quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Ser Cristão


    A imagem do Cristo crucificado realmente retrata muita violência. Mas não é por acaso: é o melhor símbolo do que significa ser cristão. A Santa Cruz, como prova de total e incondicional entrega mesmo diante da má vontade e da mundana incompreensão, é, e continuará sendo até a definitiva volta de Jesus, uma inevitável consequência do convite ao verdadeiro amor. Nosso lado desumano, apesar dos 'avanços da civilização', segue constantemente resistindo ao Pai, ao Sumo Bem.
    Falando sobre o fim dos tempos, e claramente apontando a trajetória da humanidade através dos séculos, Jesus afirmou: "E ante o crescente progresso da iniquidade, o amor de muitos esfriará." Mt 24,12
    Contudo, contra todas adversidades, a caridade, seja material ou espiritual, continua sendo a missão número um do cristão. Para mais evidenciar o objetivo de Sua Missão, Jesus sintetizou os 10 Mandamentos em apenas 2, e ambos falam especifica e exclusivamente de amor: "Amarás o Senhor Teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu entendimento (Dt 6,5). Este é o maior e o primeiro Mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18). Nesses dois Mandamentos resumem-se toda a Lei e os Profetas." Mt 22,37-40
    E sintetizou ainda mais esses dois em apenas um único e novo Mandamento, que também se resume em amar. E para tanto deixou-nos um parâmetro: Seu absoluto amor: "Dou-vos um novo Mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como Eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. Este é Meu Mandamento..." Jo 13,34; 15,12
    Ao anunciar um só Mandamento que fala 'apenas' em amar uns aos outros, Jesus aparentemente teria esquecido do Mandamento que fala em amar a Deus. Mas uma explicação, dada mais tarde por São João Evangelista, deixa bem claro a dimensão que há no amor ao próximo: "Se alguém disser: 'Amo a Deus', mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a Quem não vê." 1 Jo 4,20
    Pois, sem dúvida, o amor tem origem: "Mas amamos porque primeiro Deus nos amou." 1 Jo 4,19
    São Paulo cita o exemplo dos exemplos: "Mas eis aqui uma brilhante prova do amor de Deus por nós: quando ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós." Rm 5,8
    E São João Evangelista explana: "Eis como sabemos que O conhecemos: se guardamos Seus Mandamentos. Aquele que diz conhecê-lo, e não guarda Seus Mandamentos, é mentiroso e nele não está Verdade. Aquele, porém, que guarda Sua Palavra, nele o amor de Deus é verdadeiramente perfeito. Assim é que conhecemos se estamos n'Ele: aquele que n'Ele afirma permanecer, também deve viver como Ele viveu." 1 Jo 2,3-6
    O amor, portanto, é a marca do cristão. Jesus expressamente diz: "Nisto todos conhecerão que sois Meus discípulos, se vos amardes uns aos outros." Jo 13,35
    Ele fez mais uma magistral síntese, agora Se referindo a tudo que as Escrituras representam, indicando qual deve ser a essência de nossa mentalidade e comportamento: a mutualidade. É a chamada Lei de Ouro: "Tudo que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles. Esta é a Lei e os Profetas." Mt 7,12
    Assim recomendava que fôssemos constantes e perseverantes em Seu exemplo de amor: "Se guardardes Meus Mandamentos, sereis constantes em Meu amor, como também Eu guardei os Mandamentos de Meu Pai e persisto em Seu amor." Jo 15,10
    Disse sobre o sofrimento de Sua Paixão: "O mundo, porém, deve saber que amo o Pai e procedo como o Pai Me ordenou." Jo 14,31a
    E isso nada mais é que humildade, pois ainda mandou que assim rezássemos: "E se o servo tiver feito tudo que lhe fora mandado, acaso fica o Senhor devendo-lhe alguma obrigação? Assim também vós, depois de terdes feito tudo que vos foi ordenado, dizei: 'Somos inúteis servos. Apenas fizemos o que devíamos fazer.'" Lc 17,9-10
    Aos que se mantiverem fiéis, Ele promete o amor do Pai e que a estes pessoalmente Se manifestaria: "Aquele que tem e guarda Meus mandamentos, esse é que Me ama. E aquele que Me ama será amado por Meu Pai, e Eu amá-lo-ei e a ele manifestá-Me-ei." Jo 14,21
    Com efeito, a História tem revelado que Jesus, enquanto Pessoa, não Se tem manifestado indiscriminadamente, mas aos membros de Sua Igreja, como Ele prometeu a Comunhão: "Ainda um pouco de tempo e o mundo já não Me verá. Vós, porém, tornareis a ver-Me, porque Eu vivo e vós vivereis. Naquele dia, conhecereis que estou em Meu Pai, e vós em Mim e Eu em vós." Jo 14,19-20
    São Pedro testemunhou: "Mas Deus ressuscitou-O no terceiro dia, concedendo-Lhe manifestar-Se não a todo povo, mas às testemunhas que Deus havia escolhido..." At 10,40-41a
    Também São Paulo: "Durante muitos dias apareceu àqueles que com Ele subiram da Galileia a Jerusalém, os quais até agora são Suas testemunhas junto ao povo." At 13,31
    E Jesus prometeu que viria com o Pai, o que pela Comunhão da Santíssima Trindade também inclui o Espírito Santo, para viver no coração de Seus verdadeiros seguidores. Tudo por intermédio do amor: "Se alguém Me ama, guardará Minha Palavra e Meu Pai o amá-lo-á. E Nós viremos a ele e nele faremos Nossa morada." Jo 14,23


A PRÁTICA DO AMOR MAIOR

    Mas, e nós? Realmente confiamos que as coisas podem ser assim? Confiamos nos ensinamentos do Cristo? Como poderíamos ser cristãos sem guardar Sua Palavra? Segundo Ele mesmo, o caminho é um só: "Se permanecerdes em Minha Palavra, sereis Meus verdadeiros discípulos..." Jo 8,31
    Por isso, reclama de nossa incoerência: "Por que Me chamais: 'Senhor, Senhor...' e não fazeis o que digo?" Lc 6,46
    Na nova comunidade que formava, Ele mais uma vez mencionou Seu exemplo como base da conduta cristã, revelando um modo bem diferente de relacionamento e de uso da autoridade: "Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade. Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, faça-se vosso servo. E aquele entre vós que quiser tornar-se o primeiro, faça-se vosso escravo. Assim como o Filho do Homem veio não para ser servido, mas para servir e dar Sua vida em resgate por uma multidão." Mt 20,25-28
    Nosso Redentor ensinou por práticos exemplos: "Logo, se Eu, Vosso Senhor e Mestre, lavei-vos os pés, vós também deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como Eu vos fiz, também façais vós. Se compreenderdes estas coisas sereis felizes, sob condição de praticá-las." Jo 13,14-15.17
    E falou da verdadeira estatura e da exaltação do ser humano: "O maior dentre vós será vosso servo. Aquele que se exaltar será humilhado, e aquele que se humilhar será exaltado." Mt 23,11-12
    Por suas materialistas e vaidosas ambições, é notório que o mundo não se prepara para conviver harmoniosamente. Por isso, a missão do cristão é longa e difícil, cada vez mais enfrentando maiores obstáculos: "Se fôsseis do mundo, o mundo amar-vos-ia como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo escolhi-vos, o mundo odeia-vos." Jo 15,19
    E apesar de prometer a Vitória, Jesus não prometeu vida fácil a ninguém: "Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e falsamente disserem todo mal contra vós por causa de Mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande vossa recompensa nos Céus, pois assim perseguiram os Profetas que vieram antes de vós." Mt 5,11-12
    Entretanto, mesmo sabendo da completa aversão ao Seu Nome em certos ambientes, Ele pediu-nos serena perseverança: "Sereis odiados de todos por causa de Meu Nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo." Mt 10,22
    Não por acaso, todos Apóstolos, a exceção de São João Evangelista, foram martirizados: "Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e por Minha causa sereis objeto de ódio para todas nações." Mt 24,9
    Mas isso não aconteceu só com Jesus e os Apóstolos. Com Ele advertiu, já acontecia com os Profetas que Lhe antecederam, inclusive São João Batista. Para ilustrar, Ele citou as Escrituras: "Por isso, também disse a Sabedoria de Deus: 'Enviá-lhes-ei Profetas e Apóstolos, mas eles darão a morte a uns e perseguirão a outros." Lc 11,49
    Assim, nossa obrigação de cristãos é oferecer ação de graças pelo Sacrifício de Cristo e celebrar Sua memória, além, claro, de também entrar nas fileiras dos que destemidamente anunciam Seu amor, mesmo enfrentando toda adversidade. Também devemos beber desse 'cálice', como Ele predisse o futuro de São Tiago Maior e São João Evangelista: "Vós bebereis o cálice que Eu devo beber e sereis batizados no batismo em que Eu devo ser batizado." Mc 10,39
    Quanto à ignorância e à violência em si, sempre que possível temos que nos posicionar e agir de modo a não aumentá-las. Ele ensinou no Sermão da Montanha: "Eu, porém, digo-vos: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, também lhe oferece a outra. Se alguém te citar em justiça para tirar-te a túnica, também lhe cede a capa. Se alguém vem obrigar-te a andar mil passos com ele, anda dois mil. Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te quer pedir emprestado." Mt 5,39-42
    E aqui está o mais profundo Mandamento de Cristo: o verdadeiro cristão deve amar seus inimigos. Esse é o maior exemplo, o da extrema paciência e misericórdia, que é incessantemente dado pelo próprio Pai: "Eu, porém, digo-vos: amai vossos inimigos, fazei bem àqueles que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e perseguem. Deste modo, sereis os filhos de Vosso Pai do Céu, pois Ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos." Mt 5,44-45
    Com efeito, mesmo quando Se referia aos milagres que realizava, Jesus descrevia assim Sua passagem entre nós: "Em verdade, em verdade, digo-vos: o Filho de Si mesmo não pode fazer coisa alguma; Ele só faz o que vê fazer o Pai. E tudo que faz o Pai, semelhantemente faz o Filho." Jo 5,19


REPRESENTANTES DE CRISTO

    Mas tamanha transformação espiritual, ou seja, o amor salvífico, a que vai do legítimo ódio ao sincero amor pelos inimigos, não é possível sem os auxílios do Espírito Santo, que nos revigora pelo fogo da fé. Os Apóstolos, ante a obrigação de infinitamente perdoar, pediam ajuda a Jesus: "Aumenta-nos a fé!" Lc 17,5
    E Nosso Salvador não apenas falava: Ele fazia. Mesmo sendo surrado, humilhado e crucificado, não Se entregava à ira a Seus algozes. E, na Cruz, em Seus últimos suspiros, ainda rezou: "Pai, perdoa-lhes. Porque não sabem o que fazem." Lc 23,34
    Ele ensinava o perdão como o único modo de abrir caminho ao amor. Foi na cena da pecadora que lavou Seus pés com lágrimas e enxugou-os com os cabelos: "... seus numerosos pecados foram-lhe perdoados porque ela tem demonstrado muito amor. Mas ao que pouco se perdoa, pouco ama." Lc 7,47
    Pois a Misericórdia de Deus é infinita, e assim, para sermos autênticos filhos de Deus e cristãos, temos que seriamente abraçar Seus ensinamentos: "Se teu irmão pecar, repreende-o. Se se arrepender, perdoa-lhe. Se sete vezes no dia pecar contra ti, e sete vezes no dia vier procurar-te, dizendo: 'Estou arrependido', perdoar-lhe-ás." Lc 17,3-4
    Sua Doutrina, portanto, é essencialmente de mansidão e humildade. E Ele não prometeu comodidades materiais, mas tão somente conforto às nossas almas: "Tomai Meu jugo sobre vós e recebei Minha doutrina, porque Eu sou manso e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas." Mt 11,29
    Muitos, porém, tinham e têm medo de Jesus por n'Ele verem um mero denunciador de pecados, mas isso é um erro. Pois mesmo patentes a veracidade e o poder de Sua Palavra, e, ressalte-se, diante de todos nossos pecados, Sua Missão é de Salvação. Ele explicou aos judeus: "Não julgueis que hei de acusar-vos diante do Pai. Há quem vos acusa: Moisés, em quem colocais vossa esperança." Jo 5,45
    E há ainda pior acusador, como viu São João Evangelista: o mesmo que alicia e escraviza! Mas a vitória de Jesus já se concretizou, Ele já ofereceu Seu Sangue por nossa remissão: "Eu ouvi no céu uma voz forte que dizia: 'Agora chegou a Salvação, o poder e a realeza de Nosso Deus, assim como a autoridade de Seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que dia e noite os acusava diante de Nosso Deus.'" Ap 12,10
    O Amado Discípulo prega: "Filhinhos meus, isto vos escrevo para que não pequeis. Mas se alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo. Ele é a expiação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo mundo." 1 Jo 2,1-2
    Numa situação, instado por dois dos Apóstolos para punir os samaritanos que não os acolheram, "Jesus voltou-Se e severamente repreendeu-os: 'Não sabeis de que Espírito sois animados. O Filho do Homem não veio para perder as vidas dos homens, mas para salvá-las.'" Lc 9,55-56
    E tal como agia, também ensinava: "Não julgueis, e não sereis julgados. Não condeneis, e não sereis condenados. Perdoai, e sereis perdoados. Dai, e dar-se-vos-á." Lc 6,37-38
    O Profeta Isaías havia predito esse emblemático comportamento do Cristo: "Ele não grita, nunca eleva a voz, não clama nas ruas. Não quebrará o caniço rachado, não extinguirá a mecha que ainda fumega. Anunciará com toda franqueza a verdadeira religião. Não desanimará nem desfalecerá até que tenha estabelecido a verdadeira religião sobre a terra, e até que as ilhas desejem Seus ensinamentos." Is 42,2-4
    Claro, Jesus não deixou de alertar aos que se apegam às coisas do mundo, cultuando apenas comportamentos de interesses. E, de novo, o divisor de águas está em amar ou não a Cristo. Ele afirmou a alguns religiosos de Jerusalém: "Se Deus fosse Vosso pai, vós amar-Me-íeis, porque Eu saí de Deus." Jo 8,42
    Foi taxativo: "Aquele que não honra o Filho, não honra o Pai, que O enviou." Jo 5,23a
    E mais uma vez vinculando a Palavra ao amor de Deus, acusou: "... e permanentemente não tendes em vós Sua Palavra, pois não credes n'Aquele que Ele enviou. Não espero Minha Glória dos homens, mas sei que não tendes em vós o amor de Deus." Jo 5,38.41-42
    Mas mesmo para estes tinha um conselho: "Eu digo-vos: fazei-vos amigos com a injusta riqueza, para que, no dia em que ela vos faltar, eles recebam-vos nos Eternos Tabernáculos." Lc 16,9
    São João Evangelista, de aguçada visão como a de uma águia, em seu Evangelho aferiu a diferença entre o mundano amor e a Vinda de Jesus: "Ora, este é o Julgamento: a Luz veio ao mundo, mas os homens mais amaram as trevas que a Luz, pois suas obras eram más." Jo 3,19
    Em Sua Onisciência, de fato, Jesus bem sabe em que condição se encontram as almas pelo mundo. Suas primeiras palavras, ao iniciar Suas pregações, foram um convite ao arrependimento e à piedade: "Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Fazei penitência e crede no Evangelho." Mc 1,15
    Por isso, convida a tornarmo-nos Seus legítimos discípulos. Notemos, porém: ninguém se torna discípulo da noite para o dia. Os próprios Apóstolos, apesar de estarem com Ele mais de três anos, vendo e ouvindo tudo viram e ouviram, ainda se viam por converter-se. Foi o que ele disse a São Pedro na noite da Santa Ceia: "Simão, Simão, eis que Satanás reclamou-vos para peneirar-vos como o trigo. Mas Eu roguei por ti, para que tua confiança não desfaleça. E tu, por tua vez, confirma teus irmãos." Lc 22,31-32
    Ora, Eles ainda careciam da unção do Espírito Santo, como disse Jesus momentos antes de Sua Ascensão aos Céus: "Eu mandar-vos-ei o Prometido de Meu Pai. Entretanto, permanecei na cidade até que sejais revestidos da força do alto." Lc 24,49
    Enfim, em exatas palavras, é essencialmente essa a condição de agir do cristão: "Se permanecerdes em Mim, e Minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo que quiserdes e ser-vos-á feito. Nisto é glorificado Meu Pai, para que deis muito fruto e torneis-vos Meus discípulos." Jo 15,7-8
    Assim Ele pede que, guardando fielmente Seu exemplo, levemos a cristandade a nossos irmãos, em constante missão: "Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura." Mc 16,15
    E São Paulo, em carta aos filipenses, pede que também nos disponhamos a sacrifícios por Ele: "Cumpre, somente, que em vosso proceder vos mostreis dignos do Evangelho de Cristo. Quer eu vá ter convosco quer permaneça ausente, desejo ouvir que estais firmes em um só espírito, unanimemente lutando pela fé do Evangelho, sem vos deixardes intimidar em nada por vossos adversários. Isto para eles é motivo de perdição, mas para vós, de Salvação. E é a vontade de Deus, porque vos é dado não somente crer em Cristo, mas também por Ele sofrer." Fl 1,27-29
    Os seguidores de sua tradição vão ainda mais longe: "Considerai atentamente, pois, Aquele que dos pecadores tantas contrariedades sofreu, e não vos deixeis abater pelo desânimo. Ainda não tendes resistido até o sangue, na luta contra o pecado." Hb 12,3-4
    E ele próprio não nega que este testemunho de vida seja o verdadeiro sentido de ser cristão: "Sempre trazemos em nosso corpo os traços da morte de Jesus, para que também a Vida de Jesus se manifeste em nosso corpo. Embora estando vivos, somos a toda hora entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus apareça em nossa carne mortal." 2 Cor 4,10-11
    Ora, se ainda não compreendemos, ser cristão é representar plenamente o Cristo, o Martirizado, o Servo Sofredor. São Suas palavras: "Em verdade, em verdade, digo-vos: se o grão de trigo caído na terra não morrer, fica só. Se morrer, produz muito fruto. Quem ama sua vida, perdê-la-á, mas quem odeia sua vida neste mundo, conservá-la-á para a Vida Eterna. Se alguém quer servir-Me, siga-Me, e onde Eu estiver ali também estará Meu servo. Se alguém Me serve, Meu Pai honrá-lo-á." Jo 12,24-26
    E assim exorta, a nós transferindo Sua luz: "Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha, nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe para todos que estão em casa. Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam vossas boas obras e glorifiquem Vosso Pai que está nos Céus." Mt 5,14-16

    "Fazei de nós uma perfeita oferenda!"