sábado, 14 de julho de 2018

São Camilo


    Seu pai, João de Lellis, era militar e carregava a fama de pertencer a uma família de cruzados, mas era viciado na jogatina e perdia quase todo seu soldo. Sua mãe, Camila, exemplo de vida cristã, teve São Camilo quando já contava 60 anos. Era uma grande consolação de Deus pelas décadas de virtuosa paciência com seu esposo.
    Nosso Santo nasceu em 1550, no povoado de Bucchianico, província Chieti, na região de Abruzzo, Itália. Foi criado pela mãe, pois o pai passava os dias no ócio dos quarteis. Perdeu-a, porém, ainda aos 13 anos, e teve que morar com o pai na caserna. De irriquieta adolescência, não gostava de estudar. Trabalhou ajudando os soldados até os 17 anos, quando se inscreveu como voluntário no exército de Veneza e foi enviado ao fronte de batalha. Admirado por seu grande porte e muita força, era requisitado para todos serviços, fazia tudo com muita presteza, mas ao ajudar a cuidar dos feridos, e talvez neles vendo o calado e impotente sofrer de sua mãe, foi profundamente tocado pela dor alheia.
    Por total desvelo de si, surgiu nesses anos uma úlcera em seu pé direito, que o fazia mancar e iria acompanhá-lo até o fim da vida. Tinha ainda 19 anos quando morreu seu pai, não lhe deixando nada além de um punhal e uma espada. Revoltado com sua orfandade, também se entregou também à jogatina e à vida das tabernas, onde gastava os poucos trocados que angariava na caserna. Não pôde, porém, assim continuar por muito tempo. Como se agravava a enfermidade no pé, e não tinha recursos, teve que ir a Roma para tratar-se.
    Buscou o Hospital São Tiago, também chamado 'dos Incuráveis', e ofereceu-se para trabalhar como enfermeiro ou servente para pagar o tratamento. Sua impetuosidade, no entanto, era realmente desmedida, e antes mesmo de uma efetiva cicatrização alistou-se nas forças italianas para lutar contras os muçulmanos, embora, por conta do agravamento da enfermidade, não tenha chegado a tomar parte na decisiva Batalha de Lepanto. Inteligente e bom combatente, ganhou fama e dinheiro, mas logo que se encerraram as batalhas, aos seus 23 anos, já estava mais uma vez entregue à vida de devassidão. Por esses tempos, ignorado até mesmo pelas pessoas mais próximas, São Camilo conheceu a miséria.
    Mendigando passou por Nápoles, onde conheceu os franciscanos, pediu para entrar na Ordem e prometeu a si mesmo que se tornaria um frade, porém os vícios do jogo e da bebida arrastavam-no com frequência para a vida mundana. Em seguida foi a Veneza, cidade mais próspera, onde foi acolhido pelos capuchinhos, pois estavam com um convento em construção e deram-lhe emprego de pedreiro. E um dia, enquanto estava no trabalho, lembrando-se da religiosidade e do catecismo que aprendera com sua mãe, teve uma visão celestial e abraçou definitivamente a conversão.
    Retornou a Roma para tratar-se no Hospital dos Incuráveis, e aí, apesar da enfermidade que carregava, 4 anos depois seria nomeado mestre da casa. Sua dedicação aos enfermos e o senso de organização afloraram sobremaneira. Muitas vezes usou da própria força e da estatura para carregar enfermos nos braços e às costas. Deles cuidava com tanto amor que se revoltou contra a ambição de médicos e enfermeiros, e decidiu fundar uma congregação de homens piedosos, dedicados a tratar gratuitamente dos mais pobres.


    Estava à época com 32 anos e, mesmo trabalhando intensamente, voltou a estudar, ordenando-se Sacerdote aos 34 anos. Por esses tempos, contava com o amparo espiritual de um célebre amigo, São Felipe Neri, junto ao qual teve profundas experiências de fé. Em 1586, constando a devoção e a beleza de seu trabalho, o Papa Sixto V aprovou a fundação da congregação, que usava hábito negro com uma grande cruz vermelha do lado direito do peito. Em 1591 o papa Gregório XIV reconheceu-a como ordem religiosa, que após a morte de São Camilo iria chamar-se de Congregação dos Ministros Camilianos.
    Quando a Itália entrou em guerra contra a Hungria, ele também seguiu para o fronte com seus companheiros, mas agora com bem diferente intuito: formaram a primeira unidade médica de socorro de combatentes em campo de batalha, ideia que séculos mais tarde seria adotada pela Cruz Vermelha, inclusive o símbolo. Porém, não prestavam apenas socorros médicos e de enfermagem: São Camilo já era muito requisitado para a assistência religiosa, o que fazia com muito ardor e .
    Em 1607, após os primeiros 20 anos da Ordem, renunciou ao cargo de superior, pois sua saúde estava bastante fragilizada e impedia as atividades de líder, do modo como ele as concebia. A partir de então passou a ensinar noções de medicina e enfermagem, e, principalmente, como os doentes deveriam ser tratados.
    Tinha o dom de curar através de palavras e orações. Suas Santas Missas eram concorridas tanto por adoentados como por pobres e ricos de toda região. É o Santo Padroeiro dos Enfermos, dos profissionais de saúde e dos hospitais. Foi intitulado o 'Apóstolo' da Solidariedade e o 'Mártir' da Caridade.
    Ele dizia:
    "Ó Senhor, quanto vos devo! Quanto vos agradeço!"
    "Que cegueira a minha, a de não Vos ter conhecido antes e mais cedo, Senhor! Porque não empreguei toda minha vida em Vos servir? Perdoai, Senhor, a este pecador!"
    "Ainda, ó Meu Deus, que por meus horrendos pecados seja merecer de mil infernos, espero salvar-me pelas promessas de Cristo!"
    "Senhor, eu confesso, nada fiz de bom e sou miserável pecador, só me resta a esperança em Vossa Divina Misericórdia e em Vosso preciosíssimo Sangue!"
    "A morte virá, virá talvez esta noite ou amanhã, quando Nosso Senhor quiser! Bem-aventurado aqueles que vigiam. Façamos o bem enquanto é tempo."
    "Lembre aos meus ouvidos (na hora da morte) do Sangue de Jesus derramado por nossa Salvação, porque n'Ele pus toda minha esperança."
    "Rezai por mim! Sou um pobre pecador! Se eu me salvar, rezarei por vós no Céu."
    "Nas vossas mãos, ó Mãe, entrego todos pedidos de Graças a Deus Nosso Senhor e tudo espero de vós. Ai de nós pecadores, se não tivéssemos esta grande advogada no Céu."
    "Já que Deus não me quis naquele convento, naquele estado de penitência onde tanto desejei viver e morrer, é sinal de que me quer aqui no serviço desses pobres enfermos."
    "O pobre e o doente são o Coração de Deus. Servindo-os, nós servimos Jesus Cristo."
    "O pobre é Jesus Cristo! Somos servos e escravos dos enfermos."
    "O doente – Cristo – é meu senhor e patrão."
    "Servir ao doente é servir a Jesus Cristo, e não merecemos tanta honra."
    "O hospital é a casa de Deus, um jardim onde as vozes dos enfermos são música dos Céus."
    "Assistam os enfermos com carinho de uma mãe para com seu único filho doente."
    "A mais segura maneira de ter certeza da eterna Salvação está em praticar a caridade com os pobres enfermos."
    "Que ninguém pretenda entrar no Céu sem a recomendação dos doentes e dos pobres."
    "Mais coração nessas mãos, irmão."
    "Tudo me veio com a caridade e pela caridade."
    "Não façam oração que corta as asas da caridade."
    "Nada nos une mais a Deus que a caridade."
    "Obras de caridade é o que o mundo pede... Você gostaria, meu caro irmão, de estar um dia sentado numa das bem-aventuradas cadeiras do Céu? Por que, então, aborrece-te o trabalho? Por que não lutas e não trabalhas agora? Por que te poupas e não expõe esse miserável corpo, que amanhã pode ser um saco de vermes?"
    "Meus irmãos, desapegai vosso coração da terra e pensai que ides receber dentro de vós Aquele Senhor que criou o Céu, a terra e todo o mundo. Aquele que vos deu a existência, e encarnou-Se e morreu por nós, Aquele que nos preparou o Céu se formos bons e o inferno se formos maus, tomai cuidado para não O receberdes em pecado."
    "O mundo é uma morada de aluguel, onde se passa a noite e uma parte da manhã. A vida está nas mãos do Senhor, Feliz de quem pratica o bem neste mundo…"
    "Eu não coloco o valor de um centavo nesta vida, se Nosso Senhor me der apenas um pequeno cantinho no Paraíso."
    "Compromisso é fazer o que tu disseste que farias, depois de passar o sentimento no qual tu o disseste."
    "A felicidade à qual eu aspiro é maior que qualquer coisa na terra. Por isso, eu suporto com alegria qualquer dor ou sofrimento que eu aqui possa sofrer."
    "Pense bem. Fala bem. Fazer bem. Estas três coisas, pela Misericórdia de Deus, farão um homem ir para o Céu."
    "Para aprender a falar bem, é preciso, antes, aprender a calar.”
    "O homem não consegue perseverar na prática do bem, se não praticar a oração."    
    "Quando estamos doentes, capacita-nos a transformar nosso sofrimento em cura, nosso medo em confiança, nosso desencorajamento em oração, e a valorizar cada dom e momento que Tu nos dás."

    Faleceu em 1614, e, para a surpresa de todos, a ferida que tinha no pé não deixou nenhum sinal.
    Pelo grande amor que lhe tinham, para eternizar sua cândida feição fizeram-lhe uma máscara mortuária.


    Foi sepultado na Igreja de Santa Maria Madalena, em Roma, onde tem altar próprio com uma imagem para a veneração de seus devotos. Em comemoração aos 400 anos de seu falecimento, suas relíquias foram exumadas e expostas. Seu coração, que ainda resiste ao tempo, é carinhosamente guardado pela congregação.


    São Camilo, rogai por nós!