domingo, 25 de fevereiro de 2018

Domingo da Transfiguração


    A Transfiguração foi o único momento em que Jesus Se apresentou em toda Sua Glória antes da Ressurreição. São João Evangelista, um dos três Apóstolos que a presenciou, vai dizer: "... e vimos Sua Glória, a Glória que o Filho único recebe de Seu Pai, cheio de Graça e de Verdade." Jo 1,14b
    O 'monte alto' desse acontecimento foi identificado pela Sagrada Tradição como o Tabor, que fica na Galileia e assim foi descrito pelo Profeta Jeremias: "... o Tabor se sobressai entre as montanhas, qual o Carmelo dominando o mar..." Jr 46,18
    Ele era ponto de referência da demarcação das tribos de Israel: "Então Josué lançou-lhes a sorte diante do Senhor, e repartiu a terra entre os israelitas, segundo suas divisões. A terceira sorte coube aos filhos de Zabulon, segundo suas famílias, e a fronteira de sua parte estendia-se até Sarid. De Sarid voltava ao Oriente para o Nascente, até o limite de Celeset-Tabor, passava por Daberet e subia a Jaflé. A quarta sorte coube a Issacar, aos filhos de Issacar segundo suas famílias. A fronteira tocava em Tabor, Seesima e Bet-Sames indo terminar no Jordão: dezesseis cidades com suas aldeias. A sexta sorte caiu aos filhos de Neftali, segundo suas famílias. Sua fronteira partia de Helef, desde o carvalhal de Saananim, indo para Adami-Neceb e Jebnael, até Lecum, terminando no Jordão. Voltava depois pelo Ocidente até Azanot-Tabor e atingia Hucuca." Js 18,10;19,10.12.17a.c.32-33
    O monte Tabor, ele mesmo, foi entregue a uma tribo de levitas, de um dos três filhos Levi, que por hereditariedade eram os sacerdotes de Israel: "Aos outros filhos de Merari foram dadas, da tribo de Zabulon, Remono e seus arredores, Tabor e seus arredores." 1 Cro 6,62
    Era, pois, um marco entre as terras do sul e do norte, que exalta o Nome de Deus: "O norte e o sul Vós os fizestes; Tabor e Hermon em Vosso Nome exultam." Sl 88,13
    Foi também o local indicado por Deus à juíza e Profetisa Débora, para que Barac lutasse e vencesse o chefe do poderoso exército do rei de Canaã: "Naquela época, a Profetisa Débora, mulher de Lapidot, era juíza em Israel. Ele tinha sua sede à sombra da 'palmeira de Débora', entre Ramá e Betel, na montanha de Efraim, e os israelitas iam ter com ela para que julgasse suas questões. Ela mandou chamar Barac, filho de Abinoem, de Cedes em Neftali, e disse-lhe: 'Eis o que te ordena o Senhor, Deus de Israel: Vai ao monte Tabor; toma contigo dez mil homens dos filhos de Neftali e de Zabulon.' Débora disse a Barac: 'Vai-te, porque este é o dia em que o Senhor te entregará Sísara. O Senhor mesmo marcha adiante de ti.'" Jz 4,4-6.14a
    E onde o rei Saul, depois de ser ungido pelo Profeta Samuel, encontrou três oferendas indicando que ele deveria adorar a Deus em Betel: "Samuel tomou um pequeno frasco de óleo e derramou-o na cabeça de Saul; beijou-o e disse: 'O Senhor confere-te esta unção para que sejas chefe de Sua herança. Seguirás teu caminho até o carvalho do Tabor, onde a ti se apresentarão três homens que sobem a adorar a Deus em Betel, levando um três cabritos, outro três fatias de pão, e o terceiro um odre de vinho." 1 Sm 10,1.3
    Mas também seria um ponto frágil para o povo de Israel, arrastado ao pecado pela elite dominada por um espírito de prostituição, como denunciou o Profeta Oseias: "Ouvi isto, ó sacerdotes, sede atentos, chefes de Israel, escuta, gente de casa do rei! Contra vós será feito o julgamento, porque vos tornastes um laço para a sentinela, uma rede estendida no Tabor." Os 5,1
    Quanto ao fenômeno da Transfiguração propriamente dito, após receber de Deus as Tábuas da Lei, o rosto de Moisés teve que ser coberto por um véu porque a todos ofuscava: "Moisés desceu do monte Sinai, tendo nas mãos as duas Tábuas da Lei. Chegando ao sopé, ele não sabia que a pele de seu rosto se tornara brilhante durante sua conversa com o Senhor. E tendo-o visto Aarão e todos os israelitas, notaram que a pele de seu rosto se tornara brilhante e não ousaram aproximar-se dele." Ex 24,39-40
    São Paulo comentou: "... os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face, embora transitório..." 2 Cor 3,7
    Ademais, além de temporário, esse sinal via-se apenas no rosto de Moisés. Em Jesus essa Luz era total, tomando todo Seu corpo e Suas vestes: "Lá Se transfigurou na presença deles: Seu rosto brilhou como o sol, Suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura." Mt 17,2


CORPO GLORIOSO

    Era, portanto, um sinal de Sua divindade. Essa confirmação vem em seguida, quando São Pedro, São Tiago e São João Evangelista ouvem a voz de Deus Pai: "Eis Meu Filho muito amado, em quem pus toda Minha afeição; ouvi-O." Mt 17,4
    No entanto, preservando Sua Revelação para o oportuno momento, Jesus pediu-lhes que nada divulgassem: "E quando desciam, Jesus lhes fez esta proibição: 'Não conteis a ninguém o que vistes, até que o Filho do Homem ressuscite dos mortos.'" Mt 17,9
    De fato, é um fenômeno que transcende a compreensão. Deu-se o mesmo quando Santa Maria Madalena viu Jesus ressuscitado pela primeira vez, pois não pôde reconhecê-Lo de imediato: "Maria conservava-se do lado de fora perto do sepulcro e chorava. Chorando, inclinou-se para olhar dentro do sepulcro. Viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o Corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. Eles perguntaram-lhe: 'Mulher, por que choras?' Ela respondeu: 'Porque levaram Meu Senhor, e não sei onde O puseram.' Ditas estas palavras, voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não O reconheceu." Jo 20,11-4
    Quando, por fim, apresentou-Se de modo que ela pudesse reconhecê-Lo, Ele pediu-lhe: "Não Me abraces, porque ainda não subi a Meu Pai..." Jo 20,17
    Quando Se apresentou aos discípulos no caminho de Emaús, eles também não puderam reconhecê-Lo: "... os olhos estavam-lhes como que vendados e não O reconheceram." Lc 24,16
    O que temos em ambas situações é que Jesus Se apresentava em Seu Corpo Glorioso, e assim não só pode reluzir como também aparecer e desaparecer, ser reconhecido ou não, ser tocado ou não, 'entrar' em ambientes fechados. Aliás, foi isso que aconteceu em Sua primeira Aparição aos Apóstolos: "Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-Se no meio deles. Disse-lhes Ele: 'A Paz esteja convosco!'" Jo 20,19
    Como explica São Paulo, essa será a condição dos corpos daqueles que ressuscitarem para a Vida Eterna; seus corpos serão incorruptíveis: "Assim também é a ressurreição dos mortos. Semeado na corrupção, o corpo ressuscita incorruptível..." 1 Cor 15,42
    Ele dá detalhes que permitem entender a Transfiguração, quando São Pedro, São Tiago e São João viram o Corpo Glorioso de Cristo. "Nós, porém, somos cidadãos dos Céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo, tornando-o semelhante ao Seu Corpo Glorioso, em virtude do poder que tem de sujeitar a Si toda criatura." Fl 3,20-21
    Foi a Transfiguração, enfim, que São Pedro evocou como seu principal testemunho da divindade de Jesus, fato que extraordinariamente lhe capacitava quanto ao Mistério de Cristo, pois já não dependia de Seus milagres ou das Escrituras para atestar Quem Ele é: "Na realidade, não é baseando-nos em hábeis fábulas imaginadas que nós vos temos feito conhecer o poder e a Vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas por termos visto a Sua Majestade com nossos próprios olhos. Porque Ele recebeu de Deus Pai honra e Glória, quando do seio da magnífica Glória Lhe foi dirigida esta voz: 'Este é Meu amado Filho, em Quem tenho posto todo Meu afeto.' Esta mesma voz que vinha do Céu nós a ouvimos, quando com Ele estávamos no monte santo." 2 Pd 1, 16-18
    A basílica atual, do início do século XX, foi construída pelos franciscanos no local onde existiu uma igreja bizantina do século IV ao VI, que entrou em ruínas com o surgimento do Império Islâmico, e onde os cruzados ergueram um novo prédio no século XII, que foi destruído pelos muçulmanos nos primeiros anos do século XIII.





    "A todos saciai com Vossa Glória!"