quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Negar-se a Si Mesmo


    O mais expressivo símbolo da negação de si mesmo é o Cristo crucificado. Também para denunciar a banalização da violência contra a vida, Ele entregou-Se à morte na Cruz, que para os romanos era humilhação e para os judeus, maldição. Diz o Deuteronômio: "... pois aquele que é pendurado é objeto de divina maldição." Dt 21,23b
    Por Sua Ressurreição, porém, por mais difícil que seja acreditar, Ele provou que a vida não termina com a morte, e que viver em função da Salvação, própria e do próximo, é o grande sentido de estarmos aqui. É o que pregam os seguidores da tradição de São Paulo: "Foi pela fé que Moisés, uma vez crescido, renunciou ser tido como filho da filha do faraó, preferindo participar da infeliz sorte do povo de Deus a fruir de culpáveis e passageiros prazeres." Hb 11,24-25
    Isso explica porque Jesus ensinava aos Apóstolos a adotarem Seu exemplo: "Em seguida, Jesus disse a Seus discípulos: 'Se alguém quiser vir Comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-Me.'" Mt 16,24
    E Ele não o dizia apenas aos Apóstolos: "Em seguida, dirigiu-Se a todos: 'Se alguém quer vir após Mim, renegue-se a si mesmo, cada dia tome sua cruz e siga-Me.'" Lc 9,23
    São Paulo bem O entendeu. Ele diz aos coríntios: "Ninguém busque seu interesse, mas o do próximo. Fazei como eu: em todas circunstâncias procuro agradar a todos. Não busco meus próprios interesses, mas os interesses dos outros, para que todos sejam salvos." 1 Cor 10,24.33
    Pois ao entregar-Se, ou seja, negar-Se a Si mesmo, Jesus deu-nos a maior demonstração de caridade que se pode fazer nesta vida. O Apóstolo dos Gentios escreveu aos efésios: "Progredi na caridade segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós entregou-Se a Deus..." Ef 5,2
    Citando o que Nosso Salvador sofreu em Nome do próprio Pai, ele prega aos romanos: "Nós, que somos os fortes, devemos suportar as fraquezas dos que são fracos, e não agir a nosso modo. Cada um de vós procure contentar o próximo, para seu bem e sua edificação. Cristo não agradou a Si mesmo. Ao contrário, como está escrito: 'Os insultos daqueles que Vos ultrajam recaíram sobre Mim (Sl 68,10).'" Rm 15,1-3
    Assim deve viver a Igreja: "Nenhum de nós vive para si, e ninguém morre para si. Se vivemos, vivemos para o Senhor; se morremos, morremos para o Senhor. Quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor." Rm 14,7-8
    Seus seguidores exortam, portanto, divulgando a Salvação por Sua Paixão: "Com perseverança corramos ao proposto combate, com o olhar fixo no Autor e Consumador de nossa fé, Jesus. Em vez do gozo que se Lhe oferecera, Ele suportou a Cruz e está sentado à direita do trono de Deus. Atentamente considerai, pois, Aquele que tantas contrariedades sofreu dos pecadores, e não vos deixeis abater pelo desânimo." Hb 12,1b-3
    Como Jesus ensinou, essa é a maior prova de amor: "Ninguém tem maior amor que aquele que dá sua vida por seus amigos." Jo 15,13
    Vale notar, entretanto, que Jesus só Se entregou em sacrifício após ter certeza de que essa verdadeiramente era a vontade do Pai: "Pai, se é de Teu agrado, afasta de Mim este cálice! Não se faça, todavia, Minha vontade, mas sim a Tua." Lc 22,42
    Ele buscou essa confirmação porque as circunstâncias poderiam ser apenas mais uma tentação do inimigo. A resposta de Deus foi sutil, mas muito clara, pois estava patente o cruel sofrimento que Lhe esperava: "Apareceu-Lhe, então, um anjo do Céu para confortá-Lo." Lc 22,43
    Ou seja, Seu Sacrifício haveria de dar-se exclusivamente pela vontade do Pai. O Último Apóstolo diz aos gálatas: "... Jesus Cristo, que Se entregou por nossos pecados para libertar-nos da perversidade do mundo presente, segundo a vontade de Deus, Nosso Pai..." Gl 1,3-4
    E no preciso momento: "Jesus afirmou essas coisas e depois, levantando os olhos ao Céu, disse: 'Pai, é chegada a hora! Glorifica Teu Filho, para que Teu Filho glorifique a Ti. E para que, pelo poder que Lhe conferiste sobre toda criatura, Ele dê a Vida Eterna a todos aqueles que Lhe entregaste." Jo 17,1-2
    Pois como Redentor da humanidade, Ele veio para realizar o perfeito sacrifício, encerrando o tempo dos sacrifícios oferecidos pelos judeus: "Pelos pecados ofereceu Cristo um Único Sacrifício... Por uma só Oblação, Ele realizou a definitiva perfeição daqueles que recebem a santificação." Hb 10,12.14
    Ora, se o próprio Jesus não fez caso de Sua Onipotência, que tão importante obra haveríamos de realizar a ponto de cegamente apegarmo-nos a essa vida? O testemunho de Judas Macabeu recomenda: "Mas o Criador do mundo, que formou o homem em sua origem e a todas coisas deu existência, restituir-vos-á, em Sua Misericórdia, tanto o espírito como a vida, se agora fizerdes pouco-caso de vós mesmos por amor às Suas leis." 2 Mc 7,23
    Nosso duro entendimento precisa mesmo contemplar Seu brutal Sacrifício para vir a acreditar na Vida Eterna, porque também precisamos penitenciar-nos, como Jesus disse em Sua primeira aparição aos Onze: "Abriu-lhes o espírito, então, para que compreendessem as Escrituras, dizendo: 'Assim é que está escrito e assim era necessário que Cristo padecesse, mas que ao terceiro dia ressurgisse dos mortos. E que em Seu Nome se pregasse a penitência e a remissão dos pecados a todas nações, começando por Jerusalém. Vós sois as testemunhas de tudo isso.'" Lc 24,45-48
    E até a análogos sacrifícios teriam que se entregar aqueles que se prontificam a segui-Lo, como aconteceu aos Apóstolos e tantos outros mártires. Ele expressamente disse a São Tiago Maior e São João Evangelista: "Vós bebereis o cálice que Eu devo beber, e sereis batizados no batismo em que Eu devo ser batizado." Mc 10,39b
    Terrível contrassenso, o Catolicismo seria abominado por aqueles que se julgam religiosos. Jesus advertiu: "Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que todo aquele que vos tirar a vida julgará prestar culto a Deus." Jo 16,2
    Assim, mesmo que nossas impressões indiquem outra coisa, claro está que a verdadeira vida vai muito além da atual existência carnal, como São Paulo argumenta: "Se é só para esta vida que temos colocado nossa esperança em Cristo, somos, de todos homens, os mais dignos de lástima." 1 Cor 15,19
    Com efeito, havia mais uma revelação que Jesus veio confirmar: todos ressuscitarão, mas nem todos terão o mesmo destino: "Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos que se acham nos sepulcros sairão deles ao som de Sua voz: os que praticaram o bem irão para a Ressurreição da Vida, e aqueles que praticaram o mal ressuscitarão para serem condenados." Jo 5,28-29
    Tal afirmação leva a entender outra de Suas frases: "Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes temei Aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena." Mt 10,28
    Ou ainda: "Pois aquele que quiser salvar sua vida, perdê-la-á. Mas o que perder sua vida por amor de Mim e do Evangelho, salvá-la-á." Mc 8,35
    Para tanto, devemos buscar a mais pura inspiração do Espírito de Deus, que é o Divino Guia de nossas vidas. São Paulo diz: "De fato, se viverdes segundo a carne, haveis de morrer. Mas se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis, pois todos aqueles que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus." Rm 8,13-14
    Ele mesmo já se declarava morto para o mundo e para a Velha Aliança: "Na realidade, pela fé eu morri para a Lei, a fim de viver para Deus. Estou pregado à Cruz de Cristo." Gl 2,19


NEGAR-SE A SI MESMO NÃO É ENTERRAR OS TALENTOS

    Surge, porém, uma pergunta: e nossos talentos, dados pelo próprio Deus, estariam sendo anulados? 'Por certo que não', como São Paulo diria. Ele apenas quer que deles usemos para o bem maior do próximo. Aliás, além de deles pedir conta, como acontecerá no Dia do Juízo, Jesus revelou-Se bastante exigente quanto aos frutos que devemos apresentar-Lhe. Foi o que disse na parábola do servo que enterrou o único talento que lhe havia sido entregue: "Mau e preguiçoso servo! Sabias que colho onde não semeei e que recolho onde não espalhei. Devias, pois, levar Meu dinheiro ao banco e, à Minha volta, Eu receberia com juros o que é Meu." Mt 25,26-27
    De fato, nossa vida social deve ser uma interação de serviços para a construção do Reino de Deus, como Ele disse aos Apóstolos: "Pois eis que se pode dizer com toda verdade: 'Um é o que semeia e outro é o que ceifa.' Enviei-vos a ceifar onde não tendes trabalhado. Outros trabalharam, e vós entrastes em seus trabalhos." Jo 4,37-38
    Porque o plano de Deus é dar mais de Seus dons àqueles dispostos a produzir mais frutos, como diz o Senhor na parábola do talentos: "Tirai-lhe este talento e dai-o ao que tem dez. Dar-se-á ao que tem e terá em abundância. Mas ao que não tem, tirar-se-á até mesmo aquilo que julga ter." Mt 25,28-29
    Isso fica ainda mais evidente na parábola do fiel administrador: "O Senhor replicou: 'Qual é o sábio e fiel administrador que o senhor estabelecerá sobre Seus operários, para a seu tempo dar-lhes sua medida de trigo? Feliz daquele servo que o Senhor assim achar procedendo quando vier! Em Verdade, digo-vos: confiá-lhe-á todos Seus bens." Lc 12,42-44
    São Paulo atestou esse fato na comunidade dos coríntios: "Não cesso de agradecer a Deus por vós, pela Divina Graça que vos foi dada em Jesus Cristo. N'Ele fostes ricamente contemplados com todos dons, com os da Palavra e os da ciência, tão solidamente foi confirmado em vós o testemunho de Cristo. Assim, enquanto aguardais a manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo, não vos falta dom algum." 1 Cor 1,4-7
    E tais dons significam servidão, como foi a própria Vida do Salvador: "Jesus, porém, chamou-os e disse-lhes: 'Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade. Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, faça-se vosso servo. E aquele que quiser tornar-se o primeiro entre vós, faça-se vosso escravo. Assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar Sua Vida em resgate por uma multidão." Mt 20,25-28
    Pois devemos servir ao salvífico projeto de Deus: "Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para edificação da Igreja." 1 Cor 14,12
    Mais: negar-se a si mesmo pode até ser fácil se comparado a uma ainda mais ousada proposta, que Jesus fez aos que querem ser perfeitos: doar todos bens aos pobre e viver só para anunciar a Salvação, demonstrando total confiança na Divina Providência, De fato, de que mais precisa quem já tem Deus? "Se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois vem e segue-Me!" Mt 19,21
    Ou outra proposta igualmente difícil: quantos de nós somos capazes de amar nossos inimigos? Está no Sermão da Montanha: "Tendes ouvido o que foi dito: 'Amarás teu próximo e poderás odiar teu inimigo.' Eu, porém, digo-vos: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e perseguem." Mt 5,43-44
    Contudo, um pouco antes de sermos capazes de rezar pela Salvação dos inimigos, precisamos tratar de uma elementar questão: nossa atávica dificuldade de perdoar. E foi graças a pureza de São Pedro que esse assunto foi elucidado: "Então Pedro se aproximou d'Ele e disse: 'Senhor, quantas vezes devo perdoar meu irmão, quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?' Respondeu Jesus: 'Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.'" Mt 18,21-22
    Jesus ensinou que esta é uma obrigação antes de qualquer oração, em casa ou na Igreja: "E quando vos puserdes de pé para orar, perdoai, se tiverdes algum ressentimento contra alguém, para que também Vosso Pai, que está nos Céus, perdoe vossos pecados." Mc 11,25
    Mas não só rezar, como também tomar a iniciativa em fazer as pazes: "Se estás, portanto, para fazer tua oferta diante do altar, e lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa tua oferta diante do altar e primeiro vai reconciliar-te com teu irmão. Só então vem fazer tua oferta." Mt 5,23-24


A IMPRESCINDÍVEL AJUDA DO CÉU

    Produzir tão belos frutos, entretanto, não é possível só por nossos esforços. Precisamos estar unidos a Jesus, que Se apresentou como essencial a nossas vidas, isto é, como Deus: "Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanecer em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto. Porque sem Mim nada podeis fazer." Jo 15,5
    E tal foi o exemplo de Nossa Senhora, por completo dispondo-se ao projeto de Deus anunciado pelo Arcanjo Gabriel, mesmo sem saber como se explicaria a São José: "Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo tua palavra." Lc 1,38
    É Deus Espírito Santo, portanto, que nos ajuda a vencer o pecado. É a lição de São Paulo: "Outrossim, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza..." Rm 8,26
    Jesus pregou: "E, quando Ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do juízo." Jo 16,8
    Só depois, e sempre com Sua ajuda, podemos produzir os frutos que o Senhor de nós deseja: "... os frutos do Espírito Santo são caridade, alegria, Paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança." Gl 5,22-23
    Pois é o Divino Paráclito que distribui os divinos dons: "A um é dada pelo Espírito uma palavra de Sabedoria; a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito; a outro, a fé, pelo mesmo Espírito; a outro, a Graça de curar doenças, no mesmo Espírito; a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas. Mas um e o mesmo Espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como Lhe apraz." 1 Cor 12,8-11
    Só através d'Ele podemos plenamente conhecer e viver o amor: "Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi infundido." Rm 5,5
    E só por Ele podemos ser Igreja: "É n'Ele (Cristo) que todo edifício, harmonicamente disposto, levanta-se até formar um Santo Templo no Senhor. É n'Ele que conjuntamente vós também entrais, pelo Espírito, na estrutura do edifício que se torna a habitação de Deus." Ef 2,21-22
    Com razão, de nada vale negar-se a si mesmo se não tivermos do mais puro amor para oferecer: amor de Salvação: "Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos mistérios e toda ciência, mesmo que tivesse toda , a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. Ainda que distribuísse todos meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!" 1 Cor 13,1-3
    Carecemos, pois, do Espírito de Deus que nos aponta o caminho da santidade: "E isso para que os pagãos, santificados pelo Espírito Santo, sejam-Lhe uma agradável oferta." Rm 15,16
    Enquanto ministro, o Último Apóstolo admitia sua total dependência de Deus: "Não que sejamos capazes por nós mesmos de algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus." 2 Cor 3,5
    Apontava no Santo Paráclito toda autoridade da Igreja: "Por conseguinte, desprezar estes preceitos é desprezar não a um homem, mas a Deus, que nos infundiu Seu Espírito Santo." 1 Ts 4,8
    O próprio Jesus viveu em Comunhão com o Espírito Santo, e assim Ele declarou o início de Sua vida pública: "O Espírito do Senhor está sobre Mim, porque Me ungiu. E enviou-Me para anunciar a Boa Nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a Redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da Graça do Senhor." Lc 4,18-19
    E negando-se a Si mesmo, estritamente cumpria os planos de Deus: "Quando tiverdes levantado o Filho do Homem, então conhecereis QUEM SOU e que nada faço de Mim mesmo, mas falo do modo como o Pai Me ensinou." Jo 8,28
    Pois enquanto simples ser humano, como Ele mesmo afirmou, nada podia: "De Mim mesmo não posso fazer coisa alguma." Jo 5,30a
    E tão perfeita é Sua Comunhão com o Pai, que até os mais humildes a percebiam, como disse o cego de nascença por Ele curado: "Se esse homem não fosse de Deus, não poderia fazer nada." Jo 9,33
    Com efeito, Ele afirmou repetidas vezes: "Meu alimento é fazer a vontade d'Aquele que Me enviou e cumprir Sua obra." Jo 4,34
    Pregava, enfim, que fizéssemos o mesmo: "Assim também vós, depois de terdes feito tudo que vos foi ordenado, dizei: 'Somos inúteis servos, pois só fizemos o que devíamos fazer.'" Lc 17,10


ENTÃO: NEGAR-SE A SI MESMO OU NEGAR A CRISTO?

    O Cristo, portanto, mormente por Sua Redentora Paixão, é o único caminho para o Reino de Deus. Ele disse: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por Mim." Jo 14,6
    Pois é a purificação e a força que emanam de Seu Sacrifício que nos faz produzir grandes frutos, renegando o egoísmo, o hedonismo e a preguiça. São João Evangelista registrou nas visões do Apocalipse: "Àquele que nos ama, que nos lavou de nossos pecados em Seu Sangue..." Ap 1,5
    Como poderíamos virar-Lhe as costas diante de tão cativante projeto? "Digo-vos: todo aquele que Me reconhecer diante dos homens, também o Filho do Homem o reconhecerá diante dos anjos de Deus. Mas quem Me negar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus." Lc 12,8-9
    Diligentemente devemos guardar Sua Palavra, pois Ele garantiu: "Aqueles que recebem a semente em boa terra escutam a Palavra, acolhem-na e dão fruto: trinta, sessenta e cem por um." Mc 4,20
    E para nossa própria felicidade, como vimos São Paulo dizer, a solução é deixar-nos conduzir exclusivamente por Seu Espírito: "Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito e não satisfareis os apetites da carne." Gl 5,16
    Assim é, conforme São João Evangelista, que recebemos o dom da prudência: "Sabemos que aquele que nasceu de Deus não peca. Aquele que é gerado de Deus se acautela, e o Maligno não o toca." 1 Jo 5,18
    São João Batista, também dando exemplo de negação de si mesmo, disse de Jesus quando soube que Ele havia iniciado Sua Missão: "Importa que Ele cresça e que eu diminua." Jo 3,30
    E exigia daqueles que vinham receber seu batismo: "Dai, pois, frutos de verdadeira penitência." Mt 3,8
    Magistralmente, e no mesmo sentido, São Paulo explica o real significado da Santa Missa: "Eu exorto-vos, pois, irmãos, pelas Misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em vivo, santo e agradável sacrifício a Deus. Este é vosso culto espiritual." Rm 12,1
    Pois essa é a verdadeira vida espiritual, e é assim que devemos viver: "De fato, Cristo morreu por todos para que os vivos não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou. Assim, doravante, a ninguém conhecemos conforme a natureza humana. E se uma vez conhecemos Cristo segundo a carne, agora já não O conhecemos assim. Portanto, se alguém está em Cristo, é uma nova criatura. O velho mundo desapareceu. Tudo agora é novo." 2 Cor 5,15-17
    Afinal, a promessa do Reino dos Céus não é a satisfação de vaidades, mas Deus vivendo em nós: "E quando tudo Lhe estiver sujeito, então também o próprio Filho renderá homenagem Àquele que Lhe sujeitou todas coisas, a fim de que Deus seja tudo em todos." 1 Cor 15,28
    Por isso, por realizar a vontade de Deus e sentindo o vibrante pulsar da santidade em sua alma, São Paulo dizia: "Eu vivo, mas já não sou eu. É Cristo que vive em mim." Gl 2,20
    Ele assegura aos filipenses: "Porque é Deus, segundo Seu beneplácito, Quem em vós realiza o querer e o executar." Fl 2,13
    Foi o que nos prometeu Jesus pelo Santíssimo Sacramento: uma Igreja Viva: "Assim como vive o Pai que Me enviou, e Eu vivo pelo Pai, também viverá por Mim aquele que comer Minha Carne." Jo 6,57

    "Fazei de nós uma perfeita oferenda!"