domingo, 8 de abril de 2018

A Divina Misericórdia


    Pelo imenso amor que Deus nos tem, sabemos que podemos contar com Sua compaixão a qualquer momento. Essa paternal solicitude é facilmente percebida pelo carinhoso modo como Jesus O chamava, usando o termo 'paizinho' em aramaico: "Aba!', suplicava Ele. 'Tudo Te é possível!'" Mc 14,36
    Senso comum, há muito o salmista já atestava: "Louvai o Senhor porque Ele é bom, e Sua Misericórdia é eterna." Sl 105,1
    E para bem fixarmos, o Salmo 135 repete a cada versículo: "... porque eterna é Sua Misericórdia."
    O Eclesiástico considerou a Misericórdia de Deus tão grande quanto Ele mesmo: "... pois tamanha é Sua grandeza, tão grande é Sua Misericórdia!" Eco 2,23
    O Segundo Livro de Macabeus vai ainda mais longe, dizendo de modo categórico: "... Ele nunca retira de nós Sua Misericórdia." 2 Mb 6,16
    E como todos já devemos ter percebido, Ele demora a irritar-Se. De íntimo contato com Ele, Moisés dizia: "Deus compassivo e misericordioso, lento para a cólera..." Ex 34,6
    São Pedro registrou: "O Senhor não retarda o cumprimento de Sua promessa, como alguns pensam, mas usa de paciência para convosco. Não quer que alguém pereça; ao contrário, quer que todos se arrependam." 2 Pd 3,9
    Tal compreensão fez com que São Paulo adotasse este comportamento: "Fazei como eu: em todas as circunstâncias procuro agradar a todos. Não busco meus próprios interesses, mas os interesses dos outros, para que todos sejam salvos." 1 Cor 10,33
    É exatamente isso que Jesus ensina no Sermão da Montanha: "Tendes ouvido o que foi dito: 'Amarás teu próximo e poderás odiar teu inimigo.' Eu, porém, digo-vos: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e perseguem. Deste modo, sereis os filhos de Vosso Pai do Céu, pois Ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos." Mt 5,43-45
    No entanto, se Deus é lento para irar-Se não significa que seja ineficaz ou injusto. Analisando apenas pela rapidez, seja para perdoar, seja para punir, o Eclesiástico adverte do erra da presunção: "Não digas: 'Pequei, e o que me aconteceu de mal?', pois o Senhor é lento para castigar. A propósito de um pecado perdoado, não estejas sem temor, e não acrescentes pecado sobre pecado. Não digas: 'A Misericórdia do Senhor é grande, Ele terá piedade da multidão dos meus pecados', pois piedade e cólera são n'Ele igualmente rápidas, e Seu furor visa aos pecadores. Não demores em te converteres ao Senhor, não adies de dia em dia, pois Sua cólera virá de repente, e Ele te perderá no Dia do Castigo." Eclo 5,4-10
    O Pai Eterno revelou, através do Profeta Isaías, um flagrante de Sua reação contra os pecados de Jerusalém: "Num acesso de cólera, volvi de ti Minha face. Mas no Meu eterno amor, tenho compaixão de ti." Is 54,8
    E o livro da Sabedoria pondera: "Mostrais Vossa força aos que não creem no Vosso poder, e confundis os que a não conhecem e ousam afrontá-la. Mas, dominando Vossa força, julgais com bondade e governai-nos com grande indulgência, porque sempre Vos é possível empregar Vosso poder, quando quiserdes. Agindo desta maneira, mostrastes a Vosso povo que o justo deve ser cheio de bondade, e inspirastes a Vossos filhos a boa esperança de que, após o pecado, lhes dareis tempo para a penitência. Porque se os inimigos de Vossos filhos, dignos de morte, Vós haveis-os castigado com tanta prudência e longanimidade, dando-lhes tempo e ocasião para emendarem-se, com quanto cuidado não julgareis Vós os Vossos filhos, a cujos antepassados concedestes com juramento Vossa Aliança, repleta de ricas promessas?" Sb 12,17-21
    Jesus, ademais, usou de Sua autoridade para reafirmar a compaixão como mais valiosa que qualquer ritual, quando citou o Profeta Oseias perante os fariseus: "Ide e aprendei o que significam estas palavras: 'Eu quero misericórdia e não sacrifício'(Os 6,6)". Mt 9,13
    Condenou também os mecânicos rituais que põem de lado a Verdade, a compaixão e a obediência: "Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Pagais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e desprezais os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia, a fidelidade." Mt 23,23
    Porque nossas ofertas não são bem aceitas por Deus se não vivemos em Paz com o próximo. Jesus ensinou que, estejamos errados ou não, em casos de intrigas devemos sempre tomar a iniciativa de pedir perdão a nossos irmãos: "Se estás, portanto, para fazer tua oferta diante do altar e lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer tua oferta." Mt 5,23-24
    E com toda propriedade, enquanto Deus, Ele creditava os milagres que fazia à Divina Misericórdia: "'Vai para casa, para junto dos teus, e anuncia-lhes tudo que o Senhor fez por ti, em Sua Misericórdia.' Foi-se ele e começou a publicar, na Decápole, tudo que Jesus lhe havia feito. E todos se admiravam." Mc 5,19-20
    Em sua puríssima inspiração, Nossa Senhora também falou sobre a divina compaixão. Foi quando recitou o Magnificat, cântico que ela mesma compôs a partir de suas frequentes leituras das Escrituras: "... e Sua Misericórdia estende-se de geração em geração sobre aqueles que O temem." Lc 1,50
    Entretanto, Deus pareceu ser arbitrário numa resposta que deu a Moisés: "... pois dou Minha Graça a quem Eu quero dar Minha Graça, e uso de Misericórdia com quem Eu quero usar de Misericórdia." Ex 33,19
    Mas como disse São Paulo, Ele sabe muito bem a quem a favorece: "... mostrando as riquezas da Sua Glória para com aqueles que são objeto de Sua Misericórdia..." Rm 9,23
    Pois como ele revelou ao descrever a experiência de judeus e de não judeus, todos nós devemos aprender com os erros uns dos outros: "Assim como vós antes fostes desobedientes a Deus, e agora obtivestes Misericórdia com a desobediência deles, assim eles são incrédulos agora, em conseqüência da Misericórdia feita a vós, para que eles também mais tarde alcancem, mais uma vez, a Misericórdia. Deus encerrou a todos na desobediência, para com todos usar de Misericórdia. Ó abismo de riqueza, de Sabedoria e de ciência em Deus! Quão impenetráveis são Seus juízos e inexploráveis Seus Caminhos!" Rm 11,30-32
    E cita sua própria história: "Se encontrei Misericórdia, foi para que Jesus Cristo manifestasse toda Sua longanimidade primeiro em mim, e eu servisse de exemplo para todos aqueles que, a seguir, n'Ele crerem, para a Vida Eterna." 1 Tm 1,16
    O livro da Sabedoria explica que essa compaixão do Pai se dá pela sutil presença do Espírito Santo em Seus filhos, que trabalha para nossa Salvação: "Vosso Incorruptível Espírito está em todos. É por isso que com brandura castigais aqueles que caem, e adverti-os mostrando-lhes em que pecam, a fim de que rejeitem sua malícia e creiam em Vós, Senhor." Sb 12,1-2
    Nosso renascer pelas Água do Batismo e pela Confirmação da Crisma, portanto, bem como nossa esperança, são dádivas de Seu amor, e para o mesmo fim. Diz São Pedro: "Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo. Em Sua grande Misericórdia, pela Ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, Ele fez-nos nascer de novo, para uma viva esperança, para uma incorruptível herança, que não se mancha nem murcha, e que é reservada para vós nos Céus." 1 Pd 1,3-4
    E assim a própria Salvação, que não nos é dada por nosso merecimento. São Paulo escreve a São Tito: "E não por causa de obras de justiça que tivéssemos praticado, mas unicamente em virtude de Sua Misericórdia, Ele salvou-nos..." Tt 3,5
    São Judas Tadeu, no mesmo sentido, atribui à Divina Misericórdia desde a Graça de entrarmos para a eternidade: "Conservai-vos no amor de Deus, aguardando que a Misericórdia de Nosso Senhor Jesus Cristo nos conceda a Vida Eterna." Jd 1,21
    E São Tiago Menor garante que, se usarmos de compaixão para com nossos irmãos, não precisaremos temer o Juízo: "A misericórdia triunfa sobre o Julgamento." Tg 2,13


"SEM LIMITES É SUA MISERICÓRDIA"

    Contudo, Jesus parece ter avisado de um pecado que não teria perdão: "Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca será perdoado, pois a culpa desse pecado dura para sempre." Mc 3,29
    À luz do próprio Espírito Santo que inspirou as Escrituras, porém, a Igreja sempre entendeu que Ele falava do perdão gratuitamente oferecido por Deus, que é dado mesmo sem que seja pedido. Para este pecado, portanto, é necessário que haja o arrependimento do pecador, ou seja, a Confissão, pois, para que Sua Misericórdia pudesse ser manifesta num ato concreto, e por ser a reconciliação com Deus em essência a missão da Igreja, Jesus instituiu este Sacramento, oferecendo a Seus Sacerdotes, note-se, total e absoluta autonomia para decidir sobre o perdão: "Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: 'Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.'" Jo 20,22-23
    Ora, através do Profeta Isaías, por uma sincera conversão Deus prometeu o impensável ao quase sempre empedrado coração humano: "Se vossos pecados forem escarlates, tornar-se-ão brancos como a neve! Se forem vermelhos como a púrpura, ficarão brancos como a lã!" Is 1,18b
    O salmista até tentou estabelecer um parâmetro: "O Senhor é bom e misericordioso, lento para a cólera e cheio de clemência. Ele não está sempre a repreender, nem é eterno Seu ressentimento. Não nos trata segundo nossos pecados, nem nos castiga em proporção de nossas faltas, porque tanto os céus distam da terra quanto Sua Misericórdia é grande para os que O temem; tanto o Oriente dista do Ocidente quanto Ele afasta de nós nossos pecados." Sl 102,8-12
    Pois mediante pedido de perdão, não existe pecado que Ele não perdoe: "... sem limites é Sua Misericórdia... " Sl 116,2
    Do contrário, Jesus não nos teria ensinado a perdoar infinitamente: "Se teu irmão pecar, repreende-o; se se arrepender, perdoa-lhe. Se pecar sete vezes no dia contra ti, e sete vezes no dia vier procurar-te, dizendo: 'Estou arrependido', perdoa-lhe." Lc 17,3-4
    E tão surpreendente foi esse ensinamento que, em outra situação, São Pedro quis compreendê-lo com mais precisão: "Então Pedro aproximou-se d'Ele e disse: 'Senhor, quantas vezes devo perdoar a meu irmão, quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?' Respondeu Jesus: 'Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.'" Mt 18,21-22
    Com efeito, ao bom ladrão, que não foi batizado e arrependeu-se apenas quando já estava crucificado, Jesus garantiu: "Em verdade, digo-te: hoje mesmo estarás Comigo no Paraíso." Lc 23,43
    E aquela mulher que foi flagrada em adultério, situação que a Lei prevê apedrejamento, Ele também tratou com absoluta compaixão, embora tenha deixado um aviso: "'Mulher, onde estão os que te acusavam? Ninguém te condenou?' Respondeu ela: 'Ninguém, Senhor.' Disse-lhe então Jesus: 'Nem Eu te condeno. Vai e não tornes a pecar.'" Jo 8,11
    Foi isso que Ele pediu ao doutor da Lei, que questionou quem seria seu próximo quando contou a parábola do bom samaritano: "'Qual destes três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?' Respondeu o doutor: 'Aquele que usou de misericórdia para com ele.' Então lhe disse Jesus: 'Vai, e faze tu o mesmo.'" Lc 10,36-37
    Para convencer-nos da absoluta importância desta prática, Jesus evocava o exemplo do próprio Pai: "Sede misericordiosos, como também Vosso Pai é misericordioso." Lc 6,36
    E recomenda-a em todas nossas orações: "E quando vos puserdes de pé para orar, perdoai, se tiverdes algum ressentimento contra alguém, para que também Vosso Pai, que está nos Céus, perdoe-vos vossos pecados." Mc 11,25
    Não por acaso, Ele ensinou a pedir no Pai Nosso: "... perdoai nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido..." Mt 6,12
    É o mesmo que vai pedir São Paulo: "Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós." Cl 3,12-13
    Ele lista a falta de misericórdia como resultado da perda da Divina Graça: "Como não se preocupassem em adquirir o conhecimento de Deus, Ele entregou-os a depravados sentimentos, e daí seu indigno procedimento. São insensatos, desleais, sem coração, sem misericórdia." Rm 1,28.31
    Esta, aliás, é uma das marcas da Divina Sabedoria, e, segundo São Tiago Menor, essencial para alcançar a Paz de Cristo: "A Sabedoria, porém, que vem de cima, é primeiramente pura, depois pacífica, condescendente, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, nem fingimento. O fruto da justiça semeia-se na Paz, para aqueles que praticam a Paz." Tg 3,17-18
    E neste exercício de piedade, São Judas Tadeu exigia empenho: "Para com uns exercei vossa misericórdia, repreendendo-os, e a outros salvai-os, arrebatando-os do fogo. Dos demais tende compaixão, perpassada de temor a Deus, detestando até a túnica manchada pela carne." Jd 22-23
    São Paulo, sempre usando de poderosa argumentação, assegura: "Mas eis aqui uma brilhante prova do amor de Deus por nós: quando ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós. Se, quando ainda éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, com muito mais razão, já estando reconciliados, seremos salvos por Sua Vida." Rm 5,8-10
    Em suas profundas reflexões, o sagrado autor do livro da Sabedoria deparou-se com uma ainda mais radiosa compreensão do infinito amor de Deus: "Tendes compaixão de todos, porque Vós podeis tudo; e para que se arrependam, fechais os olhos aos pecados dos homens. Porque amais tudo que existe, e não odiais nada do que fizestes, porquanto, se o odiásseis, não o teríeis feito de modo algum. Como poderia subsistir qualquer coisa, se não o tivésseis querido, e conservar a existência, se por Vós não tivesse sido chamada? Mas poupais todos os seres, porque todos são Vossos, ó Senhor, que amais a vida." Sb 11,23-26
    Por fim, e em confirmação ao Sacramento da Confissão, na aparição de Jesus à Irmã Faustina, quando lhe pediu para divulgar a Festa da Misericórdia, Ele também sentenciou: "A humanidade não terá Paz enquanto não se voltar à fonte da Minha Misericórdia." (Diário, 699)

    "Como é grande, ó Pai, Vossa Misericórdia!"