sexta-feira, 3 de abril de 2020

O Espírito de Cristo


    São Pedro disse sobre São Paulo: "Reconhecei que a longa paciência de Nosso Senhor vos é salutar, como também vos escreveu vosso caríssimo irmão Paulo, segundo o dom de Sabedoria que lhe foi dado. É o que ele faz em todas suas cartas, nas quais fala destes assuntos. Nelas há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para sua própria ruína, como também o fazem com as demais Escrituras." 2 Pd 3,15-16

    Extrato da Carta de São Paulo ao Romanos:

    "A Lei do Espírito de Vida libertou-me, em Jesus Cristo, da lei do pecado e da morte. O que era impossível à Lei, visto que a carne a tornava impotente, Deus fez. Enviando, por causa do pecado, Seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne a fim de que a justiça prescrita pela Lei fosse realizada em nós que vivemos não segundo a carne, mas segundo o espírito. Os que vivem segunde a carne gostam do que é carnal, os que vivem segundo o espírito apreciam as coisas que são do espírito.
    Ora, a aspiração da carne é a morte, enquanto a aspiração do espírito é a Vida e a Paz. Porque o desejo da carne é hostil a Deus, pois a carne não se submete à Lei de Deus, e nem o pode. Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus.
    Vós, porém, não viveis segundo a carne, mas segundo o espírito, se é que o Espírito de Deus realmente habita em vós. Se alguém não possui o Espírito de Cristo, este não é d'Ele. Ora, se Cristo está em vós, o corpo, em verdade, está morto pelo pecado, mas o espírito vive pela justificação. Se o Espírito d'Aquele que ressuscitou Jesus dos mortos habita em vós, Ele, que ressuscitou Jesus Cristo dos mortos, também dará a Vida a vossos corpos mortais, através de Seu Espírito que em vós habita.
    Portanto, irmãos, não somos devedores da carne, para que vivamos segundo a carne. De fato, se viverdes segundo a carne, haveis de morrer, mas se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis, pois todos que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Porquanto não recebestes um espírito de escravidão para ainda viverdes no temor, mas recebestes o Espírito de Adoção, pelo Qual clamamos: 'Aba!', Pai!
    O Espírito mesmo dá testemunho ao nosso espírito de que somos filhos de Deus. E se filhos, também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, contanto que com Ele soframos para que com Ele também sejamos glorificados.
    Tenho para mim que os sofrimentos da presente vida não têm proporção alguma com a futura Glória que nos deve ser manifestada. Por isso, a Criação ansiosamente aguarda a manifestação dos filhos de Deus. Pois a Criação foi sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por vontade daquele que a sujeitou, todavia com a esperança de também ser libertada do cativeiro da corrupção, para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus. Pois sabemos que toda criação geme e sofre como que dores de parto até o presente dia.
    Não só ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a Redenção de nosso corpo. Porque pela esperança é que fomos salvos. Ora, ver o objeto da esperança já não é esperança. Porque o que alguém vê, como é que ainda o espera? Nós que esperamos o que não vemos, é em paciência que o aguardamos.
    De toda forma, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza, porque não sabemos o que devemos pedir nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com inefáveis gemidos. E Aquele que perscruta os corações sabe o que deseja o Espírito, pois é segundo Deus que Ele intercede pelos Santos. Aliás, sabemos que todas coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo Seus desígnios.
    Que diremos depois disso? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou Seu próprio Filho, mas que O entregou por todos nós, como também não nos dará com Ele todas coisas? Quem poderia acusar os escolhidos de Deus? É Deus Quem os justifica! Quem os condenará? Cristo Jesus, que morreu, ou melhor, que ressuscitou, que está à mão direita de Deus, é Quem intercede por nós! Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação? A angústia? A perseguição? A fome? A nudez? O perigo? A espada?
    Está escrito: 'Por amor de Ti, o dia inteiro somos entregues à morte, somos tratados como gado destinado ao matadouro (Sl 43,23)'. Mas em todas essas coisas somos mais que vencedores pela virtude d'Aquele que nos amou. Pois estou persuadido de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potestades, nem as alturas, nem os abismos, nem qualquer outra criatura nos poderá apartar do amor que Deus nos testemunha em Cristo Jesus, Nosso Senhor." Rm 8,2-28.31-39


O PENSAMENTO DE CRISTO

     Após ensinar o Pai Nosso, e falando sobre a 'força' que nos move tanto para o perdão como para a caridade material, Jesus explicou: "Portanto, Eu digo-lhes: pedi, e dar-se-vos-á! Buscai, e achareis! Batei, e abrir-se-vos-á a porta! Pois todo aquele que pede, recebe; todo aquele que busca, acha; e ao que bater, abrir-se-lhe-á. Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais Vosso Pai Celestial dará o Espírito Santo aos que LhO pedirem." Lc 11,9-10.13
    Realmente falava de especiais e inovadores vocações e dons: "Mas se é pelo Espírito de Deus que Eu expulso os demônios, então para vós chegou o Reino de Deus." Mt 12,28
    E firmou esta condição de ser Igreja: "... mas o Espírito Santo descerá sobre vós e dar-vos-á força. E sereis Minhas testemunhas em Jerusalém, em toda Judeia e Samaria e até os confins do mundo." At 1,8
    São Paulo diz do magistério e da autoridade da Igreja: "Por conseguinte, desprezar estes preceitos é desprezar não a um homem, mas a Deus, que nos infundiu Seu Santo Espírito." 1 Ts 4,8
    Ele denuncia aqueles que se apegam ao Antigo Testamento, que em Jesus foi elevado à perfeição: "Apenas isto quero saber de vós: recebestes o Espírito pelas práticas da Lei ou pela aceitação da fé? Sois assim tão levianos? Depois de terdes começado pelo Espírito, quereis agora acabar pela carne?" Gl 2,2-3
    E assim assinalava a vacilação dos gálatas, bem como o fim da Antiga Aliança: "Já estais separados de Cristo, vós que procurais a justificação pela Lei. Decaístes da Graça. Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito, não estais sob a Lei." Gl 5,4.18
    Exaltava, pois, o poder do Espírito Santo: "O pecado já não vos dominará, porque agora não estais mais sob a Lei, e sim sob a Graça." Rm 6,14
    Proclamava: "Não há dúvida de que vós sois uma carta de Cristo, redigida por nosso Ministério e escrita, não com tinta, mas com o Espírito de Deus Vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, em vossos corações. Tal é a convicção que por Cristo temos em Deus." 2 Cor 3,3-4
    E não hesitou em reconhecer: "Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado." Rm 5,5b
    Ao acusar o Sinédrio pelo Sacrifício de Cristo, São Pedro esclarece como é possível receber o Santo Paráclito: "... o Espírito Santo, que Deus deu a todos que Lhe obedecem." At 5,32
    Consagrando a importância da obediência, sob todos aspectos, ele também explicou a finalidade desta unção, e assim fechou o ciclo, dizendo que somos "... santificados pelo Espírito, para obedecer a Jesus Cristo..." 1 Pd 1,2a
    Inspiradamente, Santo Estevão não acusou o Sinédrio de desobedecer a Deus Pai, mas em específico às moções do Divino Paráclito: "Homens de dura cerviz, e de incircuncisos corações e ouvidos! Vós sempre resistis ao Espírito Santo. Como procederam vossos pais, assim também procedeis vós! A qual dos Profetas não perseguiram vossos pais? Mataram os que prediziam a Vinda do Justo, do Qual agora vós tendes sido traidores e homicidas." At 7,51-52
    A Igreja, ao contrário, tem perseverado justamente por obedecer ao Paráclito, como vemos na decisão do Concílio de Jerusalém que São Tiago Menor mandou redigir, na qual veda preceitos dos Antigo Testamento: "Com efeito, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor outro peso além do indispensável seguinte..." At 15,28
    Eram tais decisões que pregavam São Paulo e São Timóteo em suas missões: "Nas cidades pelas quais passavam, ensinavam que observassem as decisões que haviam sido tomadas pelos Apóstolos e Anciãos em Jerusalém. Assim as igrejas eram confirmadas na fé, e dia a dia cresciam em número. Ao chegarem aos confins da Mísia, tencionavam seguir para a Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu." At 16,4-5.7
    Assim foi que os pagãos abraçaram o Evangelho, como São Pedro atestou na casa do centurião Cornélio: "Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a seu respeito, dando-lhes o Espírito Santo da mesma forma que a nós." At 15,8
    Como no trecho acima da carta aos romanos, onde sustenta que só pelo Espírito de Cristo nos é possível vencer o pecado, São Paulo fala a São Tito da 'profusão' do Paráclito que nos renova: "E não por causa de obras de justiça que tivéssemos praticado, mas unicamente em virtude de Sua Misericórdia, Ele salvou-nos mediante o Batismo da regeneração e renovação, pelo Espírito Santo que em profusão nos foi concedido por meio de Cristo, Nosso Salvador." Tt 3,4.5-6
    São João Batista disse o mesmo sobre esse dom, ao testemunhar a unção de Deus sobre Jesus: "... porque Ele concede o Espírito sem medidas." Jo 3,34
    Pois, como São Lucas afirma, foi através do Santo Paráclito que Jesus instruiu os Apóstolos. Este evangelista diz ter registrado "... todas coisas que Jesus fez e ensinou, desde o início até o dia em que foi arrebatado aos Céus, depois de ter dado pelo Espírito Santo Suas instruções aos Apóstolos que escolhera." At 1,1b-2
    São João Evangelista também O tinha como sinal de obediência: "Eis Seu Mandamento: que creiamos no Nome do Seu Filho Jesus Cristo, e amemo-nos uns aos outros como Ele nos mandou. Quem observa Seus Mandamentos permanece em Deus e Deus nele. É nisto que reconhecemos que Ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu." 1 Jo 3,23-24
    Ele dá esses detalhes: "Nisto se reconhece o Espírito de Deus: todo espírito que proclama que Jesus Cristo Se encarnou, é de Deus. Todo espírito que não proclama Jesus, não é de Deus, mas é o espírito do Anticristo de cuja vinda tendes ouvido, e agora já está no mundo. Vós, filhinhos, sois de Deus, e venceste-los, porque Aquele que está em vós é maior que aquele que está no mundo. Eles são do mundo. É por isto que falam segundo o mundo, e o mundo ouve-os. Nós, porém, somos de Deus. Quem conhece a Deus, ouve-nos; quem não é de Deus, não nos ouve. É nisto que conhecemos o Espírito da Verdade e o espírito do erro. Se mutuamente nos amarmos, Deus permanece em nós e Seu amor em nós é perfeito. Nisto é que conhecemos que estamos n'Ele e Ele em nós, por Ele ter-nos dado Seu Espírito." 1 Jo 4,2-6.12b-3
    E versando sobre Jesus, arremata: "É assim que conhecemos se estamos n'Ele: aquele que afirma n'Ele permanecer, também deve viver como Ele viveu." 1 Jo 2,5b-6
    Os seguidores de São Paulo pertinentemente nomearam o Santo Paráclito como Autor da Graça: "Quanto pior castigo julgais que merece quem calcar aos pés o Filho de Deus, profanar o Sangue da Aliança, em que foi santificado, e ultrajar o Espírito Santo, Autor da Graça!" Hb 10,29
    Aos coríntios, São Paulo fala do Divino Espírito como a garantia da Eterna Aliança: "Pois, enquanto permanecemos nesta tenda, gememos oprimidos: desejamos ser não despojados, mas revestidos com uma nova veste por cima da outra, de modo que o que há de mortal em nós seja absorvido pela Vida. Aquele que nos formou para este destino é o próprio Deus, que por penhor nos deu Seu Espírito. Por isso sempre estamos cheios de confiança: sabemos que todo tempo que passamos no corpo é um exílio longe do Senhor." 2 Cor 5,4-6
    E discorrendo sobre o Mistério de Cristo aos efésios, ele fala de Seu Espírito como um selo: "N'Ele também vós, depois de terdes ouvido a Palavra da Verdade, o Evangelho de vossa Salvação no qual tendes crido, fostes selados com o Espírito Santo que fora prometido, que é o penhor da nossa herança, enquanto esperamos a completa redenção daqueles que Deus adquiriu para o louvor da Sua Glória." Ef 1,13-14
    Aliás, como ele havia dito aos próprios coríntios: "Ora, Quem confirma a nós e a vós em Cristo, e consagrou-nos, é Deus. Ele marcou-nos com Seu selo e aos nossos corações deu o penhor do Espírito." 2 Cor 1,21-22
    E disse de Seu Ministério: "Ora, o Senhor é o Espírito, e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade." 2 cor 3,17
    Porque sabia que só movidos por Ele temos a Comunhão: "A Graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a Comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós!" 2 Cor 13,13
    De fato, "... quem se une ao Senhor, com Ele torna-Se um só Espírito." 1 Cor 6,17b
    E assim justificou aos filipenses o incondicional anúncio do Evangelho: "Pois sei que isto me resultará em Salvação, graças às vossas orações e ao socorro do Espírito de Jesus Cristo." Fl 1,19
    Garantia, enfim, aos gálatas: "A prova de que sois filhos é que aos vossos corações Deus enviou o Espírito de Seu Filho, que clama: 'Aba!', Pai! Portanto já não és escravo, mas filho. E se és filho, então também és herdeiro de Deus." Gl 4,7


    O sagrado autor deu d'Ele este conceito, falando sobre a Sabedoria: "Nela há, com efeito, um Espírito inteligente, santo, único, múltiplo, sutil, móvel, penetrante, puro, claro, inofensivo, inclinado ao bem, agudo, livre, benéfico, benévolo, estável, seguro, livre de inquietação, que tudo pode, que de tudo cuida, que em todos espíritos penetra: os inteligentes, os puros, os mais sutis." Sb 7,22-23
    Mas também adverte: "A Sabedoria não entrará na perversa alma, nem habitará no corpo sujeito ao pecado. O Espírito Santo Educador das almas fugirá da perfídia, afastar-Se-á de insensatos pensamentos, e a iniquidade que está por vir O repelirá." Sb 1,4-5
    Como inequívoco sinal de Deus para Israel, o Divino Espírito manifestou-Se no Profeta Ezequiel antes da destruição de Jerusalém: "'Filho do Homem', dizia-me, 'fica de pé, porque Eu te falo!' Enquanto Ele me falava, em mim entrou o Espírito e fez-me ficar de pé. Então ouvi Aquele que me falava. 'Filho do Homem', dizia-me, 'envio-te aos israelitas, a essa nação de rebeldes, revoltada contra Mim, a qual, do mesmo modo que seus pais, contra Mim vem pecando até este dia. É a esses filhos de dura testa e insensível coração que te envio, para dizer-lhes: 'Oráculo do Senhor Javé!' Quer te ouçam ou não, pois é uma indomável raça, hão de ficar sabendo que há um Profeta em meio a eles!" Ez 2,2-5
    E Isaías profetizou-O como a marca de Cristo: "Um Renovo sairá do tronco de Jessé, um Rebento brotará de suas raízes. Sobre Ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de Sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor." Is 11,1-2

    Extratos da Primeira e da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios:

    "É como está escrito: 'O que os olhos não viram, os ouvidos ouviram (Is 64,3), e o coração do homem não imaginou (Jr 3,16), isso Deus preparou para aqueles que O amam (Eclo 1,10).'
    Todavia, Deus no-las revelou por Seu Espírito, porque o Espírito tudo penetra, mesmo as profundezas de Deus. Pois quem conhece as coisas que há no homem, senão o espírito do homem que nele reside? Assim também as coisas de Deus, ninguém as conhece senão o Espírito de Deus. Ora, nós não recebemos o espírito do mundo, mas sim o Espírito que vem de Deus, que nos dá a conhecer as Graças que Deus nos prodigalizou e que pregamos numa linguagem que nos foi ensinada não pela sabedoria humana, mas pelo Espírito, que exprime as coisas espirituais em termos espirituais.
    Mas o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, pois para ele são loucuras. Nem pode compreendê-las, porque é pelo Espírito que devem ponderá-las. O homem espiritual, ao contrário, julga todas coisas e não é julgado por ninguém. 'Quem instruiu o Espírito do Senhor ou que conselheiro Lhe deu lições (Is 40,13)?' Nós, porém, temos o pensamento de Cristo." 1 Cor 2,9-16

    "Nós aniquilamos todo raciocínio e todo orgulho que se levanta contra o conhecimento de Deus, e cativamos todo pensamento e reduzimo-lo à obediência a Cristo.
    Não que por nós mesmos sejamos capazes de algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus. Ele é que nos fez aptos para ser Ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.
    Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal Glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face, embora transitório, quanto mais glorioso não será o Ministério do Espírito? Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais em Glória há de sobrepujá-lo o Ministério da Justificação! Aliás, sob esse aspecto e em comparação a esta Glória, eminentemente superior, empalidece a Glória do primeiro ministério. Se o transitório era glorioso, muito mais glorioso é o que permanece!" 2 Cor 10,5;3,5-11

    "Mandai Vosso Espírito Santo!"