São Timóteo: "Eis aqui uma recomendação que te dou, meu filho Timóteo, de acordo com aquelas profecias que foram feitas a teu respeito: amparado nelas, sustenta o bom combate, com fidelidade e boa consciência, que alguns desprezaram e naufragaram na fé. Mas tu, ó homem de Deus, foge desses vícios e procura com todo empenho a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão. Combate o bom combate da fé. Conquista a Vida Eterna, para a qual foste chamado e fizeste aquela nobre profissão de fé perante muitas testemunhas. Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a Sã Doutrina da Salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da Verdade e atirar-se-ão às fábulas. Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos. Cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te a teu ministério. Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante de minha libertação aproxima-se. Combati o bom combate, terminei minha carreira, guardei a fé." 1 Tm 1,18-19;6,11-12; 2 Tm 4,3-7
    Ele recomenda que nos refugiemos na Igreja, que Jesus garantiu ser invencível: "Foge das paixões da mocidade, com empenho busca a justiça, a fé, a caridade, a Paz, em companhia daqueles que invocam o Senhor com pureza de coração." 2 Tm 2,22
    Pois como todos que tentam contra a Igreja e os Santos, o Diabo, desde sua queda, passando pela tentação a Eva e a morte de Abel por Caim, é movido pela inveja. Diz o livro da Sabedoria: "É por inveja do demônio que a morte entrou no mundo, e aqueles que pertencem ao demônio prová-la-ão." Sb 2,24
    Resta, então, muito claro: por inveja, desde Adão o Maligno fomenta o pecado de desobediência a Deus. Escreve São Paulo aos romanos: "Por isso, como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim a morte passou a todo gênero humano, pois todos pecaram..." Rm 5,12
    Não por acaso, essa foi a causa da crucificação de Jesus pelos principais dos judeus, como percebeu Pilatos: "Ele sabia que tinham entregue Jesus por inveja." Mt 27,18
    São Paulo, portanto, vê no fim do inimigo também o fim de sua obra: "O último inimigo a derrotar será a morte..." 1 Cor 15,26
    Até nomeia três poderosas classes de anjos caídos como os últimos inimigos: "Depois, virá o fim, quando Jesus entregar o Reino a Deus, ao Pai, depois de haver destruído todo principado, toda potestade e toda dominação." 1 Cor 15,24
    Com Sua Ressurreição, porém, Ele já demonstrou Seu poder para destruir a morte: "Assim como os filhos participam da mesma natureza, da mesma carne e do sangue, também Ele participou, a fim de pela morte destruir aquele que tinha o império da morte, isto é, o demônio..." Hb 2,14
    São João Evangelista, por fim, na revelação que recebeu de Jesus, viu a derrota final do Inimigo: "O Demônio, sedutor das nações, foi lançado num lago de fogo e de enxofre, onde já estavam a Fera e o falso profeta, e onde dia e noite serão atormentados pelos séculos dos séculos. A morte e a morada subterrânea foram lançadas no tanque de fogo." Ap 20,10.14


O CATECISMO ENSINA:

    "Satanás ou o Diabo, bem como os demais demônios, são decaídos anjos por livremente terem-se recusado a servir a Deus e a Seu desígnio. Sua opção contra Deus é definitiva. Eles tentam associar o homem à sua revolta contra Deus." CIC 414
    "... Com efeito, o Diabo e outros demônios foram por Deus criados bons em sua natureza, mas se tornaram maus por sua própria iniciativa. ... É o caráter irrevogável de sua opção, e não uma deficiência da infinita Divina Misericórdia, que faz com que o pecado dos anjos não possa ser perdoado. Não existe arrependimento para eles depois da queda, como não existe para os homens após a morte. ... A mais grave dessas obras, devido às suas consequências, foi a mentirosa sedução que induziu o homem a desobedecer a Deus. Contudo, o poder de Satanás não é infinito. Ele não passa de uma criatura, poderosa pelo fato de ser puro espírito, mas sempre criatura: não é capaz de impedir a edificação do Reino de Deus. Embora Satanás atue no mundo por ódio contra Deus e Seu Reino em Jesus Cristo, e embora sua ação cause graves danos - de natureza espiritual e, indiretamente, até de natureza física - para cada homem e para a sociedade, esta ação é permitida pela Divina Providência, que com vigor e doçura dirige a história do homem e do mundo. A divina permissão para a atividade diabólica é um grande mistério, mas 'nós sabemos que Deus em tudo coopera para o bem daqueles que O amam (Rm 8,28).'" CIC 391.393-395
    "Quando a Igreja exige publicamente e com autoridade, em Nome de Jesus Cristo, que uma pessoa ou objeto seja protegido contra a influência do maligno e subtraído a seu domínio, fala-se de exorcismo. Jesus praticou-o, é d'Ele que a Igreja recebeu o poder e o encargo de exorcizar. Sob uma simples forma, o exorcismo é praticado durante a celebração do Batismo. O exorcismo solene, chamado 'grande exorcismo', só pode ser praticado por um Sacerdote, com a permissão do Bispo. Nele é necessário proceder com prudência, observando estritamente as regras estabelecidas pela Igreja. O exorcismo visa expulsar os demônios ou livrar da demoníaca influência, e isto pela autoridade espiritual que Jesus confiou à Sua Igreja. Bem diferente é o caso de doenças, sobretudo psíquicas, cujo tratamento depende da ciência médica. É importante, pois, verificar antes de celebrar o exorcismo se se trata de uma presença do maligno ou de uma doença." CIC 1673

    "Fazei de nós um sacrifício de louvor!"