segunda-feira, 17 de setembro de 2018

A Bíblia


    A Bíblia é a Palavra de Deus a toda humanidade, principalmente ao povo simples. São humanas palavras para descrever divinos projetos, e assim Ele vai revelando Sua própria face através dos tempos à medida em que aumenta a capacidade humana de compreendê-Lo.
    Foi escrita pelo ser humano, mas inspirada pelo Espírito de Deus. Para transmitir Suas intenções, porém, Ele não Se apossou de corpos como quem manipula instrumentos, apenas soprou a Verdade na alma humana.
    São simples palavras para narrar fatos que não se encerram nos fatos: singulares eventos, inexplicáveis momentos, inefáveis revelações, espetaculares visões, magníficas audições, indescritíveis sensações, milagres, maravilhas, prodígios...
    Apesar da Verdade que revela, às vezes suas palavras são mais alegóricas que descritivas. Convida a abandonarmos a precipitação, as pretensões, a grosseira simplificação, o materialismo. Como comunicar inauditos testemunhos, tão grandiosas cenas, absolutamente incomparáveis? Por isso, vemos o frequente uso de comparações, analogias, metáforas, simbologias, parábolas, alegorias...
    São palavras para coisas muito difíceis de exprimir, de um tempo em que o povo conhecia poucas palavras. São coisas difíceis de descrever, de um tempo que quase ninguém sabia ler. São palavras para revelar o Indizível, o Invisível.    É nosso livro de História, de quando quase nada era escrito. São informações que não podiam ser esquecidas, e conhecimentos que precisavam de ser perpetuados. São relatos que remontam um longínquo passado, mas de suma importância.
    É a História de Deus entre nós. É nossa memória, nossa consciência de humanidade perante Deus. São histórias para 'despertar os adultos e fazer dormir as crianças'. Mesmo entre complexos temas como violência, escravidão, preconceitos e exageros, todos característicos e inalienavelmente humanos, a Bíblia é nosso álbum de família.
    É o livro que revela Deus. É o retrato de Sua vontade de relacionar-Se com o ser humano sem interferir em suas susceptibilidades. Ele respeita nossa liberdade, mas também e principalmente nossas fraquezas. Ele não quer ser arbitrário nem invasivo, porém, na mesma proporção, nem super-protetor nem permissivo.
    A Bíblia é mais um flagrante do amor de Deus. É uma sutil maneira pela qual Ele, em Sua Onipresença, faz-Se presente em nossas vidas.

    "Tornai viva nossa , nossa esperança!"