quinta-feira, 24 de maio de 2018

Para Ler Jesus


AS ESCRITURAS

    Há detalhes absolutamente elementares a serem considerados quando lemos a Palavra de Deus. E, com perfeita correção, o primeiro deles veda exatamente a livre interpretação dos sagrados textos. Diz São Pedro: "Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal. Porque jamais uma profecia foi proferida por efeito de uma vontade humana." 2 Pd 1,20-21a
    Ora, se temos que Deus Se revelou, e assim uma religião revelada, é de se concluir que tal Revelação tenha sido cercada de divinos cuidados para ser bem transmitida e bem compreendida. Não há, portanto, como negar a Sagrada Tradição, que, muito antes de alguma linha escrita, constituiu-se precisamente da única interpretação, inspirada pelo próprio Espírito de Deus desde as primeiras etapas da Revelação: "Esta Salvação tem sido o objeto das investigações e das meditações dos Profetas que proferiram oráculos sobre a Graça que vos era destinada. Eles investigaram a época e as circunstâncias indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava e que profetizava os sofrimentos do mesmo Cristo e as Glórias que os deviam seguir. Foi-lhes revelado que propunham não para si mesmos, senão para vós, estas revelações que agora vos têm sido anunciadas por aqueles que vos pregaram o Evangelho da parte do Espírito Santo, enviado do Céu. Revelações estas, que os próprios anjos desejam contemplar." 1 Pd 1,10-12
    E, sempre velando por esse meticuloso trabalho do Divino Espírito, São Pedro arremata a questão, citando a inspiração e a fonte da Revelação: "Homens inspirados pelo Espírito Santo falaram da parte de Deus." 2 Pd 1,21b
    Ele destaca, desta forma, a Sabedoria contida nos livros sagrados, nem sempre compreendida: "... vosso caríssimo irmão Paulo vos escreveu, segundo o dom de Sabedoria que lhe foi dado. É o que ele faz em todas suas cartas, nas quais fala nestes assuntos. Nelas há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para sua própria ruína, como o fazem também com as demais Escrituras." 2 Pd 3,15b-16
    E o próprio São Paulo vai explicar o porquê das deturpações: "Ora, nós não recebemos o espírito do mundo, mas sim o Espírito que vem de Deus, que nos dá a conhecer as Graças que Deus nos prodigalizou e que pregamos numa linguagem que nos foi ensinada não pela sabedoria humana, mas pelo Espírito, que exprime as coisas espirituais em termos espirituais. Mas o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, pois para ele são loucuras. Nem as pode compreender, porque é pelo Espírito que se devem ponderar." 1 Cor 2,12-14
    Seus seguidores também garantiram as Escrituras como Revelação: "Muitas vezes e de diversos modos outrora falou Deus aos nossos pais pelos Profetas. Ultimamente, falou-nos por Seu Filho..." Hb 1,1-2a
    A Sagrada Tradição, pois, foi confiada por Jesus exclusivamente aos membros de Sua Igreja. E São Judas Tadeu atesta que a Revelação já foi completamente entregue: "... senti a necessidade de dirigir-vos esta carta para exortar-vos a pelejar pela fé, de uma vez por todas confiada aos Santos." Jd 1,3b
    E só pelo Sagrado Magistério ela é transmitida, como sensatamente vai questionar o ministro da rainha da Etiópia: "O Espírito disse a Filipe: 'Aproxima-te para bem perto deste carro.' Filipe aproximou-se e ouviu que o eunuco lia o Profeta Isaías, e perguntou-lhe: 'Porventura entendes o que estás lendo?' Respondeu-lhe: 'Como é que posso, se não há alguém que mo explique?' E rogou a Filipe que subisse e sentasse junto a ele." At 8,29-31
    É essa interpretação guardada pelos Apóstolos, pois tradição significa entrega, que São Paulo repassou a São Timóteo: "Toma por modelo os salutares ensinamentos que de mim recebeste sobre a e o amor a Jesus Cristo. Guarda o Precioso Depósito, pela virtude do Espírito Santo que habita em nós." 2 Tm 1,13-14
    Assim, é em sua inteireza, e não em pedaços, que ela deve ser repassada. Pois escolher na doutrina o que acreditar e o que não, é exatamente o sentido da palavra heresia. O Apóstolo dos Gentios prega aos coríntios: "É que, de fato, não somos, como tantos outros, falsificadores da Palavra de Deus. Mas é na sua integridade, tal como procede de Deus, que nós a pregamos em Cristo, sob os olhares de Deus." 2 Cor 2,17
    E enquanto havia apenas o Evangelho de São Mateus, escrito em aramaico, mas nenhuma versão em grego, língua universal de então, São Paulo defendia ferrenhamente a tradição oral: "Mas ainda que alguém - nós ou um anjo baixado do Céu - vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema" Gl 1,8
    Como avisava São Pedro sobre deturpadores, São João Evangelista também advertiu os que corrompiam as Escrituras: "Eu declaro a todos aqueles que ouvirem as palavras da profecia deste livro: se alguém lhes ajuntar alguma coisa, Deus ajuntará sobre ele as pragas descritas neste livro; e se alguém dele tirar qualquer coisa, Deus lhe tirará sua parte da árvore da Vida e da Cidade Santa, descritas neste livro." Ap 22,18-19
    Quantos aos apócrifos, livros não inspirados pelo Espírito Santo, São Lucas registrou, e desde as primeiras linhas de seu Evangelho, que muitos haviam tentado narrar a vida de Jesus: "Muitos empreenderam compor uma história dos acontecimentos que se realizaram entre nós, como no-los transmitiram aqueles que foram desde o princípio testemunhas oculares e tornaram-se ministros da Palavra." Lc 1,1-2
    Contudo, por absoluto cuidado com a legítima transmissão da Revelação, sedimentada no correto entendimento do Antigo Testamento, o próprio Jesus questionava os Mestres da Lei: "Que está escrito na Lei? Como lês?" Lc 10,26
    E dizia que o erro do ser humano vem precisamente do desconhecimento das revelações e dos divinos poderes: "Errais, não compreendendo as Escrituras nem o poder de Deus." Mc 12,24
    De fato, sendo Ele próprio a mais importante etapa da Revelação, Jesus não menospreza a Verdade que ao Seu tempo já havia sido revelada: "Não julgueis que vim abolir a Lei ou os Profetas. Não vim para aboli-los, mas sim para levá-los à perfeição." Mt 5,17
    Ao contrário, Ele afirmou com todas as letras: "... ora, a Escritura não pode ser anulada..." Jo 5,35b
    Mesmo porque os sagrados livros que O precederam fazem menção especificamente a Ele: "Vós examinais as Escrituras, julgando encontrar nelas a Vida Eterna. Pois bem! São elas mesmas que dão testemunho de Mim." Jo 5,39
    Por essa perfeita coerência com o Antigo Testamento, Ele garante que Sua Palavra é o Caminho para a Verdade: "Se permanecerdes em Minha Palavra, sereis Meus verdadeiros discípulos; conhecereis a Verdade e a Verdade libertar-vos-á." Jo 8,31-32
    Afirmou também que, assim como Ele, Seus ensinamentos dão imutáveis, eternos: "O céu e a terra passarão, mas  Minhas Palavras não passarão." Mt 24,35
    Aos que julgam conhecer Deus, Ele fez uma proposta: "Se alguém quiser cumprir a vontade de Deus, distinguirá se Minha Doutrina é de Deus ou se falo de Mim mesmo." Jo 7,17
    E vai desiludir a muitos: "Não conheceis nem a Mim nem a Meu Pai; se Me conhecêsseis, certamente também conheceríeis a Meu Pai." Jo 8,19b
    Por isso, para a Salvação de nossas almas, Ele oferece-nos Seu Senhorio e Sua Consolação: "Tomai Meu jugo sobre vós e recebei Minha Doutrina, porque Eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para vossas almas." Mt 11,29
    Não por acaso, em carta a São Timóteo, São Paulo deixa uma perfeita definição da pureza das Escrituras e de seu poder: "E desde a infância conheces as Sagradas Escrituras e sabes que elas têm o condão de proporcionar-te a Sabedoria que conduz à Salvação, pela fé em Jesus Cristo. Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça. Por ela, o homem de Deus se torna perfeito, capacitado para toda boa obra." 2 Tm 3,15-17

JESUS DEUS

    Quanto à Pessoa de Jesus, para que saibamos avaliar o peso de Sua Palavra, também há detalhes de suma importância. Primeiro, precisamos saber que ninguém se volta para Cristo por mera decisão pessoal. Temos mesmo que reconhecer que isso é puro mistério, desígnio de Deus, assunto de espiritualidade. É Deus Pai que nos inspira a procurá-Lo, como Jesus mesmo explicou: "Ninguém pode vir a Mim se o Pai, que Me enviou, não o trouxer... " Jo 6,44a
    A recíproca também é verdadeira: só podemos conhecer Deus propriamente senão através de Jesus: "... ninguém vem ao Pai senão por Mim." Jo 14,6b
    Noutra passagem, Jesus vai dizer o mesmo por outras palavras: "Ninguém conhece Quem é o Filho senão o Pai, nem Quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho O quiser revelar." Lc 10,22
    Por fim, e acenando para a Comunhão da Santíssima Trindade, São Paulo afirma que ninguém se dá conta de que Jesus é Deus se não for inspirado pelo próprio Espírito de Deus: "... ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo." 1 Cor 12,3
    E em mais uma assertiva sobre a Trindade Santa, vemos Jesus mesmo dizer aos judeus: "Eu e o Pai somos um." Jo 10,30
    A São Filipe, que pediu que tão somente lhes mostrasse o Pai, Jesus vai responder abertamente: "Há tanto tempo que estou convosco e não Me conheceste, Filipe! Aquele que Me viu, viu também o Pai." Jo 14,9
    Com efeito, Ele afirmou-o muitas vezes, e de outras formas, como logo após o lava-pés, falando aos Apóstolos: "Vós chamais-Me Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque EU SOU." Jo 13,13
    Já havia dito aos judeus, por ocasião da Festa das Tendas: "Ele disse-lhes: 'Vós sois cá de baixo, Eu sou lá de cima. Vós sois deste mundo, Eu não sou deste mundo. Por isso, disse-vos: morrereis no vosso pecado. Porque se não crerdes que EU SOU, morrereis no vosso pecado.'" Jo 8,23-24
    E foi assim, invocando o Mistério da Trindade, que Ele explicou como fazia tantos e tão grandiosos milagres: "... o Pai, que permanece em Mim, é que realiza Suas próprias obras. Crede-Me: Eu estou no Pai, e o Pai em Mim." Jo 14,10b-11
    Por isso, recomendou-nos perseverar ao Seu lado, pois, como Deus, Ele é essencial a nossas vidas: "Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: tampouco podeis dar fruto se não permanecerdes em Mim. Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto; porque sem Mim nada podeis fazer." Jo 15,4-5
    Exatamente por perceber Sua Divina Encarnação, São Pedro, sempre inspirado pelo Pai, ao reafirmar seu amor por Jesus, com espontaneidade vai declarar Sua Onisciência: "Senhor, Tu sabes tudo..." Jo 21,17
    E de modo ainda mais explícito, São Tomé, depois de desacreditar em Sua Ressurreição, ao vê-Lo diante de si e tocar Suas feridas, vai balbuciar o que já suspeitava: "Meu Senhor e Meu Deus!" Jo 20,28


    Quanto à Missão de Jesus, já havia sido revelada a São José por seu Anjo da Guarda, quando lhe garantiu que a gravidez de Maria deu-se por obra do Espírito Santo: "Ela dará à luz um Filho, a Quem porás o Nome de Jesus, porque Ele salvará Seu povo de seus pecados." Mt 1,21
    Também São João Batista, após batizá-Lo, vai declarar Sua Obra: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo." Jo 1,29
    E desde o início de Sua vida pública, Ele ensinou-nos a renegar ao pecado: "Desde então, Jesus começou a pregar: 'Arrependam-se, pois o Reino dos Céus está próximo.'" Mt 4,17
    Aliás, exatamente a mesma função que delegou à primícias Sua Igreja, os Apóstolos: "Então chamou os Doze e começou a enviá-los, dois a dois... Eles partiram e pregaram o arrependimento." Mc 6,7.12
    Mas, como bem disse São João Batista, notemos que não há como nos libertar do pecado sem a ajuda do Filho de Deus. E Jesus mesmo vai afirmar: "Portanto, se o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres." Jo 8,36

O ESPIRITO SANTO

    Pois assim como precisamos de Seu Espírito para compreender as Escrituras, também d'Ele dependemos para vencer nossos pecados. São Paulo aponta: "Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus. Vós, porém, não viveis segundo a carne, mas segundo o espírito, se realmente o Espírito de Deus habita em vós. Se alguém não possui o Espírito de Cristo, este não é d'Ele." Rm 8,8-9
    O Divino Paráclito, pois, é o maior presente que Deus tem para nos dar, como explicou Jesus: "Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais Vosso Pai celestial dará o Espírito Santo aos que LhO pedirem." Lc 11,13
    São Pedro, porém, falou de uma condição muito específica para que tal doação acontecesse: "... o Espírito Santo, que Deus deu a todos aqueles que Lhe obedecem." At 5,32b
    Explicou também a finalidade dessa doação: "... santificados pelo Espírito para obedecer a Jesus Cristo..." 1 Pd 1,2
    Sem dúvida, o Divino Espírito era o 'prometido do Pai', também conhecido como Defensor, ou Consolador, que Jesus enviaria exclusivamente à Igreja, após Sua Ascensão: "E Eu rogarei ao Pai, e Ele dar-vos-á outro Paráclito, para que convosco fique eternamente. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê nem O conhece. Mas vós O conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós." Jo 14,16-17
    Permanecendo conosco para sempre, ao longo dos tempos Ele tem assessorado a Igreja em cada novo detalhe que explicita da Revelação, como Jesus garantiu: "Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a Verdade, porque não falará por Si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão." Jo 16,15
    E assim Ele tem feito desde o Primeiro Concílio da Igreja, realizado em Jerusalém, quando se decidiu suspender, para com os convertidos, a lei mosaica da circuncisão. São Tiago Menor pronunciou-se após a defesa feita por São Pedro: "Com efeito, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor outro peso além do seguinte indispensável..." At 15,28
    Carentes, portanto, dos auxílios do Espírito de Deus para todas boas obras, cabe sermos humildes e solicitar Seus socorros, segundo recomendação de Jesus: "E Eu digo-vos: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, abrir-se-lhe-á." Lc 11,9-10

A VONTADE DE DEUS

    Em síntese, unindo-Se a nós em peregrinação por esse mundo, Jesus veio ensinar a cumprir plenamente a vontade de Deus. Ele disse na sinagoga, após a multiplicação dos pães e dos peixes: "Pois desci do Céu não para fazer Minha vontade, mas a vontade d'Aquele que Me enviou." Jo 6,38
    E sentenciou que, em Sua Igreja, a hierarquia constitui-se de serviço ao próximo: "Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade. Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, faça-se vosso servo. E o que quiser tornar-se entre vós o primeiro, faça-se vosso escravo. Assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar Sua vida em resgate por uma multidão." Mt 20,25-28
    Exemplo que Ele mesmo deu: "Logo, se Eu, Vosso Senhor e Mestre, lavei-vos os pés, também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como Eu vos fiz, também façais vós." Jo 13,14-15
    Cumpriu, portanto, e em perfeita submissão, a vontade do Pai até a morte. Ele rezou no Horto das Oliveiras: "Pai, se é de Teu agrado, afasta de Mim este cálice! Não se faça, todavia, Minha vontade, mas sim a Tua." Lc 22,42
    Com razão, o salmista havia profetizado sobre Sua Missão: "... Eis que Eu venho. No rolo do livro está escrito de Mim. Fazer Vossa vontade, Meu Deus, é o que Me agrada, porque Vossa Lei está no íntimo de Meu Coração." Sl 39,8-9
    Assim, pelo mesmo motivo, São Paulo exorta-nos a resistir às ilusões do mundo e a cumprir nosso papel de cristão: "Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação de vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que Lhe agrada e o que é perfeito." Rm 12,2
    Contudo, demonstrando mais uma vez a Comunhão da Santíssima Trindade, Jesus fala em fazer a vontade do Pai, mas deixa claro que é Ele Quem vai realizar a Ressurreição: "Esta é a vontade de Meu Pai: que todo aquele que vê o Filho e n'Ele crê, tenha a Vida Eterna. E Eu ressuscitá-lo-ei no último Dia." Jo 6,40
    E no mesmo sentido, São João Evangelista diz que, para serem realizados, nossos pedidos devem amoldar-se à vontade do Filho de Deus: "A confiança que n'Ele depositamos é esta: em tudo quanto Lhe pedirmos, se for conforme à Sua vontade, Ele atender-nos-á." 1 Jo 5,14


A IGREJA
 
    Para que a vontade de Deus chegasse ao nosso conhecimento, portanto, desde a escolha de São Pedro, Jesus tem edificado pessoalmente de Sua Igreja, que é a guardiã da Palavra: "E Eu declaro-te: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei Minha Igreja." Mt 16,18a
    E declarou que ela é invencível: "As portas do inferno não prevalecerão contra ela." Mt 16,18b
    Não ouvi-la, portanto, é incidir em heresia: "Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano." Mt 18,17
    Ou seja, é recusar-se a ouvir o próprio Jesus: "Quem vos ouve, a Mim ouve; e quem vos rejeita, a Mim rejeita; e quem Me rejeita, rejeita Aquele que Me enviou." Lc 10,16
    Jesus rezou ao Pai, em especial, a fim de que a Palavra, que Ele confiou aos Apóstolos, fosse aceita por nós, e assim prevalecesse a Unidade da Igreja: "Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em Mim. Para que todos sejam um, assim como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti, para que também eles estejam em Nós e o mundo creia que Tu Me enviaste." Jo 17,20-21
    Para tanto, Ele derramou Sua Glória sobre a Igreja, notória representante d'Ele e do amor do Pai: "Dei-lhes a Glória que Me deste, para que sejam um, como Nós somos um: Eu neles e Tu em Mim, para que sejam perfeitos na unidade e o mundo reconheça que Me enviaste e amaste-os, como amaste a Mim." Jo 17,22-23
    E foi a Igreja, aqui representada pelos Apóstolos, que Jesus instituiu como Seu instrumento para perdoar nossos pecados pela Confissão: "Como o Pai Me enviou, assim também Eu vos envio a vós. Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: 'Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.'" Jo 20,21b-23
    Antes de subir aos Céus, Ele pediu absoluta fidelidade aos Seus ensinamentos e garantiu total assistência através dos tempos: "Ensinai as nações a observar tudo que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo." Mt 28,20
    E no livro do Apocalipse, por fim, Ele demonstrou ter absoluto controle sobre toda a Igreja: "Eis o simbolismo das sete estrelas que viste em Minha mão direita, e dos sete candelabros de ouro: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros, as sete igrejas." Ap 1,20
    Por essa razão, São Paulo vibra com o acolhimento dado à Palavra da Salvação pela comunidade de Tessalônica, mesmo que o Evangelho ainda não tivesse sido escrito: "Por isso, é que também nós não cessamos de dar graças a Deus, porque recebestes a Palavra de Deus, que de nós ouvistes, e a acolhestes, não como palavra de homens, mas como aquilo que realmente é, como Palavra de Deus, que eficazmente age em vós, os fiéis." 1 Ts 2,13

A ORAÇÃO

    Mas não há fé sem oração, e isso pedia São Paulo: "Orai sem cessar." 1 Ts 5,17
    Nem, claro, sem o frequente contato com o Verbo de Deus: "Logo, a fé provém da pregação e a pregação exerce-se em razão da Palavra de Cristo." Rm 10,17
    E assim também é em relação à compreensão das Escrituras. São Paulo rezava a Deus pela boa instrução da comunidade de Colossos: "Por isso, também nós, desde o dia em que o soubemos, não cessamos de orar por vós e pedir a Deus para que vos conceda pleno conhecimento de Sua vontade, perfeita sabedoria e penetração espiritual, para que vos comporteis de maneira digna do Senhor, procurando em tudo agradar-Lhe, frutificando em toda boa obra e crescendo no conhecimento de Deus." Cl 1,9-10
    Ora, os próprios Apóstolos pediram a Jesus que lhes ensinasse a rezar, e foi nessa ocasião que Ele nos deixou o Pai Nosso: "Um dia, num certo lugar, estava Jesus a rezar. Terminando a oração, disse-Lhe um de Seus discípulos: 'Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos.'" Lc 11,1
    O próprio Jesus, aliás, muito assíduo em Suas orações ao Pai, demoradamente rezou antes de escolher Seus Apóstolos: "Naqueles dias, Jesus retirou-Se a uma montanha para rezar, e passou aí toda a noite orando a Deus." Lc 6,12
    E recomendou pontualmente as orações contra as armadilhas do inimigo: "Vigiai e orai para que não entreis em tentação." Mt 26,41
    Ou contra suas possessões: "Quanto a esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum." Mt 17,20
    E deixou claro que, para uma verdadeira Comunhão com o Pai, a oração deve ser parte inalienável da vida de um cristão: "Propôs-lhes Jesus uma parábola para mostrar que é necessário orar sempre, sem jamais deixar de fazê-lo." Lc 18,1

    "Em comunhão com toda a Igreja aqui estamos!"