terça-feira, 17 de abril de 2018

O Exorcismo


    Tanto o generalizado decaimento da quanto a intensa atividade de Satanás e seus anjos nos tempos atuais, já eram profetizadas por São Paulo. À época, ele dizia que o inimigo estava momentaneamente detido por 'alguém', talvez se referindo ao Arcanjo São Rafael: "Porque primeiro deve vir a apostasia, e deve manifestar-se o homem da iniquidade, o filho da perdição, o adversário, aquele que se levanta contra tudo que é divino e sagrado, a ponto de tomar lugar no Templo de Deus, e apresentar-se como se fosse Deus. Agora, perfeitamente sabeis que algo o detém, de modo que ele só se manifestará a seu tempo, pois o mistério da iniquidade já está em ação, apenas esperando o desaparecimento daquele que o detém." 2 Ts 2,3b-4.6-7
    No livro do Apocalipse, referindo-se a um simbólico período designado por Deus, São João Evangelista também fala dessa temporária prisão do inimigo: "Depois de completarem-se mil anos, Satanás será solto da prisão. Sairá dela para seduzir as nações dos quatro cantos da terra..." Ap 20,7-8
    Esse afastamento do inimigo, ou seja, sua prisão, foi decretada por ainda Jesus: "Agora é o Juízo deste mundo; agora será lançado fora o príncipe deste mundo." Jo 12,31
    E descreveu-a nestes termos: "... o fogo eterno, destinado ao Demônio e aos seus anjos." Mt 25,41
    São Pedro também fez menção a ela: "Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas precipitou-os nos tenebrosos abismos do inferno, onde os reserva para o Julgamento..." 2 Pd 2,4
    Mas essa prisão nem sempre é representada de modo sobrenatural. De fato, não é um lugar físico, de delimitação espacial. Antes é um estado de cobiça e luxúria, por exemplo, como São João aponta nesta passagem para a sede de um império: "Caiu, caiu Babilônia, a Grande. Tornou-se morada dos demônios, prisão dos espíritos imundos..." Ap 18,2
    Ou a cidade de Pérgamo, de ruínas na atual Turquia, que o próprio Jesus indica como sede das maiores heresias de então, sabidamente a idolatria em combinação com o paganismo: "Ao anjo da igreja de Pérgamo, escreve: 'Eis o que diz Aquele que tem a afiada espada de dois gumes. Sei onde habitas: aí se acha o trono de Satanás.'" Ap 2,12-13a
    Ou ainda o próprio Israel, ao tempo do Profeta Oseias: "Conheço Efraim, e Israel não me é oculto. Ora, Efraim transviou-se e Israel maculou-se. Seu proceder não lhes permite voltar ao Seu Deus, porque um espírito de prostituição os possui. Eles desconhecem o Senhor." Os 5,3-4
    São Rafael Arcanjo, porém, disse a Tobias que algo especificamente mal acontece aos adúlteros: "Ouve-me, e eu te mostrarei sobre quem o demônio tem poder: são os que se casam banindo Deus de seu coração e de seu pensamento, e entregam-se à sua paixão como um cavalo e um burro, que não têm entendimento. Sobre estes o demônio tem poder." Tb 6,16-17
    Aos próprios Apóstolos e seguidores, no entanto, Jesus já creditava algumas derrotas impostas ao inimigo. Eram as primícias da invencível Igreja: "Voltaram alegres os setenta e dois, dizendo: 'Senhor, até os demônios se nos submetem em Teu Nome!' Jesus disse-lhes: 'Vi Satanás cair do Céu como um raio. Eis que vos dei poder para pisar serpentes, escorpiões e todo o poder do inimigo.'" Lc 10,17-19
    No entanto, Ele imediatamente advertiu-os da vã glória: "Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos estão sujeitos, mas alegrai-vos de que vossos nomes estejam escritos nos Céus." Lc 10,20
    E foi Nosso Salvador, através do anúncio do Evangelho e da Vinda do Espírito Santo, que declarou o fim do império de Satanás, ainda no início de Sua vida pública, e a instauração de Seu Reino de Sacerdotes: "Apresentaram-Lhe, depois, um possesso cego e mudo. Jesus curou-o de tal modo que de pronto ele falava e via. A multidão, admirada, dizia: 'Não será este o Filho de Davi?' Mas, ouvindo isto, os fariseus responderam: 'É por Beelzebul, chefe dos demônios, que Ele os expulsa.' Jesus, porém, penetrando em seus pensamentos, disse: 'Todo reino dividido contra si mesmo será destruído. Toda cidade, toda casa dividida contra si mesma não pode subsistir. Se Satanás expele Satanás, está dividido contra si mesmo. Como, pois, subsistirá seu reino? E se Eu expulso os demônios por Beelzebul, por quem é que vossos filhos os expulsam? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. Mas, se é pelo Espírito de Deus que expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus.'" Mt 12,22-28
    E esta não foi a única vez que O acusaram de possessão. Deu-se também no Templo de Jerusalém, quando Ele Se pronunciou maior que Abraão: "Responderam então os judeus: 'Não dizemos com razão que és samaritano, e que estás possesso de um demônio?'" Jo 8,48
    O inimigo, no entanto, com a Vitória de Jesus sobre o mundo e Sua chegada ao Céus, foi definitivamente expulso da presença de Deus. São João atestou em suas visões: "Agora chegou a Salvação, o poder e a realeza de Nosso Deus, assim como a autoridade de Seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que dia e noite os acusava diante do Nosso Deus. Por isso alegrai-vos, ó Céus, e todos que aí habitais. Mas, ó terra e mar, cuidado! Porque o Demônio desceu para vós, cheio de grande ira, sabendo que pouco tempo lhe resta." Ap 12,10-12
    Após essa expulsão, na terra ele voltou-se contra Nossa Senhora, mas, impotente contra ela, que de Deus obteve uma 'condição angelical', voltou-se contra seus filhos, ou seja, a Igreja: "O Dragão, vendo que fora precipitado na terra, perseguiu a Mulher que dera à luz o Menino. Mas à Mulher foram dadas duas asas de grande águia, a fim de voar para o deserto, para o lugar de seu retiro, onde é alimentada por um tempo, dois tempos e a metade de um tempo, fora do alcance da cabeça da Serpente. A Serpente vomitou contra a Mulher um rio de água, para fazê-la submergir. A terra, porém, acudiu à Mulher, abrindo a boca para engolir o rio que o Dragão vomitara. Este, então, irritou-se contra a Mulher e foi fazer guerra ao resto de sua descendência, aos que guardam os Mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus." Ap 12,13-17
    Contudo, mesmo em sua fragilidade, a Igreja já tinha recebido de Jesus a garantia de proteção: "E Eu declaro-te: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei Minha Igreja. As portas do inferno não prevalecerão contra ela." Mt 16,18
    Enquanto houver verdadeira fidelidade à Igreja, portanto, estaremos sob o escudo de Sua Graça, como Ele mesmo prometeu: "Ide, pois, e ensinai a todas nações. Batizai-as em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo." Mt 28,19-20
    Falava, pois, de obediência: "Minhas ovelhas ouvem Minha voz, Eu conheço-as e elas seguem-Me. Eu dou-lhes a Vida Eterna. Elas jamais hão de perecer, e ninguém as roubará de Minha mão." Jo 10,27-28
    São João Evangelista assim explica a proteção Graça, e nossa vitória sobre os maus espíritos: "Vós, filhinhos, sois de Deus, e vencestes-los, porque Aquele que está em vós é maior que aquele que está no mundo." 1 Jo 4,4
    São Tiago Menor garante, apontando nossa única opção e único modo de combater: "Sede submissos a Deus. Resisti ao demônio, e ele fugirá para longe de vós." Tg 4,7
    São Paulo exalta o grande diferencial que é a unção do Espírito de Cristo, que é derramado sobre a Igreja desde o Pentecostes: "O pecado já não vos dominará, porque agora não mais estais sob a Lei, e sim sob a Graça." Rm 6,14
    E foi ainda mais claro para com os gálatas, ao demonstrar a superioridade do Novo Testamento: "Se, porém, deixai-vos guiar pelo Espírito, não estais sob a Lei." Gl 5,18


JESUS EXORCIZOU

    Mas enquanto se espera o Juízo Final, e por causa da abjeta desobediência humana, aos demônios foi dada a liberdade de atormentar a vida mundana: "O quinto anjo tocou a trombeta. Vi então uma estrela cair do Céu na terra, e foi-lhe dada a chave do poço do abismo. Ela abriu-o e saiu do poço uma fumaça como a de uma grande fornalha. Da fumaça saíram gafanhotos pela terra, e foi-lhes dado poder semelhante ao dos escorpiões da terra. Mas foi-lhes dito que não causassem dano à erva, verdura, ou árvore alguma, mas somente aos homens que não têm o selo de Deus na fronte. Foi-lhes ordenado que não os matassem, mas por cinco meses afligissem-nos. Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a conseguirão; desejarão morrer, e a morte fugirá deles." Ap 9,1-2.4-6
    Satanás, de fato, tem grande poder, como se vê em suas maiores maquinações: os perseguidores da Igreja e o falso profeta: "A Fera que eu vi era semelhante a uma pantera: os pés como de urso, e as fauces como de leão. O Dragão deu-lhe seu poder, seu trono e grande autoridade. Vi, então, outra Fera subir da terra. Tinha dois chifres como um cordeiro, mas falava como um dragão. Ela exercia todo o poder da primeira Fera, sob a vigilância desta, e fez com que a terra e seus habitantes adorassem a primeira Fera (cuja ferida de morte havia sido curada). Realizou grandes prodígios, de modo que até fez descer fogo do céu sobre a terra, à vista dos homens." Ap 13,2.11-13
    Já se manifestou de várias formas: "... o Dragão, a primitiva Serpente, que é o Demônio e Satanás..." Ap 20,2a
    E como uma das formas de afligir, seus demônios apossam-se de seres humanos, como explicou Jesus: "Quando o espírito impuro sai de um homem, ei-lo errante por áridos lugares à procura de um repouso que não acha. Diz ele, então: 'Voltarei para a casa donde saí.' E, voltando, encontra-a vazia, limpa e enfeitada. Então vai buscar sete outros espíritos piores que ele, e entram nessa casa e aí se estabelecem. E o último estado daquele homem torna-se pior que o primeiro. Tal será a sorte desta perversa geração." Mt 12,43-45
    Em carta a São Timóteo, São Paulo também apontou os que caem nos: "... laços do Demônio, que os mantém cativos e submetidos a seus caprichos." 2 Tm 2,26b
    E alertou aos efésios que nós enfrentamos poderosas classes de anjos caídos: "Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste tenebroso mundo, contra as forças espirituais do Mal espalhadas nos ares." Ef 6,10-12
    Por isso, boa parte do ministério de Cristo consiste em exorcizar endemoniados: "Sua fama espalhou-se por toda Síria. Traziam-Lhe os doentes e os enfermos, os possessos, os lunáticos, os paralíticos. E Ele curava a todos." Mt 4,24
    E foi o que Ele fez, logo nos primeiros dias de Sua vida pública em Cafarnaum, diante da casa de São Pedro: "Pela tarde, apresentaram-Lhe muitos possessos de demônios. Com uma Palavra, expulsou Ele os espíritos e curou todos enfermos." Mt 8,16
    Mas não só nesta cidade: "Ele retirou-Se dali, pregando em todas sinagogas e por toda Galileia, e expulsando os demônios." Mc 1,39
    Ora, enquanto esteve no deserto, o próprio Jesus foi tentado, pois Satanás dominava os poderosos da terra: "O Demônio em seguida O levou a um alto monte e num só momento mostrou-Lhe todos os reinos da terra, e disse-Lhe: 'Dar-Te-ei todo este poder e a glória desses reinos, porque me foram dados, e dou-os a quem quero.'" Lc 4,6
    De fato, é comum que os maus espíritos seduzam a humanidade, prometendo e concedendo riquezas como narrou São Lucas neste episódio na cidade de Filipos: "Certo dia, quando íamos à oração, eis que nos veio ao encontro uma escrava moça que tinha o espírito de Pitão, a qual com suas adivinhações dava muito lucro a seus senhores. Pondo-se a seguir a Paulo e a nós, gritava: 'Estes homens são servos do Deus Altíssimo, que vos anunciam o Caminho da Salvação.' Repetiu isto por muitos dias. Por fim, Paulo enfadou-se. Voltou-se para ela e disse ao espírito: 'Ordeno-te em Nome de Jesus Cristo que saias dela.' E na mesma hora ele saiu." At 16,16-18
    Do mesmo modo, e contrariando os planos de Jesus de manter-Se em anonimato, desde o início os demônios faziam por onde identificá-Lo, para atrair contra Ele a ira dos judeus e dos que vivem em pecado: "Ora, na sinagoga deles achava-se um homem possesso de um espírito imundo, que gritou: 'Que tens Tu conosco, Jesus de Nazaré? Vieste perder-nos? Sei Quem és: o Santo de Deus!' Mas Jesus intimou-o, dizendo: 'Cala-te, sai deste homem!' O espírito imundo agitou-o violentamente e, dando um grande grito, saiu. Ficaram todos tão admirados, que perguntavam uns aos outros: 'Que é isto? Eis um Novo Ensinamento, e feito com autoridade. Além disso, Ele manda até nos espíritos imundos e ele obedecem-Lhe!'" Mc 1,23-28
    E isso continuou acontecendo durante o início de Seu ministério: "Quando os espíritos imundos O viam, prostravam-se diante d'Ele e gritavam: 'Tu és o Filho de Deus!' Ele proibia-os severamente que O dessem a conhecer." Mc 3,11-12
    São Lucas também registra esse fato: "De muitos saíam os demônios, aos gritos, dizendo: 'Tu és o Filho de Deus.' Mas Ele repreendia-os severamente, não lhes permitindo falar, porque sabiam que Ele era o Cristo." Lc 4,41
    Havia, porém, gravíssimos casos de possessão: "Mal saltou em terra, veio-Lhe ao encontro um homem dessa região, possuído de muitos demônios. Há muito tempo não se vestia nem parava em casa, mas habitava no cemitério. Ao ver Jesus, prostrou-se diante d'Ele e gritou em alta voz: 'Por que Te ocupas de mim, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-Te, não me atormentes!' Porque Jesus ordenara ao espírito imundo que saísse do homem. Pois há muito tempo que se apoderara dele, e guardavam-no preso em cadeias e com grilhões nos pés, mas ele rompia as cadeias e era impelido pelo demônio para os desertos. Jesus perguntou-lhe: 'Qual é teu nome?' Ele respondeu: 'Legião!' (Porque eram muitos os demônios que nele se ocultavam.) E pediam-Lhe que não os mandasse ir para o abismo. Ora, andava ali pastando no monte uma grande manada de porcos. Rogaram-Lhe os demônios que lhes permitisse entrar neles. Ele permitiu. Saíram, pois, os demônios do homem e entraram nos porcos, e a manada de porcos impetuosamente precipitou-se no lago, pelo despenhadeiro, e afogou-se." Lc 8,27-33
    Com efeito, como não ver nos pecados capitais uma forma de possessão demoníaca, 'um verme' que não morre e arrasta as almas para o inferno? Sobre os lugares por onde andamos, Jesus afirmou: "Se tua mão for para ti ocasião de queda, corta-a; melhor é entrares aleijado na Vida que, tendo duas mãos, ires para a geena, para o fogo inextinguível, onde seu verme não morre e o fogo não se apaga. Se teu pé for para ti ocasião de queda, corta-o fora; melhor é entrares coxo na Vida Eterna que, tendo dois pés, seres lançado à geena do fogo inextinguível, onde seu verme não morre e o fogo não se apaga. Se teu olho for para ti ocasião de queda, arranca-o; melhor é entrares com um olho de menos no Reino de Deus que, tendo dois olhos, seres lançado à geena do fogo, onde seu verme não morre e o fogo não se apaga." Mc 9,43-48
    E nem sempre Ele Se dispunha, senão comprovando verdadeira fé, a resolver todos os casos: "Jesus partiu dali e retirou-Se para os arredores de Tiro e Sidônia. E eis que uma cananeia, originária daquela terra, gritava: 'Senhor, Filho de Davi, tem piedade de mim! Minha filha está cruelmente atormentada por um demônio.' Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Seus discípulos vieram a Ele e com insistência disseram-Lhe: 'Despede-a, ela persegue-nos com seus gritos.' Jesus respondeu-lhes: 'Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da Casa de Israel.' Mas aquela mulher veio prostrar-se diante d'Ele, dizendo: 'Senhor, ajuda-me!' Jesus respondeu-lhe: 'Não convém jogar aos cachorrinhos o pão dos filhos.' 'Certamente, Senhor', replicou-Lhe ela, 'mas os cachorrinhos ao menos comem as migalhas que caem da mesa de seus donos...' Disse-lhe, então, Jesus: 'Ó mulher, grande é tua fé! Seja-te feito como desejas.' E na mesma hora sua filha ficou curada."Mt 15,21-28
    Vexações, obsessões e possessões, com efeito, quase sempre são acompanhadas de doenças que resultam do pecado: "Eis que Lhe apresentaram um paralítico estendido numa padiola. Jesus, vendo a fé daquela gente, disse ao paralítico: 'Meu filho, coragem! Teus pecados são-te perdoados.' Ouvindo isto, alguns escribas murmuraram entre si: 'Este homem blasfema.' Jesus, penetrando-lhes os pensamentos, perguntou-lhes: 'Por que pensais mal em vossos corações? Que é mais fácil dizer: Teus pecados são-te perdoados, ou: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra o poder de perdoar os pecados: Levanta-te - disse Ele ao paralítico -, toma tua maca e volta para tua casa.'" Mt 9,2-6
    Há casos, porém, em que ocorre o inverso: a possessão dá-se por conta da enfermidade: "Logo que se foram, apresentaram-Lhe um mudo, possuído do demônio. O demônio foi expulso, o mudo falou e a multidão exclamava com admiração: 'Jamais se viu algo semelhante em Israel.'" Mt 9,32-33
    Contudo, vale notar, na casa do centurião, São Pedro falou tão somente em cura de endemoniados, ou seja, não deu azo a nenhum caso de enfermidade meramente física: "Vós sabeis como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com o poder, como Ele andou fazendo o bem e curando todos oprimidos do demônio, porque Deus estava com Ele." At 10,38
    E o próprio Jesus apontou, ao menos uma vez, uma enfermidade como ação direta de Satanás: "Ali vivia uma mulher que, havia dezoito anos, era possessa de um espírito que a detinha doente: andava curvada e não podia absolutamente erguer-se. Ao vê-la, Jesus chamou-a e disse-lhe: 'Estás livre de tua doença.' Impôs-lhe as mãos e no mesmo instante ela endireitou-se, glorificando a Deus. 'Esta filha de Abraão, que Satanás paralisava há dezoito anos, não devia ser livre desta prisão, em dia de sábado?'" Lc 13,11-13.16
    Mesmo gente que viria a ser Santa caiu refém de maus espíritos: "Os Doze estavam com Ele, como também algumas mulheres que tinham sido livradas de malignos espíritos e curadas de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios..." Lc 8,2
    Por isso, após alguns tempos de vida pública, Jesus já não mais ocultava nem Sua missão nem Seu tempo aqui na terra: "... eis que expulso demônios e faço curas hoje e amanhã..." Lc 13,32
    A escolha dos Apóstolos, no mesmo sentido, havia sido acompanhada de uma dotação de poderes bem específicos, que auxiliavam Jesus na edificação de Sua Igreja: "Reunindo Jesus os Doze Apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos demônios, e para curar enfermidades." Lc 9,1
    São Marcos relatou a instituição dos Doze explícita e sinteticamente assim: "Ele os enviaria a pregar, com o poder de expulsar os demônios." Mc 3,15
    Segundo São Mateus, essas foram Suas Palavras: "Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. Recebestes de graça, de graça dai!" Mt 10,8
    E, de fato, eles tiveram muito trabalho: "Expeliam numerosos demônios, ungiam com óleo a muitos enfermos e curavam-nos." Mc 6,13
    Mas nem sempre eles o conseguiam, como Jesus teve que ensinar: "Quanto a esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum." Mt 17,20
    Aliás, até mesmo um de Seus Apóstolos tornou-se vítima do próprio inimigo: "Em seguida, Jesus molhou o pão e deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. Logo que ele o engoliu, Satanás entrou nele." Jo 13,26-27
    E nem todos que dizem realizar exorcismos estão servindo a Jesus, como Ele mesmo sentenciou: "Muitos Me dirão naquele Dia: 'Senhor, Senhor, não pregamos nós em Vosso Nome, e não foi em Vosso Nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres?' E, no entanto, Eu lhes direi: 'Nunca vos conheci. Retirai-vos de Mim, maus operários!'" Mt 7,22-23
    Alguns que se julgam capacitados passam por verdadeiros maus momentos, como conta São Lucas este passagem em Éfeso: "Alguns judeus exorcistas, que percorriam vários lugares, inventaram invocar o Nome do Senhor Jesus sobre aqueles que se achavam possessos dos espíritos malignos, com estas palavras: 'Esconjuro-vos por Jesus, a Quem Paulo prega.' Assim procediam os sete filhos de um judeu chamado Cevas, sumo sacerdote. Mas o espírito maligno replicou-lhes: 'Conheço Jesus e sei quem é Paulo. Mas vós, quem sois?' Nisto, o homem possuído do espírito maligno, saltando sobre eles, apoderou-se de dois deles e subjugou-os de tal maneira que tiveram que fugir daquela casa feridos e com as roupas estraçalhadas." At 19,13-16
    Ao passo que os que realmente receberam esse dom, são verdadeiros seguidores do Cristo: "João disse-Lhe: 'Mestre, vimos alguém, que não nos segue, expulsar demônios em Teu Nome, e proibimo-lho.' Jesus, porém, disse-lhe: 'Não lho proibais, porque não há ninguém que faça um prodígio em Meu Nome e em seguida possa falar mal de Mim. Pois quem não é contra nós, é a Nosso favor." Mc 9,38-40


PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO

    Foi, pois, pela ostensiva manifestação do Espírito Santo que Jesus exorcizou. Foi assim, como visto, que Ele instaurou o Reino dos Céus entre nós: "Mas se é pelo Espírito de Deus que expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus." Mt 12,28
    De fato, Ele declarou-o desde Seu discurso inaugural, quando proclamou abertamente a libertação dos cativos, segundo a profecia de Isaías: "O Espírito do Senhor repousa sobre Mim, porque o Senhor consagrou-Me pela unção. Ele enviou-Me a levar a Boa Nova aos humildes, curar os corações doloridos, anunciar aos cativos a Redenção, e aos prisioneiros a liberdade..." Is 61,1
    O Cristo, portanto, trazia em Si a plenitude dos dons do Divino Paráclito: "Sobre Ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de Sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor." Is 11,2
    Esse foi o poder dado por Jesus aos Apóstolos, e assim à Igreja, quando os ungiu com o Divino Paráclito para reconciliar o povo com Deus através do Sacramento da Confissão: "'Como o Pai Me enviou, também Eu vos envio.' Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: 'Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.'" Jo 20,21-23
    E numa maravilhosa 'surpresa', o Espírito de Deus faria até mais: viria sobre todos os cristãos, como aconteceu no Pentecostes profetizado por Joel: "Depois disso, acontecerá que derramarei Meu Espírito sobre todo ser vivo: vossos filhos e vossas filhas profetizarão; vossos anciãos terão sonhos, e vossos jovens terão visões." Jl 3,1
    Os fieis, no entanto, d'Ele não receberam poder para expulsar maus espíritos, como Jesus instituiu os Apóstolos e assim foi transmitido aos Seus Sacerdotes. Receberam, na verdade, o Espírito Santo para obedecer à Sã Doutrina, como diz São Pedro logo no início de sua primeira carta: "... eleitos segundo a presciência de Deus Pai, e santificados pelo Espírito para obedecer a Jesus Cristo..." 1 Pd 1,2a
    Sem dúvida, mais que tudo São Paulo vai exaltar no Pentecostes nossa mera libertação do pecado, o que absolutamente não é pouco: "A Lei do Espírito de Vida libertou-me, em Jesus Cristo, da lei do pecado e da morte. O que era impossível à Lei, visto que a carne a tornava impotente, Deus o fez. Enviando, por causa do pecado, Seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne, a fim de que a justiça prescrita pela Lei fosse realizada em nós que vivemos não segundo a carne, mas segundo o Espírito. Ora, a aspiração da carne é a morte, enquanto a aspiração do Espírito é a vida e a Paz. Porque o desejo da carne é hostil a Deus, pois a carne não se submete à Lei de Deus, e nem o pode. Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus. Se alguém não possui o Espírito de Cristo, este não é d'Ele." Rm 8,2-4.6-8.9b
    E fala de nossa obrigatória resistência ao Mal: "Ademais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para esbofetear-me e livrar-me do perigo da vaidade. Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim, mas Ele disse-me: 'Basta-te Minha Graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente Minha força.' Portanto, prefiro gloriar-me de minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo." 2 Cor 12,7-9
    Assim, a despeito de casos que representem alguma urgência, nos quais se recomenda a intensa leitura dos primeiros Salmos e a evocação da proteção da Santíssima Virgem, o Catecismo da Igreja ensina: "Quando a Igreja exige publicamente e com autoridade, em Nome de Jesus Cristo, que uma pessoa ou objeto seja protegido contra a influência do maligno e subtraído a seu domínio, fala-se de exorcismo. Jesus praticou-o, é d'Ele que a Igreja recebeu o poder e o encargo de exorcizar. Sob uma forma simples, o exorcismo é praticado durante a celebração do Batismo. O exorcismo solene, chamado 'grande exorcismo', só pode ser praticado por um sacerdote, com a permissão do bispo. Nele é necessário proceder com prudência, observando estritamente as regras estabelecidas pela Igreja. O exorcismo visa expulsar os demônios ou livrar da influência demoníaca, e isto pela autoridade espiritual que Jesus confiou à Sua Igreja. Bem diferente é o caso de doenças, sobretudo psíquicas, cujo tratamento depende da ciência médica. É importante, pois, verificar antes de celebrar o exorcismo se se trata de uma presença do maligno ou de uma doença." CIC § 1673

    "Socorrei, com bondade, os que Vos buscam!"