terça-feira, 13 de março de 2018

A Família


    A família é projeto de Deus. E não apenas nos assuntos terrenos, mas claramente nos tocantes aos Céus, pois Ele revelou-Se Pai, enviou-nos Seu Filho, elegeu Maria como Nossa Mãe, ama-nos como filhos e quer que vivamos como irmãos. Por isso a Igreja, um pedaço do Céu, deve reproduzir esse modelo, como recomenda São Paulo a São Timóteo: "Ao ancião não repreendas com aspereza, mas adverte-o como a um pai; aos moços como a irmãos, às mulheres de idade como a mães, às jovens como a irmãs, com toda pureza. Honra as viúvas que são realmente viúvas." 1 Tm 5,1-3
    A Criação, de fato, tem seu ápice num homem e numa mulher, e em idade que já estavam prontos para ter filhos. Os planos de Deus é fazer do amor, elemento característico da vida familiar, a maior motivação da vida: companhia, alegria e Paz. Ainda hoje, em cada novo casal a promessa de um novo mundo se refaz: um novo Adão e uma nova Eva. E o amor que os arrebata a esse projeto mostra muito bem o poder da e da esperança: juntos eles são capazes de tudo.
    No mesmo sentido, Deus poderia manifestar-Se ao mundo de modo exclusivamente divino, como Ele é, mas escolheu nascer de uma jovem e viver como um ser humano. Por Sua amabilidade, mandou o Arcanjo São Gabriel confirmar com Nossa Senhora a participação que ela teria no celestial projeto, e também para preparar e instruir São José. Eles, por si e pela Divina Providência, já estavam encaminhados para o Matrimônio, mas a nova proposta era muito maior: era o cumprimento da promessa da Redenção da humanidade. Maria prontamente concordou, e José só precisou ser avisado num sonho por seu Anjo da Guarda para assumir a paternidade do Filho de Deus. Diferentemente de Adão e Eva, eles eram bem mais atentos e obedientes à vontade divina, e com Jesus formaram a Sagrada Família.
    Desde criança, no entanto, Jesus começou a apontar para outra dimensão de família. Ao ser reencontrado no Templo de Jerusalém depois de três dias, Ele respondeu a Nossa Senhora e São José: "Por que vocês Me procuravam? Não sabiam que devo estar na Casa de Meu Pai?" Lc 2,49
    Não obstante, era exemplarmente obediente a Seus pais terrenos: "Em seguida, desceu com eles a Nazaré e era-lhes submisso." Lc 2,51a
    E quando começou Sua vida pública, pregou este conceito de família: "Minha mãe e Meus irmãos são estes, que ouvem a Palavra de Deus e observam-na." Lc 8,21
    Aliás, Ele denunciou a rejeição a Deus na acomodação de famílias cujos projetos são meramente terrenos: "É só em sua pátria e em sua família que um Profeta é menosprezado." Mt 13,57
    E falando de nossa condição espiritual, que desde já deve prevalecer, recomendou: "E a ninguém chameis de pai sobre a terra, porque um só é Vosso Pai, Aquele que está nos Céus." Mt 23,9
    Os seguidores da tradição de São Paulo explicam: "Aliás, temos na terra nossos pais que nos corrigem e, no entanto, olhamo-os com respeito. Com quanto mais razão havemos de submeter-nos ao Pai de nossas almas, o Qual nos dará a Vida? Os primeiros educaram-nos para pouco tempo, segundo sua própria conveniência, ao passo que Este o faz para nosso bem, para comunicar-nos Sua santidade." Hb 12,9-10
    Jesus mesmo padeceu desses maus tratos de Sua família carnal, quando pela primeira vez retornou a Nazaré: "Quando souberam disso, os parentes de Jesus saíram para agarrá-Lo, porque diziam que estava fora de Si." Mc 3,21
    Por eles foi ironizado mesmo quando já era perseguido pelos líderes religiosos: "Depois disso, Jesus percorria a Galileia. Ele não queria deter-Se na Judeia, porque os judeus procuravam tirar-Lhe a vida. Seus irmãos disseram-Lhe: 'Parte daqui e vai para a Judeia, a fim de que também Teus discípulos vejam as obras que fazes. Pois quem deseja ser conhecido em público não faz coisa alguma ocultamente. Já que fazes essas obras, revela-Te ao mundo.' Com efeito, nem mesmo Seus irmãos acreditavam n'Ele." Jo 7,1.3-5
    Isso não significa, porém, que Ele renegasse Suas origens. Isso foi amplamente difundido: "Não diz a Escritura: 'O Cristo há de vir da família de Davi, e da aldeia de Belém, onde vivia Davi?'" Jo 7,42
    Essa era a ascendência de São José: "Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, para Judeia, à cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para alistar-se com sua esposa Maria, que estava grávida." Lc 2,4-5
    E igualmente de Nossa Senhora: "... este Evangelho Deus prometera outrora por Seus profetas na Sagrada Escritura, acerca de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, descendente de Davi quanto à carne..." Rm 1,2-3
    Jesus mesmo vai reafirmá-la: "... a Salvação vem dos judeus." Jo 4,22b
    Mas exaltando o amor a Deus sobre todas as coisas, Ele desfez por completo a falsa esperança de paz de família voltadas para a vida mundana, que cultuam materialismo e hedonismo: "Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada. Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra, e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a Mim, não é digno de Mim. Quem ama seu filho mais que a Mim, não é digno de Mim. Quem não toma sua Cruz e não Me segue, não é digno de Mim. Aquele que tentar salvar sua Vida, perdê-la-á. Aquele que a perder, por Minha causa, reencontrá-la-á." Mt 10,34-39
    E afirmou nestes termos a verdadeira família de Deus: "Em verdade, declaro-vos: ninguém há que tenha abandonado, por amor ao Reino de Deus, sua casa, sua mulher, seus irmãos, seus pais ou seus filhos, que não receba muito mais neste mundo e no mundo vindouro a Vida Eterna." Lc 18,29-30
    Pois, ainda segundo Jesus, no Dia da Verdade nem mesmo os mais sólidos laços de cooperação material serão levados em conta: "Dois homens estarão no campo: um será tomado, o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo no mesmo moinho: uma será tomada, a outra será deixada." Mt 24,40-41
    Ele avisou de abjetas tribulações, como registrou São Lucas: "Sereis entregues até por vossos pais, vossos irmãos, vossos parentes e vossos amigos, e matarão muitos de vós. Sereis odiados por todos por causa do Meu Nome." Lc 21,16-17
    O salmista, assim como Caim e São José do Egito, já havia experimentado essa tragédia: "Tornei-me um estranho para meus irmãos, um desconhecido para os filhos de minha mãe." Sl 68,9
    E em São Mateus, Jesus prevê o que existe de mais abominável: o assassinato dos próprios pais: "O irmão entregará seu irmão à morte. O pai, seu filho. Os filhos levantar-se-ão contra seus pais e os matarão." Mt 10,21
    Foi mais longe! Denunciou uma paternidade absolutamente espúria entre nós: "Vós tendes como pai o Demônio e quereis fazer os desejos de vosso pai. Ele era homicida desde o princípio e não permaneceu na Verdade, porque a Verdade não está nele. Quando diz a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira." Jo 8,44
    Sem dúvida, por malícia e para semear controvérsia, Satanás incitava os principais dos judeus a verem em Jesus alguém possesso: "Muitos deles diziam: 'Ele está possuído do Demônio. Ele delira. Por que O escutais vós?'" Jo 10,20
    Noutra ocasião, porém, ao denunciar essa blasfêmia, Jesus revelou-Se com o próprio Pai: "Basta ao discípulo ser tratado como seu mestre, e ao servidor como seu patrão. Se chamaram de Beelzebul ao Pai de família, quanto mais o farão às pessoas de Sua Casa!" Mt 10,25
    De fato, o Diabo sempre lutou contra a família: começou semeando a desobediência a Deus em Eva e Adão, e depois a intriga entre Caim e Abel. Por fim, por pressão do povo levou Moisés a instituir o divórcio. Mas Jesus condenou essa prática: "Foi também dito: 'Todo aquele que rejeitar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio.' Eu, porém, digo-vos: todo aquele que rejeita sua mulher, fá-la tornar-se adúltera, a não ser que se trate de falso Matrimônio; e todo aquele que desposa uma mulher rejeitada comete um adultério. É por causa da dureza de vosso coração que Moisés havia tolerado o repúdio das mulheres, mas no começo não foi assim." Mt 5,31-32;19,8b
    O mesmo Ele dizia às mulheres: "E se a mulher repudia o marido e se casa com outro, comete adultério." Mc 10,12
    Para Ele o adultério começa no coração: "Ouvistes que foi dito aos antigos: 'Não cometerás adultério.' Eu, porém, digo-vos: todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração." Mt 5,27-28
    Isso levou os seguidores de São Paulo a advertirem: "Vós todos considerai o Matrimônio com respeito e imaculado conservai o leito conjugal, porque Deus julgará os impuros e os adúlteros." Hb 13,4
    Assim também manifestou-se São Tiago Menor: "Adúlteros, não sabeis que o amor ao mundo é abominado por Deus? Todo aquele que quer ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus." Tg 4,4
    O próprio São João Batista, cuja principal missão era anunciar o Cordeiro de Deus, também veio em defesa da família. E não só por condenar o adultério de Herodes, mas, como disse o anjo do Senhor a Zacarias, seu pai, para reorientar os casais à pureza de seus filhos: "... irá adiante de Deus com o espírito e poder de Elias para reconduzir os corações dos pais aos filhos..." Lc 1,17
    A profecia, na verdade, feita por Deus através do profeta Malaquias, também incluía o respeito que os filhos devem ter pelos pais. Ou seja, visa reconduzir a família à unidade conforme os projetos de Deus: "Vou mandar-vos o Profeta Elias, antes que venha o grande e temível Dia do Senhor, e ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos aos pais, de sorte que não mais ferirei de interdito a terra." Ml 3,23-24
    Esse segundo detalhe é exatamente o que recomenda o quarto Mandamento: "Honra teu pai e tua mãe, para que teus dias se prolonguem sobre a terra que te dá o Senhor, Teu Deus." Ex 20,12
    São Paulo também disse algumas palavras nesse sentido: "Mulheres, sede submissas a vossos maridos, porque assim convém, no Senhor. Maridos, amai vossas mulheres e não as trateis com aspereza. Filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto agrada ao Senhor. Pais, deixai de irritar vossos filhos, para que não se tornem desanimados." Cl 3,18-21
    E mais, tomando como exemplo a submissão de Jesus ao Pai e Sua união com a Igreja: "Sujeitai-vos uns aos outros no temor de Cristo. As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, Seu Corpo, da qual Ele é o Salvador. Ora, assim como a Igreja é submissa a Cristo, assim também o sejam em tudo as mulheres a seus maridos. Maridos, amai vossas mulheres como Cristo amou a Igreja e entregou-Se por ela, para santificá-la, purificando-a pela Água do Batismo com a Palavra, para apresentá-la a Si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim os maridos devem amar suas mulheres, como a seu próprio corpo. Quem ama sua mulher, ama-se a si mesmo." Ef 5,21-28



PAI COMO DEUS É PAI

    Jesus ressalta ao máximo, pois, esta primeira face de Deus, como vemos em Sua primeira aparição no Domingo da Ressurreição, a Santa Maria Madalena: "Subo a Meu Pai e Vosso Pai, a Meu Deus e Vosso Deus." Jo 20,17b
    E assim viveu: "'Aba! (Pai!)', suplicava Ele. 'Tudo Te é possível. Afasta de Mim este cálice! Contudo, não se faça o que Eu quero, senão o que Tu queres." Mc 14,36
    Até o último suspiro: "E Jesus dizia: 'Pai, perdoa-lhes. Porque não sabem o que fazem.'" Lc 26,34a
    Também explicou nossa condição de filhos, que igualmente devem trabalhar pela Salvação das almas: "Tendes ouvido o que foi dito: 'Amarás teu próximo e poderás odiar teu inimigo.' Eu, porém, digo-vos: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e perseguem. Deste modo sereis filhos de Vosso Pai do Céu, pois Ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos. Se amais somente os que vos amam, que recompensa tereis? Não fazem assim os próprios publicanos? Se saudais apenas vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem isto também os pagãos?" Mt 5,43-47
    Ele descreveu nessa sentença Sua condição humana: "Jesus tomou a palavra e disse-lhes: 'Em verdade, em verdade, digo-vos: o Filho de Si mesmo não pode fazer coisa alguma; Ele só faz o que vê fazer o Pai. E tudo que faz o Pai, semelhantemente faz o Filho.'" Jo 5,19
    E indicou, por nossa verdadeira filiação, nossa vocação para santidade: "Portanto, sede perfeitos, assim como Vosso Pai Celeste é perfeito." Mt 5,48
    Por fim, prometeu: "Naquele dia, pedireis em Meu Nome, e já não digo que rogarei ao Pai por vós. Pois o Pai mesmo vos ama, porque vós amastes-Me e crestes que saí de Deus." Jo 16,26-27
    Ora, tão importante é a função de um pai, que assim frequentemente Jesus retratava o próprio Deus. Como na parábola do joio e do trigo: "Os servidores do Pai de família vieram e disseram-Lhe: 'Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio?'" Mt 13,27
    Fez o mesmo na parábola dos trabalhadores da vinha: "Com efeito, o Reino dos Céus é semelhante a um Pai de Família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para Sua vinha." Mt 20,1
    Também na parábola do arrendamento da vinha: "Ouvi outra parábola: havia um Pai de Família que plantou uma vinha. Cercou-a com uma sebe, cavou um lagar e edificou uma torre. E, tendo-a arrendado a lavradores, deixou o país." Mt 21,33
    E ainda na parábola da porta estreita: "Procurai entrar pela porta estreita; porque, digo-vos, muitos procurarão entrar e não o conseguirão. Quando o Pai de família tiver entrado e fechado a porta, e vós, de fora, começardes a bater à porta, dizendo: 'Senhor, Senhor, abre-nos', Ele responderá: 'Digo-vos que não sei de onde sois.'" Lc 13,24-25
    Assim também Ele expressou a responsabilidade dos cristãos: "Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos Céus é comparado um pai de família, que de seu tesouro tira novas e velhas coisas." Mt 13,52
    E mais uma vez ao atribuir-lhes a proteção dos seus entes nos dias de tribulação: "Sabei que se o Pai de Família soubesse em que hora da noite viria o ladrão, vigiaria e não deixaria arrombar sua casa." Mt 24,43
    Esse aviso vale igualmente para os membros da Igreja: "E se uma casa está dividida contra si mesma, tal casa não pode permanecer." Mc 3,25
    Respondendo indiretamente a São Pedro (cf. Lc 12,41), a quem faria Sumo Pontífice de Sua Igreja, Jesus assim lembrou a importância do sacerdote, a quem acertadamente chamamos de padre: "Quem é, pois, o servo fiel e prudente que o Senhor constituiu sobre os de Sua família, para dar-lhes o alimento no oportuno momento?" Mt 24,45
    Eis porque São Paulo batizava toda a família, como fez com a família de Lídia, a vendedora de púrpura da cidade de Tiatira: "Foi batizada juntamente à sua família e fez-nos este pedido: 'Se julgais que tenho fé no Senhor, entrai em minha casa e ficai comigo.' E obrigou-nos a isso." At 16,15
    Ele e São Silvano fizeram o mesmo com o carcereiro dessa cidade: "Disseram-lhe: 'Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família.' Anunciaram-lhe a Palavra de Deus, a ele e a todos os que estavam em sua casa. Então, naquela mesma hora da noite, ele cuidou deles e lavou-lhes as chagas. Imediatamente foi batizado, ele e toda sua família." At 16,31-33
    E ainda em Corinto: "Aliás, batizei também a família de Estéfanas. Além destes, não me consta ter batizado ninguém mais." 1 Cor 1,16
    Pois assim procedia São Pedro desde o Pentecostes, convidando todos das famílias às penitências. Ele justifica tal procedimento lembrando a promessa de Deus: "Pedro respondeu-lhes: 'Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em Nome de Jesus Cristo para a remissão de vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa é para vós, para vossos filhos e para todos que de longe ouvirem o apelo do Senhor, Nosso Deus.'" At 2,38-39
    Com efeito, é por esse dom do Divino Paráclito que somos adotados como filhos de Deus. Diz São Paulo: "Porquanto não recebestes um espírito de escravidão para viverdes ainda no temor, mas recebestes um Espírito de adoção pelo qual clamamos: Aba! Pai!" Rm 8,15
    Essa é a Missão de Jesus: "Mas quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou Seu Filho, que nasceu de uma mulher e submisso a uma lei, a fim de remir os que estavam sob a Lei, para que recebêssemos Sua adoção." Gl 4,4-5
    Ele garante: "... pois todos que são conduzidos pelo Espírito de Deus, são filhos de Deus." Rm 8,14
    E assim nos tornamos irmãos de Jesus e filhos de Maria, como viu São João Evangelista: "A Serpente vomitou contra a Mulher um rio de água, para fazê-la submergir. A terra, porém, acudiu à Mulher, abrindo a boca para engolir o rio que o Dragão vomitara. Este, então, irritou-se contra a Mulher e foi fazer guerra ao resto de seus descendentes, aos que guardam os Mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus." Ap 12,15-17



DESDE A CRIAÇÃO

    Entretanto, se temos dificuldades em viver a família de sangue, imaginemos como vai nossa família espiritual. São João Evangelista já pregava a virtude da paciência: "Se alguém disser: 'Amo a Deus', mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a Quem não vê." 1 Jo 2,20
    De toda forma, devemos ter presente que a família maior, o Reino dos Céus é a obra do Pai. Ao exaltar a caridade, São Paulo vai dizer: "Por isso, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos os homens, mas particularmente aos irmãos na fé." Gl 6,10
    E dá essa sugestão para com os dissidentes: "Se alguém não obedecer ao que ordenamos por esta carta, notai-o e, para que ele se envergonhe, deixai de ter familiaridade com ele. Porém, não deveis considerá-lo como inimigo, mas repreendê-lo como irmão." 2 Ts 3,14-15
    Jesus, ressalvando a Igreja, havia dito o mesmo: "Se teu irmão tiver pecado contra ti, vai e repreende-o entre ti e ele somente; se te ouvir, terás ganho teu irmão. Se não te escutar, toma contigo uma ou duas pessoas, a fim de que toda a questão se resolva pela decisão de duas ou três testemunhas. Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão ou um publicano." Mt 18,15-17
    Pois de que vale nossa fé, senão para pôr a caridade, a paciência, a castidade e a fraternidade a serviço do Pai? É para a construção do Reino de Deus, que é essencialmente coletivista, que devem trabalhar o amor e esperança. São Paulo exorta: "Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para edificação da Igreja." 1 Cor 14,12
    Mas a sociedade que se diz moderna, buscando insólitos prazeres e questionáveis comodidades, quer forçar arranjos do que poderia ser um lar. Não por acaso, vemos uma crescente onda de violência, instabilidade emocional, estresse, depressão, solidão e tristeza. Esses projetos meramente humanos, que não levam em conta a vontade de Deus, não satisfazem a alma. O último Apóstolo profetizou e recomendou a São Timóteo: "Nota bem o seguinte: nos últimos dias haverá um difícil período. Os homens se tornarão egoístas, avarentos, fanfarrões, soberbos, rebeldes aos pais, ingratos, malvados, desalmados, desleais, caluniadores, devassos, cruéis, inimigos dos bons, traidores, insolentes, cegos de orgulho, amigos dos prazeres e não de Deus, ostentarão a aparência de piedade, mas desdenharão a realidade. Dessa gente, afasta-te!" 2 Tm 3,1-5
    Aos coríntios, ele vai dizer com contundência: "Fugi da fornicação. Qualquer outro pecado que o homem comete é fora do corpo, mas o impuro peca contra seu próprio corpo." 1 Cor 6,18
    Pois ainda que ressaltando nossa geração espiritual, Jesus não revogou a família composta de homem, mulher e filhos enquanto carnes de uma mesma carne. Pelo contrário, como no caso da Sagrada Família, Ele afirmou que é dessa semente que brota na terra a família celeste: "Vocês não leram que o Criador, no começo, fez o homem e a mulher e disse: 'Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne?' Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu." Mt 19,4-6
    São Paulo usa esse mesmo argumento para condenar a fornicação: "Ou não sabeis que aquele que se junta a uma prostituta com ela torna-se um só corpo? Está escrito: 'Os dois serão uma só carne (Gn 2,24).'" 1 Cor 6,16
    E enquanto o celibato não era obrigatório, ele tomava a administração da família doméstica como exemplo para a Igreja: "Porque o bispo tem o dever de ser irrepreensível, casado uma só vez, sóbrio, prudente, regrado em seu proceder, hospitaleiro, capaz de ensinar. Não deve ser dado à bebida, nem violento, mas condescendente, pacífico, desinteressado; deve saber governar bem sua casa, educar seus filhos na obediência e na castidade. Pois quem não sabe governar sua própria casa, como terá cuidado da Igreja de Deus?" 1 Tm 3,2-5
    Contundentemente dizia a todos: "Quem se descuida dos seus, e principalmente dos de sua própria família, é um renegado, pior que um infiel." 1 Tm 5,8
    Não podemos, portanto, desfazer o projeto que é de Deus, e não nosso. Aqueles que perseveram, como fizeram São José e a Virgem Maria enfrentando com singela fé todas as contrariedades, seguem tendo mais companhia, mais alegria e mais Paz. Não por acaso, a família dos projetos de Deus continua sendo o único remédio verdadeiramente eficaz contra tribulações, tristeza e solidão.
    E o objetivo desse projeto de Deus é a santificação de todos nós. Ora, a Comunhão dos Santos faz-nos uma só família, estejamos aqui na terra, no purgatório ou já nos Céus, como dizia São Paulo: "Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao Qual deve sua existência toda família no Céu e na terra..." Ef 3,14-15
    Pois, pelo Sangue de Jesus, é-nos concedido fazer parte dessa edificação que é a Igreja, a morada de Deus, onde somos preparados para viver nos Céus: "Consequentemente, já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos Santos e membros da família de Deus... " Ef 2,19

    "Lembrai-Vos, ó Pai, de Vossos filhos!"