domingo, 13 de maio de 2018

A Promessa de Fátima


    A promessa que Nossa Senhora fez em Fátima é conhecida como a Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados. Na Aparição do dia 13 de Julho de 1917, a Santíssima Virgem disse a Lúcia, uma dos três pastorinhos videntes: "Para impedir a guerra, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados."
    Tempos depois, já em 1925, quando Lúcia estava em Pontevedra, Espanha, ela esclareceu: "... prometo assistir na hora da morte, com todas as Graças necessárias para a Salvação, a todos que, no Primeiro Sábado de cinco meses seguidos, confessarem-se, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um terço e fizerem-me companhia durante quinze minutos, meditando nos 15 mistérios do Rosário com o fim de desagravar-me."
    Por que desagravá-la? Porque, noutra aparição, o próprio Jesus revelou a Lúcia que a humanidade comete cinco frequentes ofensas à Nossa Senhora:
1 - Blasfemam contra sua concepção sem a mácula do pecado original no ventre de Santa Ana (Dogma da Imaculada Conceição);
2 - Blasfemam contra sua virgindade durante e após o Nascimento de Jesus (Dogma da Virgindade Perpétua);
3 - Blasfemam contra sua divina maternidade (Dogma da Mãe de Deus) e de sua maternidade espiritual de todos os seres humanos;
4 - A indiferença, o desprezo e até o ódio cultuados contra Maria;
5 - Os ultrajes contra suas imagens.
  
    Assim, por tão simples voto, Nossa Mãe do Céu promete o maior dom que Deus oferece: a Salvação da alma.
    Note-se que a pessoa que o cumprir, mesmo que depois caia na maior das perdições, e assim permaneça até a morte, ainda terá garantido seu auxílio para a Salvação. É como a promessa feita aos que usam o Escapulário: cumpridas as prescrições, não importa o que venha a acontecer, seus auxílios, ou seja, a Salvação, está garantida.
    Note-se também como anda nossa : mesmo uma devoção tão fácil de cumprir, e pela maior das Graças que se pode obter de Deus, ela continua sendo desprezada e até ignorada por boa parte da humanidade.
    
      "Infinitas graças vos damos, Soberana Rainha, pelos benefícios que todos os dias recebemos de vossas mãos liberais. Dignai-vos, agora e para sempre, tomar-nos debaixo de vosso poderoso amparo."