terça-feira, 20 de março de 2018

A Gula


    Ensina o Catecismo da Igreja: "A virtude da temperança manda evitar toda espécie de exceção, o abuso da comida, do álcool, do fumo e dos medicamentos." CIC 2290
    Ensina também o Eclesiástico: "Nunca sejas guloso em banquete algum; não te lances sobre tudo que se serve, pois o excesso no alimento é causa de doença, e a intemperança leva à cólica. Pela insaciável gula muitos pereceram; quem, porém, é sóbrio, prolonga a vida." Eclo 37,32-34
    Diz ainda os Provérbios: "Ouve, meu filho: sê sábio, dirige teu coração pelo reto caminho, não te juntes aos bebedores de vinho, com aqueles que devoram carnes, pois o ébrio e o glutão empobrecem-se e a sonolência veste-se com andrajos." Pr 23,19-21
    Eles descrevem com grande nitidez uma deplorável cena, infelizmente muito corriqueira: "Para quem são os ais? Para quem as contendas? Para quem as queixas? Para quem as feridas sem motivo? Para quem os olhos vermelhos? Para aqueles que permanecem junto ao vinho, para aqueles que vão saborear o vinho misturado. Não te impressiones o vinho: como ele é vermelho, como brilha no copo, como corre suavemente! Pois, no fim, morde como uma serpente e pica como um basilisco! Teus olhos verão estranhas coisas, teu coração pronunciará incoerentes palavras. Serás como um homem adormecido no fundo do mar, ou deitado no cimo dum mastro: 'Feriram-me', dirás tu, 'e não sinto dor! Bateram-me... e não sinto nada. Quando despertei eu? Quero ainda mais!'" Pr 23,29-35
    Fulminam, por fim: "Zombeteiro é o vinho e amotinadora a cerveja. Quem quer que a isso se apegue não será sábio." Pr 20,1
    Estava entre os conselhos de Tobit, vendo próxima sua morte, ao filho Tobias: "Não beba vinho até a embriaguez, nem faça dela tua companheira de estrada." Tb 4,15b
    E advertia o Profeta Isaías: "Ai daqueles que desde a manhã procuram a bebida, e que se retardam à noite nas excitações do vinho! Amantes da cítara e da harpa, do tamborim e da flauta, e do vinho em seus banquetes, mas para as obras do Senhor não têm sequer um olhar, e não enxergam a obra de Suas mãos." Is 5,11-12
    Ele previu que esta seria a razão da queda da cidade da Samaria, como um castigo de Deus, pois até os Seus foram corrompidos pela opulência: "Ai da pretensiosa coroa dos embriagados de Efraim, e da murcha flor que faz ostentação de seu ornato, dominando o fértil vale de homens vencidos pelo vinho. Naquele dia, o Senhor dos Exércitos será uma resplandecente coroa, um esplêndido diadema para o resto de Seu povo, um espírito de justiça para o juiz que faz parte do tribunal, e de valentia para aqueles que rechaçam às portas o inimigo. Mas também estes titubeiam sob efeito do vinho, alucinados pela bebida; sacerdotes e Profetas cambaleiam na bebedeira. Estão afogados no vinho, desnorteados pela bebida, perturbados em suas visões, vacilando em seus juízos. Todas mesas estão cobertas de asqueroso vômito, não há sequer um lugar limpo." Is 28,1.7-9
    Segundo o Profeta Ezequiel, o grande pecado de Sodoma também não foi o que mais se diz, mas uma consequência de outros: "O crime da tua irmã Sodoma era este: opulência, glutoneria, indolência, ociosidade..." Ez 16,49
    São Paulo também exortou os romanos contra esse terrível mal, que por tantos é subestimado: "A noite está quase passando, o dia vem chegando: abandonemos as obras das trevas e vistamos as armas da Luz. Procedamos honestamente, como em pleno dia: nada de glutonerias e bebedeiras..." Rm 13,12-13
    Ele disse algo análogo aos tessalonicenses: "Porque todos vós sois filhos da Luz e filhos do dia. Não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais. Mas vigiemos e sejamos sóbrios. Porque os que dormem (abandonam a vigília pelos prazeres), dormem de noite; e os que se embriagam, embriagam-se de noite. Nós, ao contrário, que somos do dia, sejamos sóbrios." 1 Ts 5,5-8a
    Exortou, por fim: "Guardai-vos de toda a espécie de mal. O Deus da Paz conceda-vos perfeita santidade. Que todo vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a Vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo!" 1 Ts 5,22-23
    E disse aos coríntios, em meio a um rol que fez de graves pecados: "Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas previno-vos, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus!" Gl 5,19-21
    Além de estimular à penitência, para demonstrar que a vida espiritual deve prevalecer, mesmo sobre qualquer forma de sustento, quando Se retirou ao deserto Jesus abriu mão de todo e qualquer alimento: "Cheio do Espírito Santo, voltou Jesus do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto, onde foi tentado pelo demônio durante quarenta dias. Durante este tempo Ele nada comeu e, terminados estes dias, teve fome." Lc 4,1-2
    E lembrando as preocupações do mundo, Ele denunciou o excessivo valor dado a comida, que é uma das desculpas mais corriqueiras para disfarçar a gula: "Portanto, eis que vos digo: não vos preocupeis por vossa vida, pelo que comereis, nem por vosso corpo, pelo que vestireis. A vida não é mais do que o alimento e o corpo não é mais que as vestes? Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros e Vosso Pai celeste alimenta-as. Não valeis vós muito mais que elas?" Mt 6,25-26
    Por isso exortava: "Não vos inquieteis com o que haveis de comer ou beber, e não andeis com vãs preocupações. Porque os homens do mundo é que se preocupam com todas estas coisas. Mas Vosso Pai bem sabe que precisais de tudo isso. Antes buscai o Reino de Deus e sua justiça, e todas estas coisas ser-vos-ão dadas por acréscimo." Lc 12,29-31
    Em perfeita concordância com esse ensinamento, São Paulo lembra o cuidado de Deus para com Seu povo, servindo-lhes o maná durante o Êxodo: "Por espaço de quarenta anos alimentou-os no deserto." At 13,18
    Aliás, esse cuidado foi demonstrado pelo próprio Cristo, ao multiplicar os pães e os peixes: "Jesus, porém, reuniu Seus discípulos e disse-lhes: 'Tenho compaixão esta multidão: eis que há três dias está perto de Mim e não tem nada para comer. Não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça no caminho.' Mandou, então, a multidão assentar-se no chão, tomou os sete pães e os peixes e abençoou-os. Depois, partiu-os e deu-os aos discípulos, que os distribuíram à multidão. Todos comeram e ficaram saciados, e, dos pedaços que restaram, encheram sete cestos. Ora, os que se alimentaram foram quatro mil homens, sem contar as mulheres e as crianças." Mt 15,33.35-38
    Sem ter de quê acusar Jesus, pessoas de má consciência diziam absurdos a Seu respeito, só para não ter que reconhecer a Verdade. Chegavam ao cúmulo de chamá-Lo de glutão e bêbado, mas Ele respondeu citando o exemplo de penitente que foi São João Batista: "João veio; ele não bebia e não comia, e disseram: 'Ele está possesso de um demônio.' O Filho do Homem vem, come e bebe, e dizem: 'É um comilão e beberrão, amigo dos publicanos e dos devassos.' Mas a Sabedoria foi justificada por seus filhos." Mt 11,18-19
    Pois a realidade que vivam Jesus e dos Apóstolos, além de não ter 'onde recostar a cabeça (Lc 9,58)', era de privações: "Em dia de sábado, Jesus atravessava umas plantações. Seus discípulos iam colhendo espigas de trigo, debulhavam-nas na mão e comiam." Lc 6,1
    E quando tinham o que comer, não tinham tempo: "Ele disse-lhes: 'Vinde à parte, para algum lugar deserto, e descansai um pouco.' Porque eram muitos os que iam e vinham e nem tinham tempo para comer. Partiram na barca para um lugar solitário, à parte." Mc 6,31-32
    Até em festivas ocasiões, Ele pensava em caridade: "Dizia igualmente ao que O tinha convidado: 'Quando deres alguma ceia, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem parentes, nem ricos vizinhos. Porque, por sua vez, eles te convidarão e assim te retribuirão. Mas, quando deres uma ceia, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos. Serás feliz porque eles não têm com que te retribuir, mas ser-te-á retribuído na Ressurreição dos justos." Lc 14,12-14
    Na verdade, Nosso Salvador falava de outro alimento: "Entretanto, os discípulos pediam-Lhe: 'Mestre, come.' Mas Ele disse-lhes: 'Tenho um alimento para comer que vós não conheceis.' Os discípulos perguntavam uns aos outros: 'Alguém Lhe teria trazido de comer?' Disse-lhes Jesus: 'Meu alimento é fazer a vontade d'Aquele que Me enviou, e cumprir Sua obra.'" Jo 4,31-34
    Por isso evocou uma expressiva passagem do Antigo Testamento, ao ser tentado pelo demônio no deserto, que O mandava transformar pedras em pães: "Jesus respondeu: 'Está escrito: Nem só de pão vive o homem, mas de toda Palavra que procede da boca de Deus (Dt 8,3).'" Mt 4,4
    E no Pai Nosso ensinou a pedir, além do diário Pão da Vida Eterna, tão somente o bastante para o dia, ou seja, com absoluta frugalidade: "O Pão Nosso de cada dia dai-nos hoje..." Mt 6,11
    Ele apontava quem eram os verdadeiros comilões, que se diziam religiosos: "Guardai-vos dos escribas, que querem andar de roupas compridas e gostam das saudações nas praças públicas, das primeiras cadeiras nas sinagogas e dos primeiros lugares dos banquetes; que devoram as casas das viúvas, fingindo fazer longas orações. Eles receberão mais rigoroso castigo." Lc 20,46-47
    Denunciou também a intemperança dos fariseus e seus vãos rituais: "Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Limpais por fora o copo e o prato, mas por dentro estais cheios de roubo e de intemperança. Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o que está fora fique limpo." Mt 23,25
    Numa parábola sobre estes supostos servos de Deus, denunciou a deslealdade e a corrupção de quem deveria administrar com justiça os bens que Deus lhes confiou, porém entrega-se ao pecado da gula: "Mas, se é um mau servo que imagina consigo: 'Meu senhor tarda a vir', e se põe a bater em seus companheiros e a comer e a beber com os ébrios..." Mt 24,49
    E mandou um singelo recado a todos que se fartam das coisas do mundo: "Ai de vós, que estais fartos, porque vireis a ter fome!" Lc 6,25a
    Indicou, ademais, quem de fato será agraciado com a Sua volta definitiva: "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados!" Mt 5,6
    Por fim, encaminhando-Se para cumprir por Seu Sacrifício o plano da Salvação, Ele recomenda Sua Carne e Seu Sangue como os alimentos de que realmente precisamos: "Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que dura até a Vida Eterna, que o Filho do Homem vos dará. Eu sou o Pão Vivo que desceu do Céu. Quem comer deste Pão viverá eternamente. E o Pão, que Eu hei de dar, é Minha Carne para a Salvação do mundo." Jo 6,27.51
    E prometeu a verdadeira saciação: "Eu sou o Pão da Vida: aquele que vem a Mim não terá fome, e aquele que crê em Mim jamais terá sede." Jo 6,35


TEMPERANÇA E JEJUM

    Diz ainda o Catecismo da Igreja: "A temperança é a virtude moral que modera a atração pelos prazeres e procura o equilíbrio no uso dos bens criados. Assegura o domínio da vontade sobre os instintos e mantém os desejos dentro dos limites da honestidade. A pessoa temperante orienta para o bem seus sensíveis apetites, guarda uma santa discrição e 'não se deixa levar a seguir as paixões do coração.' (Eclo 5,2)" CIC 1809
    Diz mais: "As humanas virtudes são estáveis disposições da inteligência e da vontade que regulam nossos atos, ordenando nossas paixões e guiando-nos segundo a razão e a fé. Podem ser agrupadas em torno de quatro cardeais virtudes: a prudência, a justiça, a fortaleza e a temperança." CIC 1834
    De fato, a temperança submete as paixões à razão: "... cardeal virtude da temperança, que tem em vista fazer depender da razão a paixões e os apetites da sensibilidade humana." CIC 2341
    São Paulo aponta-a como um dos frutos do Espírito Santo: "Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, Paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança." Gl 5,22-23
    E em carta a São Tito, ele recomendava criteriosa instituição de sacerdotes: "Porquanto é mister que o bispo seja irrepreensível, como administrador que é posto por Deus. Não arrogante, nem colérico, nem intemperante, nem violento, nem cobiçoso. Ao contrário, seja hospitaleiro, amigo do bem, prudente, justo, piedoso, continente, firmemente apegado à Doutrina da Fé tal como foi ensinada, para poder exortar segundo a Sã Doutrina e rebater os que a contradizem." Tt 1,7-9
    Assim a temperança, também chamada de moderação ou sobriedade, era demonstrada pelo povo de Israel nas práticas de jejum feitas desde os primeiros tempos. Deus determinou a Moisés: "No dia dez desse sétimo mês, tereis uma santa assembléia, um jejum e a suspensão de todo trabalho servil." Nm 29,7
    O Profeta Neemias também registrou essa prática de , quando da instituição do judaísmo, como recurso de expiação das faltas: "No vigésimo quarto dia do mesmo mês, vestidos de sacos, e com a cabeça coberta de pó, os israelitas reuniram-se para um jejum." Ne 9,1
    No livro de Tobias, o Arcanjo São Rafael recomenda uma prática que Jesus vai consagrar: "Boa coisa é a oração acompanhada de jejum..." Tb 12,8
    Com efeito, Nosso Salvador aconselhou-a para os casos mais difíceis de exorcismo: "Quanto a esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum." Mt 17,20
    Os fariseus, por exemplo, praticavam o jejum: "Jejuo duas vezes na semana..." Lc 18,12a
    E Jesus deixou claro que a Igreja manteria essa prática: "Ora, os discípulos de João e os fariseus jejuavam. Por isso, foram-Lhe perguntar: 'Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, mas Teus discípulos não?' Jesus respondeu-lhes: 'Podem porventura jejuar os convidados das núpcias, enquanto está com eles o Esposo? Enquanto têm consigo o Esposo, não lhes é possível jejuar. Dias virão, porém, em que o Esposo lhes será tirado, e então jejuarão.'" Mc 2,18-20
    Ele prescreveu: "Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um abatido semblante para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade, eu digo-vos: já receberam sua recompensa. Quando jejuares, perfuma tua cabeça e lava teu rosto. Assim, não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a Teu Pai que está presente ao oculto; e Teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á." Mt 6,16-18
    O Eclesiástico, enfim, também fez elogio à sobriedade: "A sobriedade no beber é a saúde da alma e do corpo." Eclo 31,37
    E denunciou os ébrios: "A embriaguez inspira a ousadia e faz pecar o insensato; abafa as forças e causa feridas." Eclo 31,40
    São Pedro também recomendou a sobriedade como constante postura espiritual, e disse abertamente o porquê: "Sede sóbrios e vigiai. Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar." 1 Pd 5,8
    Para São Paulo, o excesso de álcool é a larga porta para o pecado: "Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas enchei-vos do Espírito." Ef 5,18
    Lembrando a imagem de Deus que somos, ele faz uma defesa da completa purificação do nosso corpo: "Tudo me é permitido, mas eu não me deixarei dominar por coisa alguma. Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos: Deus destruirá tanto aqueles como este. O corpo, porém, não é para a impureza, mas para o Senhor e o Senhor para o corpo... Ou não sabeis que o vosso corpo é Templo do Espírito Santo, que habita em vós, o Qual recebestes de Deus e que, por isso mesmo, já não vos pertence?" 1 Cor 6,13.19
    De fato, a garantia, o penhor da Salvação é o Espírito de Deus com o Qual fomos selados. É Ele, e só Ele que nos possibilita vencer o pecado. Ele é nossa grande dádiva da Nova Aliança, nosso grande diferencial após a Vinda do Messias: "A Lei do Espírito de Vida libertou-me, em Jesus Cristo... O que era impossível à Lei, visto que a carne a tornava impotente, Deus o fez. Enviando, por causa do pecado, Seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne, a fim de que a justiça prescrita pela Lei fosse realizada em nós, que vivemos não segundo a carne, mas segundo o Espírito. Vós, porém, não viveis segundo a carne, mas segundo o Espírito, se é que realmente o Espírito de Deus habita em vós. Se alguém não possui o Espírito de Cristo, este não é d'Ele. De fato, se viverdes segundo a carne, haveis de morrer, mas, se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis, pois todos que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus." Rm 8,2a.3-4.9.13-14
    É assim que ele explica a função do Evangelho aos efésios: "N'Ele (Cristo) também vós, depois de terdes ouvido a Palavra da Verdade, o Evangelho de vossa Salvação no qual tendes crido, fostes selados com o Espírito Santo que fora prometido, que é o penhor da nossa herança, enquanto esperamos a completa Redenção daqueles que Deus adquiriu para o louvor de Sua Glória." Ef 1,13-14
    Por isso pede: "Não contristeis o Espírito Santo de Deus, com o Qual estais selados para o Dia da Redenção." Ef 4,30
    E ao exortar-nos à perene vigilância, Jesus dá uma última palavra sobre esse assunto, avisando deste Dia em que deveremos prestar contas ao Pai: "Velai sobre vós mesmos, para que vossos corações não se tornem pesados com o excesso do comer, com a embriaguez e com as preocupações da vida; para que Aquele Dia não vos apanhe de improviso." Lc 21,34

    "Fazei de nós uma perfeita oferenda!"