terça-feira, 27 de março de 2018

A Esperança


    Embora até mesmo inconscientemente a maioria de nós alimente-a todo dia, a esperança é das virtudes teologais a mais esquecida. Falamos muito da , pouco exercemos a caridade, mas quase nada dizemos da esperança. E quando dela se fala é por algum objetivo material. Seu verdadeiro significado, no entanto, é espiritual, como diz o salmista: "Sei que verei os benefícios do Senhor na terra dos vivos! Espera no Senhor e sê forte! Fortifique-se teu coração e espera no Senhor!" Sl 26,13-14
    Pois os divinos socorros são espirituais: "São muitos os sofrimentos do ímpio. Mas quem espera no Senhor, Sua Misericórdia envolve-o." Sl 31,10
    Assim como a própria Salvação, como em Jesus será compreendida: "Por que te deprimes, ó minha alma, e inquieta-te dentro de mim? Espera em Deus, porque ainda hei de louvá-Lo: Ele é Minha Salvação e Meu Deus." Sl 41,12
    Sem dúvida, é isso que oferece Nosso Redentor: "Tomai Meu jugo sobre vós e recebei Minha Doutrina, porque Eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para vossas almas." Mt 11,29
    São Paulo cita o Profeta Isaías: "É como está escrito: 'Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4)', tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que O amam." 1 Cor 2,9
    E mesmo exaltando a excelência da caridade entre as virtudes espirituais, ele não esquece a importância da esperança: "Atualmente permanecem estas três coisas: a fé, a esperança, o amor. Mas a maior delas é o amor." 1 Cor 13,13
    Conforme as pessoas que fizeram escola na tradição paulina, a esperança espiritual está intimamente ligada à fé, é uma natural consequência dela: "A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê." Hb 11,1
    Na verdade, a Palavra de Deus tem esse intrínseco objetivo, como diz o último Apóstolo: "Tudo que outrora foi escrito, foi escrito para nossa instrução, para que, pela constância e consolação que nos dão as Escrituras, sejamos firmes na esperança." Rm 15,4
    Pois é o Reino dos Céus, dom maior que Deus quer oferecer-nos, que deve ser o objeto de nossa esperança: "Com efeito, sabemos que toda Criação, até o presente, está gemendo como que em dores de parto, e não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nosso íntimo, esperando a condição filial, a redenção de nosso corpo. Porque pela esperança é que fomos salvos." Rm 8,22-24a
    Por isso, defendendo a Ressurreição da carne, ele fala da miserabilidade de quem cuida apenas da vida desse mundo: "Se é só para esta vida que temos colocado nossa esperança em Cristo, somos de todos os homens os mais dignos de lástima." 1 Cor 15,19
    Afirmativamente, São Paulo vivia essa realidade na própria pele, nas flagelações que passou: "Não queremos, irmãos, que ignoreis a tribulação que nos sobreveio na Ásia. Ali fomos desmedidamente maltratados, além de nossas forças, a ponto de termos perdido a esperança de sair com vida. Sentíamos dentro de nós mesmos a sentença de morte, para que aprendêssemos a pôr nossa confiança não em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos." 2 Cor 1,8-9
    E explicava pela ação do Espírito Santo o caráter sobrenatural da esperança, que em muito transcende as meramente mundanas expectativas: "Ora, ver o objeto da esperança já não é esperança; porque o que alguém vê, como é que ainda o espera? Nós que esperamos o que não vemos, é em paciência que o aguardamos. Outrossim, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza. Porque não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis. E Aquele que perscruta os corações sabe o que deseja o Espírito, o Qual intercede pelos Santos, segundo Deus. Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus." Rm 8,24b-28
    De fato, como ele disse a São Tito, todo ser humano espiritualmente sensível vive "... na esperança da Vida Eterna, desde imemoráveis tempos prometida por Deus... " Tt 1,2
    Pois assim são os desígnios do Pai: "Deus derramou abundantemente o Espírito sobre nós, por meio de Jesus Cristo Nosso Salvador, para que, justificados por Sua Graça, nós nos tornássemos herdeiros da esperança da Vida Eterna." Tt 3,6-7
    É, portanto, o Espírito de Deus que nos enche dos mais elevados anseios: "Quanto a nós, que nos deixamos conduzir pelo Espírito, é da fé que aguardamos a justificação, objeto de nossa esperança." Gl 5,5
    O Paráclito é nossa garantia até o pleno cumprimento das promessas de Cristo: "N'Ele (Jesus) é que fomos escolhidos, predestinados segundo o desígnio d'Aquele que tudo realiza por deliberado ato de Sua vontade, para servirmos à celebração de Sua Glória, nós que desde o começo voltamos nossas esperanças para Cristo. N'Ele também vós, depois de terdes ouvido a Palavra da Verdade, o Evangelho de vossa Salvação no qual tendes crido, fostes selados com o Espírito Santo que fora prometido, que é o penhor de nossa herança, enquanto esperamos a completa redenção daqueles que Deus adquiriu para o louvor de Sua Glória." Ef 1,11-14
    Exatamente por isso, São Paulo reza ao Pai pelos efésios: "... que vos dê o Espírito da Sabedoria e da Revelação, para que de verdade O conheçais. Que Ele ilumine os olhos de vosso coração, para que conheçais a esperança à qual Ele vos chama... " Ef 1,18
    E aos colossenses ele volta a apontar sua primeiríssima fonte: "Esperança que vos foi transmitida pela pregação da Verdade do Evangelho..." Cl 1,5
    Ele tinha uma fórmula lapidar, que deve ser o norte de todo cristão: "Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração." Rm 12,12
    Àquele em verdadeiras dificuldades, ele recomenda: "... põe sua esperança em Deus e persevera noite e dia em orações e súplicas." 1 Tm 5,5
    E a São Timóteo pede que adverta os abastados: "Exorta os ricos deste mundo a que não sejam orgulhosos nem ponham sua esperança nas volúveis riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas fruirmos. Que pratiquem o bem, enriqueçam-se de boas obras, sejam generosos, comunicativos, ajuntem um sólido e excelente tesouro para seu futuro, a fim de conquistarem a verdadeira Vida." 1 Tm 6,17-19
    Pois para além das forças naturais, é a esperança que fortalece nossos mártires: "Alguns foram torturados, por recusarem ser libertados, movidos pela esperança de uma mais gloriosa ressurreição." Hb 11,35
    Ela tem sido o grande baluarte de Israel através dos tempos, como argumentou São Paulo em sua defesa perante o rei Agripa: "Mas agora sou acusado em juízo, por esperar a promessa que foi feita por Deus a nossos pais, e a qual nossas doze tribos esperam alcançar, servindo a Deus noite e dia. Por essa esperança, ó rei, é que sou acusado pelos judeus. Que pensais vós? É coisa incrível que Deus ressuscite os mortos?" At 26,6-8
    Ela é a própria base de nossa vida espiritual: "Esperança esta que seguramos qual âncora de nossa alma, firme e sólida..." Hb 6,19
    Ela é uma prova de fidelidade que damos a Deus: "Conservemo-nos firmemente apegados à nossa esperança, porque é fiel Aquele cuja promessa aguardamos." Hb 10,23
    Ela é a o grande trunfo, e a certeza da vitória dos Santos: "Esperando contra toda esperança, Abraão acreditou e tornou-se o pai de muitas nações..." Rm 4,18
    Ela é a própria manifestação de Deus na vida do fiel: "Aquele que teme ao Senhor não tremerá; de nada terá medo, pois o próprio Senhor é sua esperança." Eclo 34,16
    Ela é a razão da união em que vive a Igreja: "Sede solícitos em conservar a unidade do Espírito no vínculo da Paz. Sede um só corpo e um só espírito, assim como por vossa vocação fostes chamados a uma só esperança." Ef 4,3-4
    E é com ela que a Igreja deve contar, em sua missão de colaborar com Cristo para a Salvação das almas: "Rejeita as tolas e absurdas discussões, visto que geram contendas. Não convém a um servo do Senhor altercar; bem ao contrário, seja ele condescendente com todos, capaz de ensinar, paciente em suportar os males. É com brandura que deve corrigir os adversários, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento e o conhecimento da Verdade, e voltem a si, uma vez livres dos laços do demônio, que os mantém cativos e submetidos a seus caprichos." 2 Tm 2,23-26
    A despeito de toda dificuldade: "Por isso não desanimamos deste ministério que por Misericórdia nos foi conferido. Em tudo somos oprimidos, mas não sucumbimos. Vivemos em completa penúria, mas não desesperamos." 2 Cor 4,1.8
    São Pedro inspiradamente pedia que nós a conhecêssemos bem: "... estai sempre prontos a dar a razão de vossa esperança a todo aquele que a pedir." 1 Pd 3,15
    E dava essa simples recomendação: "Cingi, portanto, os rins de vosso espírito, sede sóbrios e colocai toda vossa esperança na Graça que vos será dada no Dia em que Jesus Cristo aparecer." 1 Pd 1,13
    De fato, a passagem do Cristo entre nós, assim como Sua Ressurreição, tem como primeira razão fazer prevalecer nosso vínculo com os bens celestiais: "Por Ele tendes fé em Deus, que O ressuscitou dos mortos e glorificou, a fim de que vossa fé e vossa esperança se fixem em Deus." 1 Pd 1,21
    Com as maiores promessas: "Nós, porém, segundo Sua promessa, esperamos novos céus e uma nova terra, nos quais habitará a justiça. Portanto, caríssimos, esperando estas coisas, esforçai-vos em ser por Ele achados sem mácula e irrepreensíveis na Paz." 2 Pd 3,13-14


A ESPERANÇA DE ISRAEL

    O Príncipe dos Apóstolos disse-o mais de uma vez, pois por ela renascemos para anseios muito além de quaisquer expectativas neste mundo: "Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo. Em Sua grande Misericórdia, pela Ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, Ele fez-nos nascer de novo, para uma viva esperança, para uma incorruptível herança, que não se mancha nem murcha, e que para vós é reservada nos Céus." 1 Pd 1,3-9
    Não por acaso, 700 anos antes, o Profeta Isaías falou que o Reinado de Jesus iria muito além das terras de Israel: "Em Seu Nome as nações não judias porão sua esperança." Is 42,4
    São Paulo, por sinal, referiu-se à Salvação, ou seja ao próprio Jesus, de singelo modo: "Pois é por causa da esperança de Israel é que estou preso com esta corrente." At 28,20
    Voltava suas atenções para a verdadeira Redenção: "Nós, porém, somos cidadãos dos Céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo, tornando-o semelhante a Seu Corpo Glorioso, em virtude do poder que tem de a Si sujeitar toda criatura." Fl 3,20-21
    Pois é por essa esperança, como afirma São João Evangelista, que seremos justificados: "E todo aquele que n'Ele tem esta esperança torna-se puro, como Ele é puro." 1 Jo 3,3
    As dificuldades, portanto, quando corretamente enfrentadas, são exercícios e ocasiões para que vivenciemos o que dizemos acreditar. Por isso nossa esperança não é ilusão nem casualidade. Pelo contrário: ela tem sentido e histórico. São Paulo argumenta: "Pois sabemos que a tribulação produz a paciência, paciência prova a fidelidade e a fidelidade, comprovada, produz a esperança. E a esperança não engana, pois o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado." Rm 5,3-5
    Logo, nada de apegar-se a vãos prazeres ou de abandonar a fé, como bem atinava o salmista: "Feliz o homem que pôs sua esperança no Senhor, e não segue os idólatras nem os apóstatas." Sl 39,5
    Por fim, o Apóstolo dos Genrtios dá um novo título a Deus, e diz do grande dom que Seu Espírito realiza em nossas almas: "Que o Deus da esperança vos encha de toda alegria e Paz, em vossa vida de fé. Assim, vossa esperança transbordará, pelo poder do Espírito Santo." Rm 15,13

    "Tornai viva nossa fé, nossa esperança!"
    "Livrai-nos de todos os males, ó Pai, e dai-nos hoje Vossa Paz. Ajudados pela Vossa Misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e protegidos de todos os perigos, enquanto, vivendo a esperança, aguardamos a Vinda de Cristo Salvador."